Pular para o conteúdo principal

Vamos ouvir o 1º CD da Ana Gilli

Ana Gilli - Sabe Qual?




Não consegue visualizar o player? Ouça aqui


Sabe aquela cantora, a atriz Ana Gilli? Ela mesma, tá lançando seu 1º CD! Sabe qual?


“Sabe Qual?” é o álbum de estreia da cantora e atriz paulista Ana Gilli. Premiado pelo Edital de Gravação de Primeiro Disco do PROAC da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, traz nove faixas em que a interpretação peculiar da cantora fica em evidência: uma voz suave, delicada, repleta de recursos cênicos que dialogam com a essência das melodias, soando natural e com grande sensibilidade.

Atriz formada pela EAD-USP, graduada também em canto popular e em comunicação, o que Ana Gilli quer é dialogar com o seu público, marca singular de seus shows. Inspirada nas grandes intérpretes da música global, deixa de lado o aspecto autoral, tão em evidência nesses tempos, pra poder trazer de volta o foco na interpretação, nas minúcias do canto, pra poder comunicar melhor às pessoas o que as belas composições mais buscam: emocionar.

Com direção musical do violonista e arranjador gaúcho Leandro Brenner, que acompanha Ana Gilli há quatro anos, e produção da empresa Cult Cultura, “Sabe Qual?” é um álbum de MPB, reunindo diversos estilos como pop, bossa, soul, baião, samba, moda de viola, balada voz e violão, maracatu e muito groove. Além do prêmio do Edital do PROAC, o disco levou uma verba complementar através do Catarse, site de crowdfunding, para gravação da faixa “Como Dizia o Poeta” (Vinicius de Moraes e Toquinho), 1ª composição deles em parceria, que teve a ilustre participação do cantor e compositor Toquinho. As outras participações do CD são do sanfoneiro Enok Virgulino (do Trio Virgulino), da MC Dani Nega e dos violeiros do Duo Catrumano.

Acompanhada pelos músicos Fernando Silveira (percussão), Bruno Tessele (bateria) e Fil Caporali (baixo), além do diretor musical Leandro Brenner, Ana Gilli inicia com “Sabe Qual?” a sua pesquisa pelos novos sons contemporâneos do Brasil. Para montar o repertório, entrou em contato com a nova geração da MPB através de festivais, saraus e redes sociais, recebendo mais de 400 propostas de músicas de todo o Brasil. Chegou a uma seleção em que apresenta três canções premiadas em festivais (“O Nome, a Pessoa”, “Pétalas de Cinza” e “Horizonte”), e músicas de compositores em ascensão como Vinicius Calderoni, do grupo 5 a Seco, Dani Gurgel, Daniel Conti e o baiano Daniel Mã.

No partido alto “Primeiro Samba” (destaque do CD ao lado do single “Saci” e da pop “De Casa”), Ana Gilli, na simpatia malandra de chegar com calma, pede “licença pra cantar meu primeiro samba ... peço a benção pra cantar”. Pois bem, bela voz, pode vir, tá abençoada!


www.anagilli.com.br

www.soundcloud.com/anagilli

www.facebook.com/anagillioficial


Ana Gilli


Ana Gilli tem formação em canto popular pelo Centro de Estudos Musicais Tom Jobim (antiga Universidade Livre de Música – ULM) e é atriz graduada pela tradicional Escola de Arte Dramática da USP – EAD.

Teve como sua maior influência a música de seu país: bossa nova, samba, choro, baião e a música caipira de raiz. O contato com o Jazz ocorreu nos Estados Unidos, onde estudou Arte Dramática. Sua viagem não apenas mudou suas referências musicais como também suas referências teatrais. Foi no Teatro Musical que Ana Gilli encontrou sua expressão artística mais completa. Ao voltar ao Brasil em 2002, mudou-se para São Paulo onde desenvolveu pesquisas e trabalhou com grandes nomes do Teatro Brasileiro, tais como Celso Frateschi, Iacov Hillel, Roberto Lage, Beto Andreeta, Carlos Bauzys, Bete Dorgam, Cristiane Paoli-Quito e Mônica Montenegro.

