Pular para o conteúdo principal

Especial: Rodrigo Damati


Conheci o gaúcho deserdado Rodrigo Damati, vulgo Metade, na produção bamba de um show do seu extinto power trio enquanto isso... (os outros músicos, brothers Léo e Dinha, vieram a formar depois 50% da banda Matiz). Anos depois, reencontrei-o numa festa muito louca e fiquei puto ao saber que estava parado, sem fazer som, desde o fim do trio. Gosto do trabalho composicional de Metade, e da postura visceral que encarna a voz de suas canções. Tal talento não poderia ficar legado ao limbo do comodismo Caymmi dos artistas de fato. Respaldado pelo grande amigo Txhelo Castilho, firmei que montaria uma banda pra ele. Assim nasceu Clarice, comigo inclusive na guitarra horrível, que não durou mais que três ensaios.

Desse embrião, só restou Txhelo, que depois da chegada do baterista mais sutil da Bahia, o também gaúcho Felipe Dieder, rendeu mais um power trio para Metade; desta vez, consistente e um pouco duradouro: Cerveja Café. Mas o assunto aqui não é música, e sim artes gráficas.

Metade, desempregado crônico, é um competente design, dotado de uma auto-sarcasmo deveras interessante. Pois lhe apresento agora uma seleção de tirinhas que o loser pinguço está publicando no ótimo fotolog 29 Tiras. Confiram e façam um artista moribundo um pouco menos infeliz:




























Íntegra das tirinhas Espelho, Espelho Meu; Tempos de Outrora; Vem Fácil, Vai (Embora de Uma Vez) Fácil; To Be or Not to Be; A Cigana Leu o Meu Destino; HALLOWEEN do METADE - Yo no Creo en las Brujas; A Saga do Herói; Encontros Inusitados; RODRÊGO LONA em Eu Tenho um Sonho; Aventuras no Mundo Audiovisual II; A Volta dos que Não Foram; No Boteco, com Leo Chapéu; e Sonhar não Custa Nada, de Rodrigo Damati, publicadas no fotolog 29 Tiras (2009-2010). www.fotolog.com.br/29tiras

.

Comentários

Rodrigo disse…
Muito obrigado, meu amigo! Você sempre na produção cultural da cidade! Eu, pelo menos, sou um dos grandes beneficiados por seus trabalhos! Grande abraço e muito sucesso!
Surabhi disse…
Esse menino é bom.
Leo Abreu disse…
Bons tempos aqueles da Clarice...
Ticiana disse…
muito bommesmo...
parabéns metade!!!
Ricardo Longo disse…
(Eu acho que) ele sabe que eu sou fã dele.

Massa a divulgação por aqui, meu velho. Talento assim tem mais é que correr a web mesmo.
Glauco disse…
Rapaz, very good isso aí!! podia fazer tirinhas dessas figuras do rock baiano, ia ser sucesso!!! abraço


Glauco Neves
Cynthia disse…
posso usar as tirinhas do Metade no meu blog? adorei!! se puder, manda e-mail!
Cerveja Café disse…
Cynthia, não consegui achar seu e-mail pra contato. Pode usar as tiras a vontade. Será uma honra! Valeu!
Rodrigo Damati.

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…