Pular para o conteúdo principal

Perambulando #03 - Tainah

Tainah - O Mais Bonito




Perambulando é uma seção deste blog destinada a expôr os vídeos que irei registrar nas andarilhadas por aí.

Nesta edição, destaco o show da cantora e compositora baiana Tainah, que rolou na última quinta, 16/07, lá no Teatro Gamboa Nova, casa de muitos espetáculos interessantes em Salvador-BA.

Pra mim, foi uma grata surpresa. Quando estava no show da bela Cláudia Cunha, fui convidado pelo amigo Jélber Oliveira, excelente músico, a ir assistir a temporada de sua esposa, Tainah. Fui inclusive apresentado a ela nesta mesma noite; confesso que não levei muita fé. Achei-a tímida, meio apagada. Mesmo assim, fui. Impressionante como a gente se engana fácil. Aquela menina tímida surgiu imperial, dominando o palco e a platéia com uma simplicidade fluida, sem excessos, fazendo o que quis com sua bela e afinada voz. É claro que Jélber ajudou, montando uma guiga massa, com arranjos certeiros, embora que, algumas vezes, ficou alto demais, atrapalhando as nuances de interpretação de sua digníssima. Mas nada que viesse a comprometer uma exibição confiante, com personalidade. Alías, gosto muito dessas meninas que bailam à vontade no palco, livre de estereótipos programados.

Enfim, foi um belo show e deixo aqui a sugestão: vá conferir Tainah, nas quintas que sobram em julho, 23 e 30/07, lá no Teatro Gamboa Nova, R$ 5, cantando sobre o amor, com pegada MPB, groove e jazz.

Logo abaixo, segue mais dois vídeos do show. O primeiro, da música Caminha, de Tainah e que está selecionada entre as 50 do VII Festival da Educadora FM, foi interrompido por conta de uma ligação (tenho que me lembrar de tirar o chip antes de filmar!). O segundo, com a música Imagina, de Chico Buarque, é o registro da participação do bom cantor Tito Bahiense no show.


Tainah - Caminha (trecho)



Tainah e Tito Bahiense - Imagina




.

Comentários

Z, disse…
Os poemas do dominó foram inspirados nos fragmentos de seu conto mesmo, pensei que vc perceberia pela morte da bucha de Sena, ou Rita!

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…