Pular para o conteúdo principal

Perambulando #04 - Matiz

Matiz - Aos 27



Perambulando é uma seção deste blog destinada a expôr os vídeos que irei registrar nas andarilhadas por aí.

Porém, não pude expôr nesta edição os tais vídeos, porque o som foi rock, alto pra caralho (como deve ser), e a merdinha do meu celular não aguentou o tranco e distorceu tudo. Por isso, segue acima o recém-lançado videoclipe da música Aos 27, da banda baiana Matiz, cujo show de lançamento fui conferir na quinta passada, 23/07, lá na Boomerangue, principal casa do circuito alternativo em Salvador-BA. Essa música foi uma das cinco indicadas a Música do Ano, pelo Prêmio Bahia de Todos os Rocks de 2008.

Dirigido por Jero Soffer (fotografia também) e a dupla Renato Gaiarsa e Rodrigo Luna, com figurino de Irene Rio, o clipe tem um roteiro/idéia simples, concepção tradicional de apenas imagens da banda tocando e integrantes em separado (comum a produções de orçamentos do bolso-camaradagem de amigos), mas que funciona muito bem por conta da bela fotografia, harmonia entre cenário e figurino, e uma edição na medida certa do olhar de hoje, sem excessos carnavalescos ou exageros nervosos.

Comentei com Luna (durante o show) que o clipe é bonito e funcional, detectado pela vontade de assistir de novo que bate a cada vez que o assisto no youtube. Uma grande aquisição para a Matiz, que incorporou (comprovado pelo show) uma estética charmosa, elegante. Espero que continuem assim, classudos!

Conheçam mais da banda, que está prestes a lançar o primeiro CD, Nenhuma Tarde Ruim, e acompanhem suas novidades no site www.matizonline.com.br.

Segue abaixo o teaser do clipe, que ilustra bem essa tal nova aura:

Matiz - Teaser do Videoclipe Aos 27



.

Comentários

Leo Abreu disse…
Valeu, grande Mirdad. Vamos fazer essa cena daqui chegar onde deve... Uma das cenas mais criativas do Brasil merece ser reconhecida...

Grande abraço!!!

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…