Pular para o conteúdo principal

Perambulando #07 - Tiganá & Roberto Mendes

Tiganá & Roberto Mendes - Mpangi Mbote




Perambulando é uma seção deste blog destinada a expôr os vídeos que irei registrar nas andarilhadas por aí.

Nesta edição, destaco o show Vozes no Espelho, que uniu os cantores e compositores baianos Roberto Mendes e Tiganá Santana, lá no Teatro SESI (Rio Vermelho, Salvador-BA) ontem (terça), 11/08/09.

Com produção de Emílio Mwana e assistência de Bruno Senna, conforme release, é "uma síntese artística de dois cantores e compositores que se reconhecem na maneira de compor, no rigor estilístico, no apego à ancestralidade, na permissão à música, na inventividade, na inteligência. São dois inventores da música popular brasileira, marcados de africanidades, lusitanismos, indianismos, dentro de uma territorialidade figurada como Recôncavo Baiano, mas de projeção e capacidade comunicativa universais".

Voz e violão, poemas e música, cenários em reflexos que se expandiam, se reconheciam, identificavam que o tempo dos calendários é apenas uma invenção, mais uma dentre tantas, porque ali não havia anos, e sim, eternidades. Tiganá em breve estará lançando o seu primeiro CD, Maçalê, e a música Mpangi Mbote (grande irmão), que foi o parto desta parceria (Roberto gravou-a neste álbum), iniciou também este show que nunca mais terminará. Pretérito presente em cada dose de um futuro aqui, a quem canalizar a ancestralidade sempre vigente.

Logo abaixo, Disu ye Vula, nova música de Tiganá, com o toque do mestre Roberto: "Eu já fui este rapaz há algum tempo. Tenho certeza de que eu fui ele antes de mim. Eu tenho certeza de que esse rapaz veio um pouquinho antes".

Tiganá & Roberto Mendes - Disu ye Vula




Na humilde opinião deste espinho aqui, o ponto mais emocionante do show (quase desapareci, o ato de filmar é que foi o peso preciso pra esse registro), foi a junção das irmãs Reverência (Tiganá) e Saluba (Roberto), em que Tiganá recitou um poema pedrada, impactante, com trechos assim: "Comecemos pela morte e terminaremos cuidados pelo saber ... A senhora madeirada segura o solo porque é menos seguro que a invisível solidão da fé-éter ... A morte é matéria prima da vida que é encontrada nos caminhos ... Para se ser lama, é preciso se ser lume, sem qualquer vestígio de limo, sem qualquer dúvida sobre o leme".

Tiganá & Roberto Mendes - Reverência / Saluba




Aqui, Dembwa (10 de Agosto), que também estará no CD Maçalê, encerrando a breve filmagem, pra deixar um gostaço de quero mais em você, caro leitor.

Tiganá & Roberto Mendes - Dembwa



.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…