Pular para o conteúdo principal

Emmanuel Mirdad concluiu Miwa, o seu primeiro romance


Hoje, 13 de julho de 2017, após 1.209 horas e 10 minutos, transcorridos em 315 dias, espaçados em cinco anos (2012-2017), concluí o meu primeiro romance, Miwa, a finalizar a escrita e a revisão, no total de 55.391 palavras e 169 páginas de Word.

Fiz esse mesmo anúncio em 2015 (aqui) e 2016 (aqui), quando o romance se chamava Muralha e Miwa – A nascente e a foz, só que o processo de lapidação continuou, e só chegou ao fim hoje. Pode ser que até o momento da publicação eu ainda faça alguma pequena modificação, mas o enredo finalmente foi concluído (não há mais o que ser feito ou cortado). Sobre o processo, falarei em um post mais à frente.

Fiz o livro ao som da banda islandesa Sigur Rós, quase completamente, mas também há participação da jamaicana Culture, da inglesa Radiohead, e do duo norte-americano Hammock.

A produção da ficção começou numa terça-feira, 17 de julho de 2012, a partir do esboço de duas páginas sobre o goleiro que nunca toma gol. Dos cinco anos de trabalho, 2015, 2016 e 2017 são os principais, quando a produção é realmente efetiva, as cenas de futebol são consolidadas, o enredo fantástico é assumido e o romance toma a forma e o estilo definitivos.


Pelas dicas, palpites e orientações, agradeço a: Sarah Fernandes (2017/2016); Wesley Correia, Acácia Melo Magalhães, Mônica Menezes, Gabriela Leite, Eli Campos, Susan Kalik e Marcelo Oliveira (2017); Carlos Barbosa, Mary del Priore e Flávio Bustani (2016); Victor Mascarenhas, Fabrício Mota, Mayrant Gallo, Filipe Sousa, Daisy Andrade, Elieser Cesar, Márcio Cavalcante e Lorena Hertzriken (2015); Tom Correia, Sara Galvão e Gustavo Castelucci (2014); Darino Sena, Ivan Dias Marques, Tabajara Ruas, Aurélio Schommer e Carlos Henrique Schroeder (2013); Ana Gilli (2012).

O romance, que ainda não tem data de ser publicado, é dedicado à minha mãe Martha Anísia, à minha irmã Kátia Moema, à primeira leitora, a fotógrafa Sarah Fernandes, e à memória de Ildegardo Rosa (1931-2011), meu saudoso pai, poeta e filósofo.

Contratei a revisora Acácia Melo Magalhães para fazer a revisão do original de Miwa. Ela já tinha feito a revisão do meu livro de contos Olhos abertos no escuro. Indico o seu trabalho: revisaodetextosnota10@yahoo.com.br | (71) 99931-1598 e (71) 3486-7641.

A versão anterior do romance, Miwa – A nascente e a foz, de janeiro desse ano, foi finalista do Prêmio Sesc de Literatura 2017, ficando entre os 27 pré-selecionados, de um total de 980 inscritos. Veja aqui.

O projeto de adaptação de Miwa para série de TV foi um dos 50 selecionados do Usina do Drama 2017, programa de formação de roteiristas para séries televisivas da Estação do Drama – Facom/Ufba: estou cursando e em processo inicial dessa adaptação. Veja aqui o resultado da seleção pública.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Melhores do jornal Rascunho #209

A multiplicidade da leveza e do riso Milan Kundera é capaz de unir em sua ficção ensaio irônico, narrativa, fragmentos autobiográficos, fatos históricos, arroubos de fantasia [Vivian Schlesinger] Leia aqui
-----

Resgatando obras Jamil Snege e a potência lírica de "O jardim, a tempestade" [Nelson de Oliveira] Leia aqui
-----

Clarice no espelho O leitor corre sérios riscos diante do texto de Clarice Lispector [José Castello] Leia aqui
-----

To be or not to be: that is the question (Nova proposta de tradução) [Evando Nascimento] Leia aqui
-----

A forma deformada Os poemas de "A retornada", de Laura Erber, parecem dignificar a experiência traumática [Rafael Zacca] Leia aqui
-----

No jardim das delícias Bissexualidade, preconceito e consciência de classe e de gênero marcam a escrita autobiográfica de Katherine Mansfield [Giselle Porto] Leia aqui