Pular para o conteúdo principal

Cinco poemas e três passagens de Nina Rizzi no livro A duração do deserto

Nina Rizzi - foto daqui


inverno colorido
Nina Rizzi

o aluno de aline fez uma pintura
abstrata. ele só faz arte abstrata
como uma compulsão. misturou
cores frias à uma quente, nomeou
inverno colorido. com a ternura
nos olhos contemplo a criança
e seu desenho de cinco anos
garrando a imaginar as crianças
do oriente, dos desertos e o que
dizem suas mãos de pintar invernos.

invernos sempre, mas sempre
coloridos.

--------

PRÓLOGO
Nina Rizzi

Escavo o ancestral impossível — o Belo, o Sublime, a
Verdade —
delicadezas em meio a um espólio de ruínas.

Contemplo o amontoado do passado, do que sobra
o real é o que não se pode ver, o fragmento, a não-adequação;

A constatação do absurdo:

A vida tem a duração de uma tragédia
começa pela manhã, termina com o dia.

De olhos bem fechados, lembro: deserto é esperar.
deserto é desesperar. deserto é dentro. deserto é o melhor
jardim

Silêncio. A duração do Deserto.

--------

cartas pedagógicas
Nina Rizzi

o que pode meu livro sobre a mesa?
com as marcas de gordura na borda, não foi lido.

o homem o pegou como desculpa para ver, ainda mais
uma vez, a mulher que não consegue deixar.

dentro das bordas engorduradas
um bilhete, um nome, um telefone.

outro nome que podia ser qualquer outro
e ainda domitilla, carolina

— obrigada por ter cuidado de mim
tão direitinho.

ele que nunca cuidou do que não podia ser
limpo, forte, delgado. engordurou as bordas.

fecho o livro. e tudo.
o farfalhar das páginas, meu duplo.

--------

candomblé pra nanã
Nina Rizzi

as coisas continuam a me morrer
do barro se seca água, um todo imóvel, vodun

entretantos, rarefeita, piso uma pequena poça, lembrança
uma toda lama, e eu te sinto a me nascer, egun.

--------

contrapoema ao homem do meu tempo
Nina Rizzi

o homem do meu tempo me maltrata

sei que não sei dar carinho a quem arqueja e freme
há nódoas entre meus dedos, ora caio às fórmulas
como seu soubesse o que devia dizer e foi maldito.

o homem do meu tempo agoniza

e não lhe adianta minha barroca catedral
se lhe tenho de fazer repetir o pater nostrum, assim, em
latim.
talvez do vinho chileno, apareceram varizes em meus
joelhos
cobertas por ásperas elevações, como brotoejas brancas,
sem dor ou comichão
talvez ainda das culpas que não carrego, a moral que
renego.

o homem do meu tempo chantageia e sofre:

— minha mãe só me dava carinho em convalescência.
eu posso ficar nua e lhe mostrar cada uma das marcas
de minhas surras
e se não as guarda meu corpo, carrego na memória.
eu não sou boa, amo o túlio canalha de hilda hilst como
se fosse redenção.

o homem do meu tempo em se punir, manso, me estrangula
e ri:

— tem medo de mim.
quisera uma vez mais ser mulher, sagrada prostituta,
quisera
e eu não, nada.

o homem do meu tempo saca o rivotril

me mete pânico e encharca o corpo cansado, as mãos de
perdidas digitais
as tais marcas de senilidade que me são a mais pura
ternura.
foi-se embora o machão, ele é a colombiana que chora
por gozar
sofre de ansiedade antecipatória o homem que lhe
abandona.
não, ele não teve um ataque, um treco, enfarto

o homem do meu tempo se matou quando descobriu a
vida.

--------

“o cigarro vai te matar
dizem como anticonselho

minha fé, o que é, se matei
os sabores mais doces, a memória?

nasci ontem
junto de um profundo inominável”


“tenho um pedaço de biscoito no dente 44.
disse isso a uma amiga e ela perguntou: sabia que só
temos 32 dentes?

os dentes são numerados de uma outra maneira.
eu não entendo. nem sei porquê. mas não tem problema

essa dor no meu dente 44 desvia os meus sentidos,
momentaneamente
e quase esqueço das roupas pra lavar jogadas no chão da
cozinha
da tv ligada e muda ao meu lado e a língua que mordi
com algum desespero

(...)

retiro com impaciência nacos de madeira e cavuco
o dente 44, até o fundo
minha boca transborda a dor e sinto suave

de dentro da lateral de dentro do meu pé esquerdo
se mexer a cicatriz.

enxáguo a boca, me olho e sorrio tão mal
o dente vai bem, alguma resina resolverá.

e a realidade se transfere aos idos da memória.

como nunca tivesse tido um dente, mordo o bira do cigarro
e me incendeia tudo que não é mais físico”


“De boca fechada, olhos bem abertos, me examina
o médico rindo com o canto dos estoicos lábios.

