Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Thiago Kalu


Assim como o autor anterior desta série (Lobão, aqui), conheci Thiago Kalu nos negros anos da Faculdade de Comunicação da UFBA. Aluno do curso de jornalismo, desde sempre sua manifestação foi extremamente musical, uma simbiose perfeita entre o suingue preto de um violão de nylon, a melodia faminta de suas canções e a malandragem rouca de uma voz que sintetiza a essência do groove e a melancolia de um ser em Lost.

Kalu é um artista, de fato, que transita entre a música e a poesia como manifestação encrustrada e escancarada de sua andarilha existência, e como tal, um errôneo transitante de sua confusa montanha-russa. É um homem fera ferida, band leader do eterno promissor Clube da Malandragem, que tive a honra de lhe cunhar o apelido que o veste desde os vindouros faconianos.

Kala-Kalu, voscifere muito, que ainda há muita angústia a ser torrada na fogueira da vibração!

"...

Na fineza do riso estampado
O estado de sã lisergia
Na folia de cão indeciso
O desejo de ser reparado

Marcas falhas do homem-fera
Rosno em funda timidez

------

Estou farto dos meus excessos
dos rastros que eu deixo
Enjoei das mulheres que deito
cansado de ouvir que não presto

Já que o alcance da verdade
tem andado tão distante
de amanhã em diante, serei vivo

Chega de olhares sérios
De mistérios permanentes

------

Que venham os males
Tornar-se-ão amuletos
Na minha doce tortura dos últimos dias

Ando pouco faminto e sem sonhos noturnos
Meu filho morreu sem que eu me tornasse pai
Minhas canções mais belas terão de ser traduzidas

O Português é cruel porque penso em Português

Talvez eu ande pelas praças, recitando poemas amargos
E receba pedradas dos estudantes

Talvez uma moça cega me ame

O coração não é inflável
Todo poeta sabe disso,
E todos podem ser poetas,
Por mais que o sejam calados

------

Cartas de amor têm de ser escritas à mão
Cada ponto, cada vírgula, a erupção de uma glória
Mesmo quando rasgadas, queimadas ou jogadas fora

------

Antes que eu repita as mesmas emoções passadas
Atirem-me razões
Gritem aos meus ouvidos qualquer palavra cheirosa
Que eu mudo as velas
E deixo a lua por lá mesmo

Antes que eu envelheça,
Retirem-me do sobrado

Os sentimentais evitam as estantes
Eles conhecem o pináculo do campo, o medo
A retidão, a censura e um pouquinho da mentira

------

O sino acaba o sono
A cena remete à sina
O toque precede o choque
A prece nos cede o transe

Juruna e Jurema:
O santo sotaque

------

A cada sorriso: mais dores
As mãos ocupadas

Tanto faz, tudo é igual
Os segredos que são seus, mas que nem você sabe
Tudo aquilo que cabe, mas que não está em suas mãos

------

Hoje, vou transformar um poema num quadro
Com olhos, pele e boca
Talvez as cores não combinem
Os versos não rimem, a tinta acabe
Eu me canse, volte ao chuveiro
E o líquido desabe

------

Pinte-me com sede
Ou ceda-me seus mares
Passe-me suas dores

Pinte-me contigo
Em risco tão concreto

Invente uma assinatura
E junte nossas redes
Numa mesma tela

------

Mil cento e setenta,
Meio e menos um.

Quatro quintos, cinco terços,
Onze, quinze avos.

..."

Trechos dos poemas Sopro Contido, Lembrete de Geladeira, O Canudo, Soluço, Volta e Meia, O Próprio Improviso, A Moeda, Poesia Invejosa, Trabalho de Desenho e O Contador de Histórias, de Thiago Kalu, publicados no blog Kaluniando (2006-2009). www.kaluniando.blogspot.com

.

Comentários

tmfc disse…
Meu irmão é puro talento... é da minha banca!!!

Saravá,
Marinho

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Pílulas: Provérbios, de Mãe Stella de Oxóssi

Mãe Stella de Oxóssi (foto: Iraildes Mascarenhas - interferida por Mirdad)

"Criar desculpas para os próprios atos é a melhor maneira de permanecer no erro"


"Quem está vinculado ao sagrado, não deve mentir em seu nome"


"Fé não se impõe"


"Quem desdenha dos defeitos alheios está exibindo os seus"


"Às vezes se precisa perder pouco, para não perder tudo"


"O caminho espiritual pode ser comunitário, porém é sempre solitário"


Provérbios Mãe Stella de Oxóssi (2007)

"O que o destino disser que é, ninguém terá força para dizer que não é"


"Saber morrer faz parte do saber viver"


"Não é sábio aquele que se acha sabido"


"A presença do 'se' mostra a impossibilidade de realização dos desejos"


O provérbio diz: "Não há Orixá como o estômago, pois recebe sacrifícios diariamente". Mãe Stella de Oxóssi interpreta: "O estômago é como uma divindade, precisa ser respeitado e cuidado"