Pular para o conteúdo principal

Música para Escrever #23 — Zhaoze, seahorses, Bear the Mammoth, BRUIT ≤, Meuban, Have The Moskovik, Efrim Manuel Menuck, Elhombreanormal, Prynum e Triste polizonte


Mil novecentas e onze aves rivais ontem à noite, sim, hoje à noite, mantém-se longe a estrela azul insubstituível. O mundo não nos pertence – pertence a alguém que ainda está por vir. Quieta como um abeto, ausente como uma fábrica, no meridiano zero, a floresta de presas é colhida para ser transformada num bonsai. Os anos sob o vidro são monólitos para os habitantes do Chifre da África. Há muito papel de vinil a mijar estrelas, a união de ventos diferentes, esses obstáculos das histórias da meia-noite. Confira o post #23 da série Música para Escrever, com os melhores sons de post-rock, a alumiar a mente e transcender em palavras.

Guangzhou | China
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"1911 [Re-mixing 2018]"
(2018)
Ouça aqui

Para continuar escrevendo

"Birds Contending"
(2018)
Ouça aqui

"Yesternight Yes Tonight"
(2015)
Ouça aqui

"Yond"
(2013)
Ouça aqui

"Cang Lang Xing (Azure Star)"
(2010)
Ouça aqui

---------

Portland (Maine) | Estados Unidos
Bandcamp aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"irreplaceable"
(2018)
Ouça aqui

Para continuar escrevendo

"the world doesn't belong to us,
it belongs to someone yet to come"
(2017)
Ouça aqui

"Quiet as Firs, Absent as Factories"
(2016)
Ouça aqui

"zero meridian"
(2016)
Ouça aqui

"forest of fangs"
(2014)
Ouça aqui

---------

Melbourne | Austrália
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Yamadori"
(2014)
Ouça aqui

Para continuar escrevendo

"Years Under Glass"
(2018)
Ouça aqui

---------

Toulouse | França
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"MONOLITH"
(2018)
Ouça aqui

---------

Petah Tiqva | Israel
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"AFAR"
(2018)
Ouça aqui

---------

Orléans | França
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Papier Vinyle"
(2018)
Ouça aqui

---------

Montreal | Canadá
Bandcamp aqui
Instagram aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Pissing Stars"
(2018)
Ouça aqui

---------

Buenos Aires | Argentina
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"La unión de distintos vientos"
(2018)
Ouça aqui

---------

Stuttgart | Alemanha
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Obstacles"
(2018)
Ouça aqui

---------

Tijuana | México
Bandcamp aqui
Facebook aqui
Foto daqui

Melhor disco para escrever

"Historias de media noche"
(2018)
Ouça aqui

---------

Confira o Música para Escrever 2018, com MONO, Jakob, This Will Destroy You, Do Make Say Think, The Evpatoria Report, This Patch of Sky, Tortoise, Stars of the Lid, Esmerine, TRNA e mais 50 bandas nesse post aqui


Confira o Música para Escrever 2017, com Sigur Rós, Hammock, Godspeed You! Black Emperor, Explosions in the Sky, Mogwai, pg.lost, Imploding Stars, If These Trees Could Talk, hubris., ◯ e mais 40 bandas nesse post aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Pílulas: Provérbios, de Mãe Stella de Oxóssi

Mãe Stella de Oxóssi (foto: Iraildes Mascarenhas - interferida por Mirdad)

"Criar desculpas para os próprios atos é a melhor maneira de permanecer no erro"


"Quem está vinculado ao sagrado, não deve mentir em seu nome"


"Fé não se impõe"


"Quem desdenha dos defeitos alheios está exibindo os seus"


"Às vezes se precisa perder pouco, para não perder tudo"


"O caminho espiritual pode ser comunitário, porém é sempre solitário"


Provérbios Mãe Stella de Oxóssi (2007)

"O que o destino disser que é, ninguém terá força para dizer que não é"


"Saber morrer faz parte do saber viver"


"Não é sábio aquele que se acha sabido"


"A presença do 'se' mostra a impossibilidade de realização dos desejos"


O provérbio diz: "Não há Orixá como o estômago, pois recebe sacrifícios diariamente". Mãe Stella de Oxóssi interpreta: "O estômago é como uma divindade, precisa ser respeitado e cuidado"