Pular para o conteúdo principal

Seleta: Sigur Rós


Eu sou fã da islandesa Sigur Rós, tenho todos os discos, sempre escuto quando quero me isolar para transcender ou me concentrar. Conheci o som élfico há dez anos, quando ouvi o recém-lançado “Valtari” e mergulhei na galáxia de dentro. Escolhi como trilha para escrever o livro “oroboro baobá”; sem o som dos islandeses, não teria escrito uma linha sequer do meu primeiro romance. Junto com Bob Marley & The Wailers, Legião Urbana, Pink Floyd e Radiohead, forma o panteão sagrado do que há de mais importante na música para mim.

Sigur Rós foi a porta para o gênero “post-rock” (e o “ambient” também), que desconhecia até então. Fã das habitações psicodélicas erguidas pelo Pink Floyd, foi uma gratíssima descoberta, pois o post-rock é o que há de melhor para criar a ambiência de claustro que o ato de escrever literatura exige. A partir do Sigur Rós, passei cinco anos pesquisando e divulgando 600 bandas do gênero na série “Música para Escrever”, donde fiquei fã da japonesa MONO, da neozelandesa Jakob e o duo norte-americano Hammock.

Na Seleta de hoje, as 100 músicas que mais gosto, gravadas por Sigur Rós, presentes em 21 trabalhos (11 álbuns, 02 EPs e 08 singles) da discografia oficial do grupo (os prediletos são “( )”, “Valtari”, “Takk...” e “Með suð í eyrum við spilum endalaust”). Viva Sigur Rós, o som que me faz escrever!


Ouça no YouTube aqui

Ouça no Spotify aqui

01) Ó friður [Single Sæglópur, 2006]

02) Ekki múkk [Valtari, 2012]

03) All Alright [Með suð í eyrum við spilum endalaust, 2008]

04) Dauðalogn [Valtari, 2012]

05) Untitled #9 (Smáskífa 1) [Single Untitled #1 (Vaka), 2003]

06) Untitled #9 (Smáskífa 2) [Single Untitled #1 (Vaka), 2003]

07) Varðeldur [Valtari, 2012]

08) Ára bátur [Með suð í eyrum við spilum endalaust, 2008]

09) Intro [Ágætis byrjun, 1999]

10) Svefn-g-englar [Ágætis byrjun, 1999]

Foto: Hörður Sveinsson

11) Gong [Takk..., 2005]

12) Sæglópur [Takk..., 2005]

13) Festival [Með suð í eyrum við spilum endalaust, 2008]

14) Untitled #8 (Popplagið) [( ), 2002]

15) Olsen Olsen [Ágætis byrjun, 1999]


17) Salka [Hvarf/Heim, 2007]


19) Varúð [Valtari, 2012]

20) Untitled #1 (Vaka) [( ), 2002]


21) Untitled #5 (Álafoss) [( ), 2002]

22) Ba Ba [Ba Ba Ti Ki Di Do, 2004]

23) Ti Ki [Ba Ba Ti Ki Di Do, 2004]

24) Di Do [Ba Ba Ti Ki Di Do, 2004]

25) Svo hljótt [Takk..., 2005]

26) Untitled #6 (E-Bow) [( ), 2002]

27) Glósóli [Takk..., 2005]

28) Mílanó [Takk..., 2005]

29) Ég anda [Valtari, 2012]

30) Hljómalind [Hvarf/Heim, 2007]

Foto: Lilja Birgisdóttir

31) Stormur [Kveikur, 2013]

32) Hjartað hamast (bamm bamm bamm) [Ágætis byrjun, 1999]

33) Bíum bíum bambaló [Single Ný batterí, 2000]

34) The Rains of Castamere [Single Soundtrack Game of Thrones: Season 4, 2014]

35) Fjögur píanó [Valtari, 2012]

36) Heysátan [Takk..., 2005]

37) Fljótavík [Með suð í eyrum við spilum endalaust, 2008]

38) Straumnes [Með suð í eyrum við spilum endalaust, 2008]

39) Untitled #2 (Fyrsta) [( ), 2002]

40) Rafmagnið búið [Single Ný batterí, 2000]

Foto: Hörður Sveinsson

41) Ný batterí [Ágætis byrjun, 1999]

42) Untitled #3 (Samskeyti) [( ), 2002]

