Pular para o conteúdo principal

Literatura no Insta #04


Saí do Instagram no final de 2016. Não fez falta. Agora, na pandemia de 2020, voltei com um novo @ [pegaram o meu antigo], para poder assistir às lives. Decidi compartilhar literatura nessa rede, aproveitando o acervo garimpado neste blog. Na rodada #04, Anton Tchekhov, Guy de Maupassant, Dino Buzzati, Augusto dos Anjos, Nelson Rodrigues e Ferreira Gullar, entre outros, 14 cards publicados no @emmanuelmirdad.

“Seguinte. A tristeza não gosta de mim. E quem não gosta de mim eu não dou ousadia”

Garimpado do best-seller, vulgo livro de crônicas mais estourado dessa quizumbahia, @ingresia, do xibanço Franciel Cruz. Nunca leu? COMPRE, PESTE!

#francielcruz #ingresia #literatura #literaturabrasileira #cronicas #cronica

Garimpado do premiado romance “O filho eterno”, de Cristovão Tezza.

#literatura #literaturabrasileira #romance #cristovaotezza #ofilhoeterno #editorarecord #record

Miniconto predileto de Victor Mascarenhas, presente no livro "Um certo mal-estar", lançado pela Solisluna em 2015 #literatura #literaturabrasileira #contos #conto #victormascarenhas #miniconto #minicontos #umcertomalestar #solislunaeditora #solisluna

Acreditar na Arte!”, do poeta Zecalu, que beleza! Acredite! #zecalu #literatura #literaturabrasileira #poesia #poesias #poema #poemas #instapoema #poesianoinstagram #arte

Dos que eu fiz, é o meu predileto.

#literatura #literaturabrasileira #emmanuelmirdad #poesia #poesiabrasileira #poema #poemas #pertenca #ontemnadaamanhasilencio

Escrevi esse poema num sete de setembro, anos atrás.

Depende
(Emmanuel Mirdad)

Antes de ser brasileiro,
eu sou nordestino,
mas sirvo à pátria
o papel de primogênito,
oriundo do leste mar,
fincado em paisagens áridas
e heranças que compreendo e compartilho.

Antes de ser brasileiro,
eu sou terráqueo
a girar nesse balão frágil,
a forjar que o horizonte é plano,
e os sonhos a circular
em uma pertença múltipla glocalizada;
o Mali, no mar da Grécia,
deságua em São Salvador.

Antes de ser brasileiro,
eu sou uma incógnita da Matrix,
apenas mais um,
a fruir o enigma, conectado à engrenagem,
disposto a acreditar
no que me mantém vivo
e respirar um pouco mais,
a sustentar o sentido que entretém Deus.

Antes de ser brasileiro,
eu sou você.

#quemsehabilitaacolorirovazio #emmanuelmirdad #literatura #literaturabrasileira #poesia #poesiabrasileira #poema #poesias #poemas #instapoema #instapoesia

"(...) diante da morte, só me interessa a ciência. Emitindo o suspiro derradeiro, ainda hei de crer que a ciência constitui o mais importante, o mais belo, o mais necessário na vida do homem, que ela sempre foi e será a manifestação mais elevada do amor, e que somente por meio dela o homem vencerá a natureza e a si mesmo."

Acho esse trecho magnífico! Também só me interessa a ciência. É através da ciência que a luz permanece.

Bravo, mestre Anton Tchekhov! O trecho do conto "Uma história enfadonha" foi garimpado do livraço "O beijo e outras histórias" [o meu predileto do mestre russo], pg. 125, com tradução de Boris Schnaiderman, lançado pela @editora34 em 2014.

#antontchekhov #tchekhov #chekhov #literatura #literaturarussa #contos #contosrussos #contorusso #conto #umahistoriaenfadonha #borisschnaiderman #editora34 #obeijoeoutrashistorias

Bravo, meu pai! Esse é o seu poema que mais gosto. E que você escreveu com 27 anos. No dia de Luiz Gonzaga, que você amava. 53 anos depois, num 13 de dezembro, você deixaria a matéria e se tornaria vento, como tanto queria.

