Pular para o conteúdo principal

Trechos da orelha de Paisagem da insônia e do posfácio de Muralha: O goleiro imbatível

Victor Mascarenhas - Foto: Facebook do escritor


"A cada conto, a cada página e a cada parágrafo, a solidão maníaca dos personagens se exibe quase que pornograficamente e se esfrega na cara do leitor, sempre numa prosa caudalosa, que não poupa os adjetivos, os exageros e uma misantropia domesticada e usada a serviço do texto. Os zumbis insones de Emmanuel Mirdad vagueiam pra cá e pra lá em um círculo vicioso que envolve desde a mais banal dor de cotovelo ao mais sofrido fracasso. Dormir? Melhor não, a paisagem da insônia tem caminhos tortuosos, armadilhas a serem superadas e, para fugir dali, picadas precisam ser abertas entre os excessos de um autor sem filtros."


O escritor e roteirista Victor Mascarenhas, autor dos livros de contos 
A insuportável família feliz e Cafeína, escreveu a orelha de 
Paisagem da insônia, terceiro e último livro de contos de Emmanuel Mirdad
que tá na fila pra ser lançado, aguardando a revisão e a finalização.

_________________________


Elieser Cesar - Foto: Facebook do escritor


"Em sua estreia no romance, gênero que exige fôlego, Emmanuel Mirdad exibe o gás de um jogador que corre o campo todo, atacando e voltando para marcar, e o condicionamento de um escritor que não dá bicudas no estilo, não tropeça no texto e não faz firulas retóricas. E ainda mais: consegue escapar ileso das armadilhas da ficção de chuteiras, a maior delas ceder à tentação do fácil, repetitivo e batido jargão da crônica esportiva, repleto de lugares-comuns, como a transmissão de um jogo pela TV. Um a zero!"


"O Mudinho do começo da história é uma muralha no gol e uma rocha, impenetrável, na vida, pois, calado, fechado em copas, introspectivo e infenso a quaisquer emoções, sobretudo aquelas à flor da pele exibidas fartamente numa partida de futebol. Muralha: O goleiro imbatível é também um romance de formação; os anos de preparação de um jogador que se torna imbatível em campo e indomável fora dele."


"No romance do 'técnico' Mirdad entram em campo jogadores cabeças-de-bagre e medianos, candidatos a craque, torcedores fanáticos, cartolas inescrupulosos e uma sequência de lances tramados nos bastidores, intrigas, inveja, sabotagem, tentativa de arranjar resultados, negociatas, muito daquilo que há de heroico e edificante, mas também de sórdido, inescrupuloso e ilegítimo que o futebol comporta, sem faltar o cronista esportivo venal e sempre disposto a escalar o time em lugar do técnico e de quem mais entende de bola."


O escritor e jornalista Elieser Cesar, autor de A garota do outdoor 
O azar do goleiro, entre outros, escreveu o posfácio de 
Muralha: O goleiro imbatível, o primeiro romance de Emmanuel Mirdad,
que tá na fila pra ser lançado, aguardando a revisão e a finalização.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…