Desde 2006 dedica-se à carreira de cantora solo, tendo se apresentado em casas de show na cidade de São Paulo. Tributos a grandes nomes da música estão presentes em seu currículo musical, como: “Como Dizia o Poeta - Tributo a Vinícius de Moraes”, “Tributo a Baden Powell” (ambos em parceria com violonista Leandro Brenner), “Tributo a Elis Regina”, “Tributo a Billie Holiday” (ambos em parceria com os pianistas Beto Bertrami e Fernando Henna) e “Tributo ao Samba”, em parceria com as cantoras Livia Camargo e Luanna Belini, o cavaquinista Marcel Martins, o violonista Emerson Negão e o percussionista Fernando Silveira.

Em 2008, ganhou dois prêmios de Melhor Intérprete em Festivais de Poesia Falada (Festival Internacional de Poesia de Varginha e Festival de Poesia Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro). Em 2009, estreou o Musical Infantil “Bichos do Mundo” (Companhia de Bonecos Pia Fraus) onde atuou como atriz e cantora. O resultado deste trabalho deu-se na gravação de um CD, lançado em todo o país no ano seguinte.

Em 2010, Ana Gilli iniciou uma parceria com a Cult Cultura, empresa de Marketing e Gestão Cultural que começou a gerenciar sua carreira através de estratégias de marketing e comunicação. Sua logomarca foi reformulada e os perfis de Ana Gilli começaram a ser criados nas redes sociais mais adequadas para seu público. Nesse mesmo ano, Ana Gilli apresentou o show “Como Dizia o Poeta” em diversos locais e eventos, como: “Vinícius Bar”, localizado à Rua Vinícius de Moraes, em Ipanema (RJ); “Estação Catraca Livre”, promovido pelo site Catraca Livre, do jornalista Gilberto Dimenstein; “Seresta na Praça”, em Campinas, onde Ana Gilli abriu os shows de Jair Rodrigues e Wanderléa; “Casa São Jorge”, entre outros.

Em 2011, a cantora abriu sua agenda de shows na conceituada casa “Ao Vivo Music”, participou da gravação e do pré-lançamento do 2º CD da Orquestra Filarmônica de Violas (dirigido por Ivan Vilela), cujo repertório também conta com a participação de Tetê Espíndola e organizou, ao lado da Cult Cultura, o AnaGilli.Domingo.conVida, evento multicultural realizado no Bar Kabul (centro de São Paulo), que reuniu, em 3 edições, talentos de diversas áreas da arte e da cultura e finalizando sempre com o show “Como Dizia o Poeta”. Também participou do projeto “O Fim está próspero”, do grupo “Meia Dúzia de 3 ou 4”, em que atuou como atriz em um clipe da banda e como cantora na música “Nibiru Geral”, com o músico Maurício Pereira.

 Em 2012, o projeto de Ana Gilli no site de crowdfunding (financiamento colaborativo) Catarse teve excelente destaque, e conseguiu viabilizar a gravação da música “Como Dizia o Poeta”, com a participação do reconhecido compositor e músico Toquinho. Esse projeto foi tema de uma matéria realizada pelo site “Cultura e Mercado”, referência em políticas culturais (http://www.culturaemercado.com.br/crowdfunding/crowdfunding-une-geracoes-em-projeto-promovido-no-catarse/). A música gravada com Toquinho está no repertório do CD “Sabe Qual?”, lançado em outubro de 2012.

Como atriz, Ana Gilli mantém a valorização da cultura nacional, interpretando as cantoras Marília Batista e Araci de Almeida na peça musical “Noel, o Poeta da Vila e Seus Amores”, escrita por Plínio Marcos e com direção de Dagoberto Feliz, apresentada na cidade e no interior do estado de São Paulo em teatros e SESCs diversos.

.

Comentários

Ana Gilli disse…
Mirdad, fico honrada pelo seu texto tão bem escrito e organizado. Obrigada!
Admiro seu blog e seu trabalho como escritor, músico e agitador cultural!
Vamos juntos!
Beijo

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…