43) Dagrenning [Odin's Raven Magic, 2020]

44) Sé lest [Takk..., 2005]

45) Með suð í eyrum [Með suð í eyrum við spilum endalaust, 2008]

46) Spár eða spakmál [Odin's Raven Magic, 2020]

47) Logn [Single Varúð, 2012]

48) Hvalir í útrýmingarhættu [Hlemmur, 2002]

49) Refur [Single Sæglópur, 2006]

50) Var [Kveikur, 2013]

Jónsi, o humano com voz de elfo

51) Valtari [Valtari, 2012]

52) Flugufrelsarinn [Ágætis byrjun, 1999]

53) Í Gær [Hvarf/Heim, 2007]

54) Viðrar vel til loftárása [Ágætis byrjun, 1999]

55) Hoppípolla [Takk..., 2005]

56) Með blóðnasir [Takk..., 2005]

57) Ágætis byrjun [Ágætis byrjun, 1999]

58) Allt tekur sinn tíma! [Hlemmur, 2002]


60) Stendur æva [Odin's Raven Magic, 2020]


61) Brennisteinn [Kveikur, 2013]

62) Hrafntinna [Kveikur, 2013]

63) Ísjaki [Kveikur, 2013]

64) Starálfur [Ágætis byrjun, 1999]

65) Rembihnútur [Valtari, 2012]

66) Ég mun læknast! [Hlemmur, 2002]

67) 1993 [Hlemmur, 2002]

68) Avalon [Ágætis byrjun, 1999]

69) Fyrsta ferð [Hlemmur, 2002]

70) Vetur [Hlemmur, 2002]



72) Yfirborð [Kveikur, 2013]

73) Bláþráður [Kveikur, 2013]

74) Við spilum endalaust [Með suð í eyrum við spilum endalaust, 2008]

75) Dánarfregnir og jarðarfarir [Single Ný batterí, 2000]

76) Kafari [Single Sæglópur, 2006]

77) Ofbirta [Single Brennisteinn, 2013]


79) Dvergmál [Odin's Raven Magic, 2020]

80) Rafstraumur [Kveikur, 2013]


81) Kveikur [Kveikur, 2013]

82) Kvistur [Single Ekki múkk, 2012]

83) Áss hinn hvíti [Odin's Raven Magic, 2020]


85) Prologus [Odin's Raven Magic, 2020]

86) Góðan daginn [Með suð í eyrum við spilum endalaust, 2008]

87) Andvari [Takk..., 2005]

88) Heima [Single Inní mér syngur vitleysingur, 2008]

89) Íllgresi [Með suð í eyrum við spilum endalaust, 2008]


Os 11 álbuns, 02 EPs e 08 singles presentes nesta Seleta

91) Óskabörn þjóðarinnar [Hlemmur, 2002]

92) Von [Von, 1997]

93) Hafssól [Von, 1997]


95) Hún Jörð... [Von, 1997]

96) Gobbledigook [Með suð í eyrum við spilum endalaust, 2008]


98) Fjöll í austri [Rímur, 2001]

99) Alföður orkar [Odin's Raven Magic, 2020]

100) Hannes [Hlemmur, 2002]

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Flávio José

Flávio José (foto: divulgação ) O artista de forró que mais gosto é o cantor, sanfoneiro e compositor Flávio José . Para mim, ele é a Voz do Nordeste . Um timbre único, raro, fantástico. Ouvir o canto desse Assum Preto-Rei é sentir o cheiro da caatinga, arrastar os pés no chão de barro ao pé da serra, embalar o coração juntinho com a parceira que amo, deslizar os passos como se no paraíso estivesse, saborear a mistura de amendoim com bolo de milho, purificar o sorriso como Dominguinhos ensinou, banhar-se com as rezas das senhoras sábias, prestar atenção aos causos, lendas e histórias do povo que construiu e orgulha o Brasil . Celebrar a pátria nordestina é escutar o mestre Flávio José ! Natural da sertaneja Monteiro , na Paraíba , em 2021 vai completar 70 anos (no primeiro dia de setembro), com mais de 30 discos lançados e vários sucessos emplacados na memória afetiva do povo brasileiro (fez a alegria e o estouro da carreira de muitos compositores, que tiveram a sorte de serem grav