Pular para o conteúdo principal

Literatura no Insta #01

Saí do Instagram no final de 2016. Não fez falta. Agora, na pandemia de 2020, voltei com um novo @ [pegaram o meu antigo], para poder assistir às lives. Decidi compartilhar literatura nessa rede, aproveitando o acervo garimpado neste blog. Na rodada #01, quinze cards com versos de Orides Fontela, Daniel Lima [2x], Ana Martins Marques, Ildegardo Rosa, Kátia Borges, Wesley Correia, Lívia Natália, Mônica Menezes, Maria do Rosário Pedreira e Ruy Espinheira Filho, trechos de Pepetela e Mayrant Gallo, um ditado polinésio e um provérbio haitiano, todos publicados no @emmanuelmirdad.


Orides Fontela no livro “Teia” (1996). #oridesfontela #poesia #poema #literatura #literaturabrasileira


Poema que mora no meu coração. “Não é o mar que amo, é o infinito que ele sugere” é lindimais! Do pernambucano Daniel Lima (1916-2012), presente no livro “Poemas” (Cepe, 2011). #daniellima #poesia #poema #literatura #literaturabrasileira


Ana Martins Marques, poema “Caçada”, presente no livro “Da arte das armadilhas” (@companhiadasletras, 2011). #anamartinsmarques #poesia #poema #literatura #literaturabrasileira #daartedasarmadilhas #companhiadasletras


Muito amô nesses versos finais do poema “Eu quero você”, do meu pai Ildegardo Rosa (1931-2011), dedicado à minha mãe Martha Anísia. Presente no livro póstumo “Mestre Dedé — O andarilho da ilusão” (Mondrongo, 2017). #ildegardorosa #poesia #poema #literatura #literaturabrasileira #mestredede #oandarilhodailusao


O predileto da poetaça Kátia Borges (@katiaborgessa), presente no livro (que amo!) “O exercício da distração”, de 2017. “estou cansada de sentir esse aperto no peito/ amo esta mulher que diz que passa”. Uau! Bravo! #katiaborges #poesia #poema #literatura #literaturabrasileira #amor #penalux


Visual é massa, charme, inteligência, carinho também, mas a gente ama pelo cheiro! E o caro poeta & amigo Wesley Corrreia (@weslecorreia) traduziu muito bem a grande sensação do amor (a menos louvada e creditada) no seu poema “Ode ao amor cruel”, presente no livro “laboratório de incertezas”. Bravo! Essa memória é danada. E cruel! #wesleycorreia #poesia #poema #literatura #literaturabrasileira #laboratoriodeincertezas


Que saudade do mar!!! E essa lindeza de hoje são os versos que abrem o poema “Oceano”, da fabulosa Lívia Natália, presente no livro “Correntezas e outros estudos marinhos”, de 2015. #livianatalia #poesia #poema #literatura #literaturabrasileira #literaturanegra #poesianegra #leiamulheres #leiamulheresnegras


O poema predileto (e que poema!) da homeopática & sensacional Mônica Menezes, presente no livro “Estranhamentos”, de 2010. Tem tanta coisa nesses versos, que me impressiona a síntese da poeta. Por pouco nós estamos, fracassos & sucessos. Bravo! #monicamenezes #poesia #poema #literatura #literaturabrasileira #leiamulheres


Trecho do poema predileto da poetaça portuguesa Maria do Rosário Pedreira, presente no livro “Poesia reunida” (@quetzaleditores, 2012), que tivemos a honra de trazer para a Flica 2019 (indicação da curadora Kátia Borges). #mariadorosariopedreira #poesia #poema #literatura #literaturaportuguesa #leiamulheres


Trecho do poema “Grácia”, o predileto do mestre Ruy Espinheira Filho, do livro “Estação infinita e outras estações”. #ruyespinheirafilho #poesia #poema #literatura #literaturabrasileira #poeta


Paciência de jegue! Versos que abrem “Receita para amar o Brasil”, do pernambucano Daniel Lima (1916-2012), presente no livro “Poemas”, de 2011. O padre poeta fecha a receita assim: “Para amar o Brasil, só com muita paciência. E muita imaginação” #daniellima #poesia #poema #poeta #literatura #literaturabrasileira


Recado seríssimo do mestre Pepetela, presente no romance “Mayombe”. #pepetela #mayombe #literatura #literaturaangolana #literaruraafricana #romance


Hoje, um velho ditado polinésio: “A palma crescerá,/ O coral se espalha,/ Mas o homem deve morrer”. Epígrafe de uma edição inglesa do romance autobiográfico “Le mariage de Loti (Rarahu)”, do francês Pierre Loti (1850-1923). #polynesia #polinesia #ditado #oldpolynesiansaying #rarahu #lemariagedeloti #pierreloti


Bay kou bliye, pote mak sonje”. Provérbio em língua créole (kreyòl), do Haiti, comumente usado pelas vítimas do ex-ditador Duvalier, que quer dizer: “Quem desfere o golpe, esquece, quem porta as cicatrizes, lembra”. Traduções em inglês encontradas na rede: “The giver of the blow forgets, the bearer of the scar remembers” / “The one who strikes the blow might easily forget, but the one who wears the scars must remember”. Ilustração do artista Soleiman Badat, natural da Île de La Réunion, território ultramarino francês a leste de Madagascar. #baykoubliyepotemaksonje #haiti #kreyol #creole #soleimanbadat #iledelareunion


Mayrant Gallo, preciso. Presente no conto “Noite em Brotas”, do livro “Pés quentes nas noites frias” (1999), pg. 31. #mayrantgallo #literatura #literaturabrasileira #contos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Edson Gomes

Os discos e as músicas do cantor e compositor Edson Gomes são os meus prediletos e as que eu mais gosto dentre tudo que é feito de reggae no Brasil. No meado dos anos 1990, eu só ouvia Bob Marley & The Wailers o tempo inteiro, e foi o ilustre mestre cachoeirano quem despertou o meu interesse para outros sons além do gigante jamaicano. Fiquei fã de Edson Gomes antes de conhecer Burning Spear , Peter Tosh , Alpha Blondy , Gregory Isaacs e muitos outros. Foram os clássicos dele, e são muitos, muita música boa, arranjos excelentes, o sonzaço da banda Cão de Raça (adoro a timbragem e improvisos do guitarrista Tony Oliveira ), que me apresentaram a magia do Recôncavo Baiano , de Cachoeira , muitos anos antes da Flica . Na Seleta de hoje, as 42 músicas que mais gosto, gravadas por Edson Gomes & Banda Cão de Raça , presentes em seis álbuns : “ Resgate Fatal ” (1995), “ Campo de Batalha ” (1992), “ Recôncavo ” (1990), “ Apocalipse ” (1997), “ Reggae Resistência ” (1988) e “ Acor