Pular para o conteúdo principal

Os vencedores prediletos do Oscar 2016

Meus vencedores prediletos do Oscar 2016: Ennio Morricone, Mark Rylance, Spotlight,
Emmanuel Lubezki, Tom McCarthy & Josh Singer (Spotlight) e Brie Larson (Fotos: Internet)


No Oscar 2016, das dez categorias que opinei esse ano (veja a lista aqui), só errei o pitaco de uma, a de Atriz Coadjuvante (pitaquei em Kate Winslet [Steve Jobs], preferi Jennifer Jason Leigh [Os oito odiados], mas ganhou a meeira Alicia Vikander [A garota dinamarquesa] que, pra mim, está melhor em Ex Machina).


Fiquei muito feliz por Mark Rylance ganhar como melhor Ator Coadjuvante por Ponte de espiões, e pelo melhor filme ter sido eleito Spotlight – Segredos revelados, meus prediletos em suas categorias (embora que, o melhor filme que eu vi, entre os indicados das dez categorias que opinei esse ano, foi o colombiano O abraço da serpente – não vi o vencedor de Melhor Filme Estrangeiro, o húngaro Filho de Saul).


2016 também foi o ano em que mais prediletos ganharam Oscars, como o genial Emmanuel Lubezki por O regresso, o roteiro original de Tom McCarthy e Josh Singer para Spotlight, e Brie Larson como melhor atriz por O quarto de Jack, além dos dois citados acima.


Pelo terceiro ano consecutivo, acertei os vencedores das duas categorias de roteiro (embora que o Adaptado preferi Emma Donoghue por O quarto de Jack – ganhou a bosta do filme A grande aposta), o que me deixa bastante satisfeito – quem sabe um dia?


O momento incrível da 88ª edição do Oscar foi, finalmente, o Oscar de Melhor Trilha Sonora para o grande mestre italiano Ennio Morricone (por Os oito odiados – a abertura é esplêndida!), aos 87 anos, que deu um sincero (e muito emocionante!) abraço no amigo e concorrente (e também grande mestre) John Williams (que concorria com o novo e fraco Star Wars), e agradeceu em ITALIANO! Vi o primeiro Oscar para o Chile, vi um mexicano ganhar por duas vezes consecutivas o prêmio de Melhor Diretor, e nenhum deles agradeceu na sua língua pátria. O mestre Morricone mandou ver, com muita simplicidade e sapiência, o seu grazie!


Veja a lista completa dos vencedores do Oscar 2016 aqui.


Os meus pitacos certos:


Melhor filme estrangeiro: Filho de Saul (Hungria), de László Nemes (O meu predileto foi O abraço da serpente, de Ciro Guerra)


Melhor filme: Spotlight – Segredos revelados, de Tom McCarthy (O meu predileto)


Melhor diretor: Alejandro G. Iñárritu por O regresso (O meu predileto foi Tom McCarthy por Spotlight – Segredos revelados)


Melhor roteiro original: Tom McCarthy & Josh Singer por Spotlight – Segredos revelados (O meu predileto)


Melhor roteiro adaptado: Adam McKay & Charles Randolph por A grande aposta (O meu predileto foi Emma Donoghue por O quarto de Jack)


Melhor ator: Leonardo DiCaprio por O regresso (O meu predileto foi Bryan Cranston por Trumbo – Lista negra)


Melhor atriz: Brie Larson por O quarto de Jack (A minha predileta)


Melhor ator coadjuvante: Mark Rylance por Ponte dos espiões (O meu predileto)


Melhor fotografia: Emmanuel Lubezki por O regresso (O meu predileto)


O meu pitaco errado:


Melhor atriz coadjuvante: Alicia Vikander por A garota dinamarquesa (Pitaquei em Kate Winslet por Steve Jobs e preferi Jennifer Jason Leigh por Os oito odiados)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…