Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Raiça Bomfim


Como o blog é ditatorial, e taí a grande vantagem de fazê-lo, aceito tranqüilamente ser criticado por estar me repetindo. Pois continuarei agora a repetir. Mais uma vez a atração desta seção Pílulas foi me apresentada nos negros anos da Faculdade de Comunicação da UFBA, a famigerada FACOM. Só que desta vez, ao invés das feras anteriores, é uma dama de um incrível e expansivo gargalhar que os apresento: a pulsante atriz e poetisa Raiça Bomfim.

Ela ficou pouco no curso de produção cultural, e foi logo se encontrar na Faculdade de Teatro, onde se formou, e é hoje uma atriz profissional, de intensa atividade. Eu desconhecia sua face literária, que me foi alertada pela Bienal do ano passado, onde se apresentou na mesma praça que este espinho aqui. Mesmo assim, foi graças ao motor da poesia baiana, o amigo José Inácio, que pude conhecer um pouco dos versos de Raiça; JIVM a entrevistou para a seção Sangue Novo (leia aqui). Desde então, sigo seu celebrado e recomendado blog Mainha me Deu Lápis, cujo trabalho, em uma pequena amostra, figura pilulado logo abaixo (os três primeiros estão na íntegra).

Parodiando o que diz Roberto Mendes, o “bom começo de tudo é a Bomfim”. Se jogue, querida, sempre!

"...

Sentada
com as pernas em cruz
largou-se a sorrir feito louca
jurando que era santa
e provava o milagre
a quem lhe pagasse pra ver:
tirava leite de pedra,
água de pau, melaço de carne
e prometia o paraíso
a quem lhe alcançasse
o céu
da boca

------

é maré tonta
e o mar é tanto
que por bem
que eu chore
e sal e seque
e vá e volte
meu naufrágio
é sempre mais
distante e fundo

------

por temor de me ferir
dispense a prudência, corazón
não será o primeiro nem o último
recebo a diferença e o embate
sem escudo ou veredicto, venha
o que peço não é muito:
alguma inspiração, alívio
uma maravilha errante
e a modesta eternidade
dos orgasmos múltiplos

------

Eu queria ser uma
que em tua mão coubesse
acalmada e acolhida

Antes sou esta, que escapa
e grita, e te vê fugir
de espanto e asco
e segues, covarde
entre princesas
e ilusões

Eu sou o que não queres
e avessamente
desejas e te olvidas
de conquistar

------

ninguém
em meu peito há

por ti, ninguém
eu chamo

só tu, ninguém
respondes

ninguém que bem
me ama

ninguém em minha
cama

------

O que nasce da terra
sou Eu
O que a terra seca
aterra e desterra

Pelo vinco sagrado
desenterro-me
sob o palácio estrelado
aterrorizado

Nasci do mistério
e estranho tudo
Mas floresço
e sei

(para Daniel Guerra)

------

Eu sei a cor dos infernos

É nítida pra mim a boca enorme do universo
pronta pra me devorar

Que venha, então, meu inquisidor
e ardamos

------

Em meu altar invisível
santa, puta, louca
e qualquer outra
olham por mim

Ainda que te odeiem, ama
ainda que te prendam, ama
ainda que te deixem

Que esta é a herança
das estrelas
e nossa rebeldia

------

nem leve nem pluma
eu quero amor osso que
se roa pedra que se
parta reta que se
espante realeza parda
sonho de padaria

quero bigorna que incida
desfaça quebre o chão
a casca a via
a rotina quebre a
corrente e o quebranto

------

Vendo o homem que aportou naquela tarde
Que me olhava como quem me conhecesse
Cri-me dona de meu curso, de meu seio
E ao eleito, dispus todo meu engenho
Com um só fio a liberdade eu concedia
E amarras firmes, armadilhas, eu tecia
Projeção de quebradiça tessitura
Flor e ferro de abandono confrontada
E à minha própria força, então, disponho crivo
Pra inconsútil e forra, enfim, libar o gozo
Absolvido

------

O que tomaram não era seu, José
que de ninguém nada se tira.

------



pensei que fosse a morte
ou que fosse a loucura
mas não
foi tema mais terrível
sentido ainda mais forte

meu deus, era o amor
sem norte


------

abismo, amor, poço fundo é risco
não é sina, é sangue, coisa viva à vista
derrame o que seja, veja o que veja
me alcance a vertigem, o medo, e inflame
que o nosso destino, amor, é ponte
e estamos no meio, no veio, ao meio.

(a Seu Pitico)

------

Quis beijá-los com ternura e fúria
o amor frágil de sequência inevitável
amanhã poderia perdoar-nos...

Que meninos foram esses, em que gesto se perderam
ninguém saberá, é selva imensa, é noite longa
compreenda os monstros, mas revele-os.

Os homens não são cães, Caimã,
eles são é carentes.

------

Bela musa ácida
molha a saliva
de tua filha cálida

------

cansados de tanto lamento
caíram na noite, sacudiram o corpo
trocando as pernas, pediram mais uma

..."

Íntegra dos poemas Esquina, Coração Lodo e Repeteco, e trechos dos poemas Por Jorge, Gruta, Lunário, Flama, Matiz, Quedo, Ariadne, An-Dar, Terrível, Ponte, Lobo Lobo Bobo, Sela e Balança Mas No Cry, de Raiça Bomfim, publicados no blog Maínha me Deu Lápis (2009). www.raibomfim.blogspot.com

.

Comentários

Fabrício disse…
Conheci-a na seção "Sangue novo" e aqui voltei a ler alguns dos seus poemas... Acompanho essa moça e seus poemas.


abs;
Fabrício
Raiça Bomfim disse…
Que massa estar aqui, meu velho!
Entre as farpas doces deste alime da psicodelia.
Que massa!

Um abraço forte,
Rai.
viacimabue27 disse…
Parabéns Raiça!!!
Espero que volte este ano para São Paulo para pode te conhecer pessoalmente, abraço luz e sucesso!
Fran
Srta. M. disse…
Feliz por ver Raiça aqui, tendo tão bonitamente sua palavra descrita. Muito bacana esse reconhecimento singelo!
Denise Bomfim disse…
Salam, achei seu blog muito interessante! Artístico na alma.
Visite meu blog, quando puder...
Sucesso!
Gostei da Raiça Bomfim, só não sei se somos da família sanguínea, mas da família cósmica, certamente.

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…