Tenho vontade de matá-lo enquanto dispensa
o fumo à minha frente — vai agonizar, mocinha!

Essa decisão não é nada boa, por isso deixo a caneta
de ponta ina — como o salto dez agulha que lhe bateria
à fronte — escorregar por entre os dedos, ao invés de sangre.

Assim sigo mais humana, mentirosa e encardida”



Presentes no livro de poemas “A duração do deserto” (Patuá, 2014), de Nina Rizzi, páginas 89, 126, 40, 68 e 111-113, respectivamente, além dos trechos dos poemas “nouvelle vague” (p. 58), “sem título por falta de sentido” (p. 96-97) e “POEMA DA DESVAIDADE DE ANIVERSÁRIO” (p. 74), presentes na mesma obra.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez passagens de Clarice Lispector nas cartas dos anos 1950 (parte 1)

Clarice Lispector (foto daqui ) “O outono aqui está muito bonito e o frio já está chegando. Parei uns tempos de trabalhar no livro [‘A maçã no escuro’] mas um dia desses recomeçarei. Tenho a impressão penosa de que me repito em cada livro com a obstinação de quem bate na mesma porta que não quer se abrir. Aliás minha impressão é mais geral ainda: tenho a impressão de que falo muito e que digo sempre as mesmas coisas, com o que eu devo chatear muito os ouvintes que por gentileza e carinho aguentam...” “Alô Fernando [Sabino], estou escrevendo pra você mas também não tenho nada o que dizer. Acho que é assim que pouco a pouco os velhos honestos terminam por não dizer nada. Mas o engraçado é que não tendo absolutamente nada o que dizer, dá uma vontade enorme de dizer. O quê? (...) E assim é que, por não ter absolutamente nada o que dizer, até livro já escrevi, e você também. Até que a dignidade do silêncio venha, o que é frase muito bonitinha e me emociona civicamente.”  “(...) O dinheiro s

Oito passagens de Conceição Evaristo no livro de contos Olhos d'água

Conceição Evaristo (Foto: Mariana Evaristo) "Tentando se equilibrar sobre a dor e o susto, Salinda contemplou-se no espelho. Sabia que ali encontraria a sua igual, bastava o gesto contemplativo de si mesma. E no lugar da sua face, viu a da outra. Do outro lado, como se verdade fosse, o nítido rosto da amiga surgiu para afirmar a força de um amor entre duas iguais. Mulheres, ambas se pareciam. Altas, negras e com dezenas de dreads a lhes enfeitar a cabeça. Ambas aves fêmeas, ousadas mergulhadoras na própria profundeza. E a cada vez que uma mergulhava na outra, o suave encontro de suas fendas-mulheres engravidava as duas de prazer. E o que parecia pouco, muito se tornava. O que finito era, se eternizava. E um leve e fugaz beijo na face, sombra rasurada de uma asa amarela de borboleta, se tornava uma certeza, uma presença incrustada nos poros da pele e da memória." "Tantos foram os amores na vida de Luamanda, que sempre um chamava mais um. Aconteceu também a paixão

Dez passagens de Jorge Amado no romance Mar morto

Jorge Amado “(...) Os homens da beira do cais só têm uma estrada na sua vida: a estrada do mar. Por ela entram, que seu destino é esse. O mar é dono de todos eles. Do mar vem toda a alegria e toda a tristeza porque o mar é mistério que nem os marinheiros mais velhos entendem, que nem entendem aqueles antigos mestres de saveiro que não viajam mais, e, apenas, remendam velas e contam histórias. Quem já decifrou o mistério do mar? Do mar vem a música, vem o amor e vem a morte. E não é sobre o mar que a lua é mais bela? O mar é instável. Como ele é a vida dos homens dos saveiros. Qual deles já teve um fim de vida igual ao dos homens da terra que acarinham netos e reúnem as famílias nos almoços e jantares? Nenhum deles anda com esse passo firme dos homens da terra. Cada qual tem alguma coisa no fundo do mar: um filho, um irmão, um braço, um saveiro que virou, uma vela que o vento da tempestade despedaçou. Mas também qual deles não sabe cantar essas canções de amor nas noites do cais? Qual d