Joga no Google: O andarilho da ilusão Ildegardo Rosa

“Eu queria ser vento e me fizeram pedra”. É o emblema da sua trajetória, a busca por ser um vento “liberto, alegre, que a todos conhece”, que “não tem preconceito” e “bisbilhota, canta, geme, chora e ri com os povos do mundo”, pois “traduz liberdade”, a escapar pelas frestas dos enquadramentos da matéria, que o forjam a ser “pedra grande, pesada, sem ânimo”, a virar concreto e monumento, “sendo escalada, mas sempre parada”. Um libertário a contestar os limites, um contestador a projetar soluções para superar o óbvio, um solucionador inspirado pela plena liberdade, para além da tirania das formas. Ildegardo Rosa, o Mestre Dedé.

Materializado em 22 de outubro de 1931, último dia de Libra, na cidade de Campos (atual Tobias Barreto), em Sergipe, fronteira com o nordeste da Bahia, quinto filho da forte Josepha com o inventor Joaquim, neto do coronel José Rosa — que dizem que inventou o sobrenome Rosa por gosto, e tragicamente morreu no naufrágio do Iate Itacaré (1939), em Ilhéus, junto com as economias da família (iria comprar fazendas de cacau) —, formou-se em Direito e Filosofia, teve diversos trabalhos, de açougueiro a ilustrado mestre cooperativista, Petrobras, Furnas e Uneb, foi menino que amava andar nu como índio, pai de duas filhas e um filho, avô de dois casais de netos, galante sedutor dançarino, honrado marido da musicista baiana Martha Anísia, 50 anos de amor e cumplicidade. Bem que tentaram, mas a pedra “chutada, pisada, cuspida, rolando... rolando... no sem fim das estradas” não foi capaz de conter o vento “forte, doido, tufão violento, revolucionário”, a soprar e gargalhar.

Que saudade! Te amo!

#ildegardorosa #oandarilhodailusao #mestrededeoandarilhodailusao #mestredede #poema #poemas #poesia #literatura #literaturabrasileira

O conto "Bola de sebo" é a obra-prima do escritor francês Guy de Maupassant (1850-1893), e este trecho é um dos mais perfeitos que já li na vida, devia ser tombado como patrimônio da literatura universal, e, se eu fosse professor, estudaria-o com afinco junto aos alunos.

"Ordens gritadas por uma voz desconhecida e gutural subiam ao longo das casas que pareciam mortas e desertas, enquanto por trás das venezianas cerradas olhos espreitavam estes homens vitoriosos, donos, por 'direito de guerra', da cidade, das fortunas e das vidas. Em seus quartos escurecidos, os habitantes sentiam o desespero dos grandes cataclismos, as grandes convulsões terrestres, contra os quais eram inúteis a sabedoria e a força. Sensação idêntica reaparece cada vez que se subverte a ordem estabelecida das coisas, a segurança deixa de existir e tudo que era protegido pelas leis dos homens ou da natureza se encontra à mercê de uma brutalidade inconsciente e feroz. O terremoto que esmaga populações inteiras sob os escombros das casas; o rio que transborda e carrega camponeses afogados juntamente com cadáveres de bois e traves arrancadas dos tetos; ou o exército glorioso dizimando aqueles que se defendem, aprisionando os restantes, pilhando em nome da espada e agradecendo a Deus ao som dos canhões – são os flagelos terríveis que abalam a crença na justiça eterna e a confiança incutida na proteção do céu e a razão humana."

Bravo! Presente no livro de contos "As grandes paixões", organizado e traduzido por Léo Schlafman, lançado pela @editorarecord em 2005.

#guydemaupassant #maupassant #boladesebo #literatura #literaturafrancesa #contos #asgrandespaixoes #editorarecord #leoschlafman

Um poema brutal:

Versos íntimos
Augusto dos Anjos

Vês?! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão — esta pantera —
Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te à lama que te espera!
O Homem, que, nesta terra miserável,
Mora, entre feras, sente inevitável
Necessidade de também ser fera.

Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro,
A mão que afaga é a mesma que apedreja.

Se a alguém causa inda pena a tua chaga,
Apedreja essa mão vil que te afaga,
Escarra nessa boca que te beija!

