Pular para o conteúdo principal

A jornada para escrever o romance oroboro baobá


oroboro baobá” é o meu primeiro romance. Investi 1.914 horas em 500 dias para escrevê-lo, essencialmente ao som da banda islandesa Sigur Rós (também escutei Culture, Radiohead, MONO, Jakob e Hammock).

Produzi 19 versões anteriores a “oroboro baobá”, entre esboço, conto, roteiro e romance. Mudei o seu título por 15 vezes (sendo dez nomes distintos antes de “oroboro baobá”). Praticamente o escrevi no quarto dos fundos do apê 703-B onde moro, na Pituba, em Salvador, Bahia (cheguei a trabalhar nele em Florianópolis, Porto Alegre e Cachoeira).

Uma versão de “oroboro baobá” foi finalista do Prêmio Sesc de Literatura 2017, dentre 980 concorrentes, e outra foi finalista do Prêmio Cepe Nacional de Literatura 2017.

Escrever “oroboro baobá” foi um laboratório, um curso, um aprendizado. E eu não poderia ter produzido o romance, se não tivesse consumido 89 livros fundamentais para a minha formação, entre contos, poemas, romances, ensaios, históricos. Afirmo que, sem as crônicas e os contos de Clarice Lispector, os contos de Anton TchekhovHélio Pólvora e Machado de Assis, as crônicas de Nelson Rodrigues, os romances de Pepetela e os poemas de Ruy Espinheira Filho, entre outras inspirações, eu não teria escrito uma linha sequer.

Abaixo, a jornada de criação do “oroboro baobá”, de 2012 a 2020.


Parte I
2012-2013
Leia aqui


Parte II
2014
Leia aqui


Parte III
2015
Leia aqui


Parte IV
2016
Leia aqui


Parte V
2017
Leia aqui


Parte VI
2018
Leia aqui


Parte VII
2019
Leia aqui


Parte VIII
2020
Leia aqui


Imagens

Parte I: Rodrigo Minêu

Parte II: Nelson Magalhães Filho

Parte IV e VIII: Max Fonseca

Parte VI: Internet, sem crédito

Parte VII: Litza Rabelo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Flávio José

Flávio José (foto: divulgação ) O artista de forró que mais gosto é o cantor, sanfoneiro e compositor Flávio José . Para mim, ele é a Voz do Nordeste . Um timbre único, raro, fantástico. Ouvir o canto desse Assum Preto-Rei é sentir o cheiro da caatinga, arrastar os pés no chão de barro ao pé da serra, embalar o coração juntinho com a parceira que amo, deslizar os passos como se no paraíso estivesse, saborear a mistura de amendoim com bolo de milho, purificar o sorriso como Dominguinhos ensinou, banhar-se com as rezas das senhoras sábias, prestar atenção aos causos, lendas e histórias do povo que construiu e orgulha o Brasil . Celebrar a pátria nordestina é escutar o mestre Flávio José ! Natural da sertaneja Monteiro , na Paraíba , em 2021 vai completar 70 anos (no primeiro dia de setembro), com mais de 30 discos lançados e vários sucessos emplacados na memória afetiva do povo brasileiro (fez a alegria e o estouro da carreira de muitos compositores, que tiveram a sorte de serem grav