Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Tiganá

foto: Luiz Brasil

"...
A água, em seu sopro, é o que erige o sonhador,
quando a vida doa o sonho à dor.

------

Meu verbo é infinito, mas é feio
pra servir de epifania ou de portal,
Meu verbo é um elemental
e minha casa é o seu varal...
onde os corações tomam ar

------

A gota dos encantos merece habitar os braços
do homem que não sangra...
... e que devotará ao corpo a extradição
do solo errante e do esperar;
bendita mulher é a poesia de partida
sem ter onde ficar na embarcação...
bebeste a manhã que, sequer, raiou por ti...

------

O Tempo é o mundo todo
e é o sangue da mulher.

vai levantar até aquele que morre logo
por morar em sua fé.
vai derrubar até a vida mais colorida
e o argumento de quem bem quiser.

------

De vez em quando
eu sou a árvore que fez o Mali
ser a pele a cobrir
as mulheres caídas sem os seus corpos.

------

Bom irmão,
na vida do tempo
o coração é a casa.
Veja de frente,
que a causa do caminho
está no próprio caminho

------

De que valerá o arrebol,
de que servirá ser alada
se a inocência lhe fez culpada,
qual rosa que despetalou
pra ser ofertada.

Esqueceu... preta esqueceu...
preta virou breu... ao morro ascendeu...

------

Vento do equador me levando a ti...
... pra, quando tu sejas Guiné,
eu seja abissal...

------

Fome, mãe...
... a terra está distante
Com sabedoria, filho...
... há a alvorada

------

Deus, no quilombo é que as pessoas são.
Quilombo da morte para a vida; quilombo da vida para a morte
Deus...

..."

Trechos de letras do álbum Maçalê (2009), na ordem deste post, Reverência, A Luz do Oculto e o Sol do Sentimento, Para a Poetisa Íntima, Dembwa (10 de Agosto),
Le Mali Chez La Carte Invisible (traduzida), Mpangi Mbote (trad.), Do Alto, Do Fundo, Muloloki (trad.), Nzambi Kakala ye Bikamazu (trad.), de Tiganá Santana, que está pronto e será lançado este ano ainda. www.myspace.com/avozdetigana

.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…