Pular para o conteúdo principal

Cinco passagens de Marcus Borgón no livro O pênalti perdido

Marcus Borgón (Foto: Fernando Lopes)


"Nome: Beleléu
Posição: Lateral-direito
Altura / Peso: 1,59m / 55kg
Ponto forte: Muito feio, assusta os adversários
Ponto fraco: Sensível, se abala quando é chamado de feio"


"– Qual é o nome dele mesmo, Luizinho?
Luizinho deu uma risada sarcástica. Eu fiquei sem entender.
– Geflalisco.
(...)
Vai saber o que passa na cabeça de um pai na hora de registrar o filho com um nome desses. (...) Luizinho me explicou que o nome dele foi construído para homenagear os avós: Geraldino e Flaviana, por parte de pai; Lindalvo e Francisca, pelo lado materno. É o tipo de nome que deveria vir com uma nota explicativa. O indivíduo que carrega uma homenagem dessas deve ter vontade de amaldiçoar toda a sua árvore genealógica. Luizinho me disse que a vergonha era tanta que ele se recusava a falar o próprio nome. Na casa dele, deram um jeito de abreviar e amenizar o estrago, chamando-o de Lisco. Só que o irmão caçula, quando começou a falar, não conseguindo pronunciar corretamente o apelido, chamava-o de 'Lixo'. Em vez de corrigirem o pirralho, todos passaram a imitá-lo. 'Lixo' foi oficializado. E o pior é que ele preferia ser chamado assim. Julgava menos constrangedor do que aquele ajuntamento de avós em forma de nome / palavrão."


"A minha mudança para o Conjunto Deodoro da Fonseca significou não só uma alteração de endereço e status social, mas, principalmente, uma mudança de comportamento. Tive que aprender a lidar com o contato mais direto, frequente e invasivo dos meus novos vizinhos. No conjunto, como existem apartamentos térreos, as pessoas chegam sem a menor cerimônia na janela alheia. Olham para dentro da casa e se convidam para entrar. Eu não era acostumado a receber amigos em casa. Nem ter meu nome gritado lá de baixo. Quando menos percebi, eu não só tinha absorvido, como reproduzia naturalmente aquele tipo de comportamento. Zeladores, porteiros e interfone são elementos dispensáveis. Só servem como obstáculo nas relações pessoais, concluí. (...)"


"No primeiro treino, um menino que eu não conhecia apareceu e se dispôs a ficar como goleiro do time reserva, já que só contávamos com Lixo para a posição. Luizinho brincou, dizendo que eu e esse goleiro reserva tínhamos sido separados no berçário. Então me dei conta que era o tal Calango, de quem tanto falavam. (...) Eu olhei bem para ele, buscando encontrar a propalada semelhança entre nós. Ele tinha uma cabeça desproporcional ao resto do corpo. Olhos esbugalhados, que pareciam prestes a saltar do rosto. O pescoço emergia do meio do peito. O nariz era semelhante ao de um papagaio. E as pernas, absurdamente arqueadas. Naquele instante compreendi que toda comparação é injusta. Uma das partes sempre sairá insultada."


"Apesar de tudo, eu acusava sua ausência. Com ele por perto, me sentia mais protegido. Estranho pensar assim, uma vez que era justamente ele quem mais me amedrontava. Sua impaciência frequentemente se transformava em gritos e agressões. (...)"





Presentes na novela O pênalti perdido (P55, 2016),
páginas 32, 25-26, 18, 35 e 27, respectivamente.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…