[1901]

#augustodosanjos #versosintimos #poesia #poesiabrasileira #literatura #literaturabrasileira #poema #instapoema #poesias #poemas

Sobre a solidão da vida.

"Aos poucos a fé se enfraquecia. É difícil acreditar numa coisa quando se está sozinho e não se pode falar com ninguém. Justamente naquela época Drogo deu-se conta de que os homens, ainda que possam se querer bem, permanecem sempre distantes; que, se alguém sofre, a dor é totalmente sua, ninguém mais pode tomar para si uma mínima parte dela; que, se alguém sofre, os outros não vão sofrer por isso, ainda que o amor seja grande, e é isso o que causa a solidão da vida."

Garimpado do romance "O deserto dos tártaros", a obra-prima do escritor italiano Dino Buzzati (1906-1972), na tradução de Aurora Fornoni Bernardini e Homero Freitas de Andrade.

#dinobuzzati #odesertodostartaros #literatura #literaturaitaliana #romance

90 anos de Ferreira Gullar (1930-2016).

Vejo Ferreira Gullar e me lembro do meu pai Ildegardo Rosa: cara de carranca e cabelos grandes, magro, filopoeta e contestador. São contemporâneos de nascimento, dos longínquos anos 1930, nordestinos. Nos 80 anos do poeta maranhense, nascido José Ribamar, estive presente na inesquecível mesa-festa dedicada a ele na Flip 2010, e, a poucos metros do futucador Gullar, só pude me lembrar do sergipano que me gerou e criou.

Dentro da noite veloz”, um presente do ginásio, apresentou-me o trabalho de Gullar, mas foi “Poema sujo” que me chocou e formou o meu gosto por poemas para muito além da forma e prepotência.

Em 2010, fiz um teste: na prateleira de “poesia” da Livraria Cultura, pus-me a ler diversos poetas, e o único livro que comprei, satisfeito com o que rapidamente li, foi “Em alguma parte alguma”, do mestre, de onde garimpei esses versos, a última estrofe do poema “A relativa eternidade”.

90 anos de Ferreira Gullar! Bravo! Ferreira Gullar eterno!

#ferreiragullar #literatura #emalgumapartealguma #arelativaeternidade #literaturabrasileira #poesia #poema #poemas #poesias #poesiabrasileira #gullar #gullar90anos

Felipe Jr., herdeiro da maior criação de bodes da Bahia, conhecido como Bodão, é um playboy putão, marombado de academia, que fica broxa, de repente. Tenta de várias maneiras recuperar a sua performance, mas nada acontece. Até que, na volta de uma balada frustrada, é abordado por uma travesti. Ele foge. De pau duro.

"Bonecas" é isso aê, uma crítica aos macho-alfas enrustidos. E o personagem que mais gosto é o psicopata colecionador de Barbies, que permite ser amigo de Bodão só para se divertir na manipulação.

Leitura free no meu blog, joga no Google: conto bonecas emmanuel mirdad

#literatura #literaturabrasileira #contos #conto #bonecas #olimbodosclichesimperdoaveis #emmanuelmirdad

#nelsonrodrigues #literatura #literaturabrasileira #cronicas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Flávio José

Flávio José (foto: divulgação ) O artista de forró que mais gosto é o cantor, sanfoneiro e compositor Flávio José . Para mim, ele é a Voz do Nordeste . Um timbre único, raro, fantástico. Ouvir o canto desse Assum Preto-Rei é sentir o cheiro da caatinga, arrastar os pés no chão de barro ao pé da serra, embalar o coração juntinho com a parceira que amo, deslizar os passos como se no paraíso estivesse, saborear a mistura de amendoim com bolo de milho, purificar o sorriso como Dominguinhos ensinou, banhar-se com as rezas das senhoras sábias, prestar atenção aos causos, lendas e histórias do povo que construiu e orgulha o Brasil . Celebrar a pátria nordestina é escutar o mestre Flávio José ! Natural da sertaneja Monteiro , na Paraíba , em 2021 vai completar 70 anos (no primeiro dia de setembro), com mais de 30 discos lançados e vários sucessos emplacados na memória afetiva do povo brasileiro (fez a alegria e o estouro da carreira de muitos compositores, que tiveram a sorte de serem grav