Pular para o conteúdo principal

Discografia Emmanuel Mirdad: Single “My Agony” (2022) — Jahgun


Um sentimento de inadequação, de não pertencer a nenhum lugar, de não se encaixar em nenhuma panelinha, e a vontade de viajar sem rumo, para longe das mentiras das redes sociais, é desejo de “My Agony”, o novo single do álbum “Silent Dreams”, do cantor Jahgun, reggae star de Los Angeles.

É um roots reggae ao estilo Bob Marley & The Wailers, com backing vocal feminino, batera one drop, escaleta & teclas, e Jahgun com sua voz cristalina, gruvada, cheia de sentimento e emoção, faz de “My Agony” um clamor contra as mentiras de uma sociedade consumida pela positividade tóxica.

My Agony” foi gravada na Bahia e em Los Angeles, produzida por Emmanuel Mirdad (que também é o compositor da música) e Átila Santana (multi-instrumentista que toca as guitarras e teclas da faixa), e conta com a participação especial da lenda-viva do reggae Fully Fullwood, jamaicano do Soul Syndicate, no baixo, e a enciclopédia do reggae Iuri Carvalho na bateria, e a cantora Zanah no backing vocal.

Um lançamento do selo Surforeggae, disponível em todas as plataformas.

Ouça no Spotify aqui


Ouça no YouTube aqui

Ouça na Apple Music aqui

Ouça no Deezer aqui

Ouça no Tidal aqui

Ficha técnica

Jahgun
Single “My Agony”
(Surforeggae, 2022)

My Agony
(Emmanuel Mirdad)
BR-N1I-22-00006

Ever since I tried to be normal
I feel a useless pain
I don’t fit, I don’t belong here
My spirit wanders among the patterns

It doesn’t work believing in nothing else
While everybody is sleeping
I see my life being wasted for nothing
For everything that’s bad and false

Today I want to fly away ‘cause I’m tired and suicidal
Tonight I’d like more affection ‘cause I’m broken with a silent soul
A poet with a terrible lie: “I don’t fit, I don’t belong here”

The vice of being oppressor
Changes my sleep with agony
Wants to break my illusion of awakening
Actually the truth is a deception

If you look at social media
Our life is a perfect life
But I recognize that’s all false
And I think this is a boring truth

Today I want to fly away ‘cause I’m tired and suicidal
Tonight I’d like more affection ‘cause I’m broken with a silent soul
A poet with a terrible lie: “I don’t fit, I don’t belong here”

-----

Jahgun
(voz)

Átila Santana
(guitarras, escaleta, piano e hammond)

Fully Fullwood
(baixo)

Iuri Carvalho
(bateria)

Zanah
(backing vocal)

Produção musical: Emmanuel Mirdad e Átila Santana

Produção fonográfica: Emmanuel Mirdad

Gravação, mix e master:
Átila Santana no estúdio Ilha de Criação, Salvador, Bahia

Foto: Jahgun

Capa: William Aragão

-----

Jahgun
(voice)

Átila Santana
(guitars, melodica, piano & hammond)

Fully Fullwood
(bass)

Iuri Carvalho
(drums)

Zanah
(backing vocal)

Produced by Emmanuel Mirdad & Átila Santana

Recording, mixing and mastering:
Átila Santana at Ilha de Criação, Salvador, Bahia, Brazil

Photo: Jahgun

Cover: William Aragão

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez passagens de Clarice Lispector nas cartas dos anos 1950 (parte 1)

Clarice Lispector (foto daqui ) “O outono aqui está muito bonito e o frio já está chegando. Parei uns tempos de trabalhar no livro [‘A maçã no escuro’] mas um dia desses recomeçarei. Tenho a impressão penosa de que me repito em cada livro com a obstinação de quem bate na mesma porta que não quer se abrir. Aliás minha impressão é mais geral ainda: tenho a impressão de que falo muito e que digo sempre as mesmas coisas, com o que eu devo chatear muito os ouvintes que por gentileza e carinho aguentam...” “Alô Fernando [Sabino], estou escrevendo pra você mas também não tenho nada o que dizer. Acho que é assim que pouco a pouco os velhos honestos terminam por não dizer nada. Mas o engraçado é que não tendo absolutamente nada o que dizer, dá uma vontade enorme de dizer. O quê? (...) E assim é que, por não ter absolutamente nada o que dizer, até livro já escrevi, e você também. Até que a dignidade do silêncio venha, o que é frase muito bonitinha e me emociona civicamente.”  “(...) O dinheiro s

Oito passagens de Conceição Evaristo no livro de contos Olhos d'água

Conceição Evaristo (Foto: Mariana Evaristo) "Tentando se equilibrar sobre a dor e o susto, Salinda contemplou-se no espelho. Sabia que ali encontraria a sua igual, bastava o gesto contemplativo de si mesma. E no lugar da sua face, viu a da outra. Do outro lado, como se verdade fosse, o nítido rosto da amiga surgiu para afirmar a força de um amor entre duas iguais. Mulheres, ambas se pareciam. Altas, negras e com dezenas de dreads a lhes enfeitar a cabeça. Ambas aves fêmeas, ousadas mergulhadoras na própria profundeza. E a cada vez que uma mergulhava na outra, o suave encontro de suas fendas-mulheres engravidava as duas de prazer. E o que parecia pouco, muito se tornava. O que finito era, se eternizava. E um leve e fugaz beijo na face, sombra rasurada de uma asa amarela de borboleta, se tornava uma certeza, uma presença incrustada nos poros da pele e da memória." "Tantos foram os amores na vida de Luamanda, que sempre um chamava mais um. Aconteceu também a paixão

Dez passagens de Jorge Amado no romance Mar morto

Jorge Amado “(...) Os homens da beira do cais só têm uma estrada na sua vida: a estrada do mar. Por ela entram, que seu destino é esse. O mar é dono de todos eles. Do mar vem toda a alegria e toda a tristeza porque o mar é mistério que nem os marinheiros mais velhos entendem, que nem entendem aqueles antigos mestres de saveiro que não viajam mais, e, apenas, remendam velas e contam histórias. Quem já decifrou o mistério do mar? Do mar vem a música, vem o amor e vem a morte. E não é sobre o mar que a lua é mais bela? O mar é instável. Como ele é a vida dos homens dos saveiros. Qual deles já teve um fim de vida igual ao dos homens da terra que acarinham netos e reúnem as famílias nos almoços e jantares? Nenhum deles anda com esse passo firme dos homens da terra. Cada qual tem alguma coisa no fundo do mar: um filho, um irmão, um braço, um saveiro que virou, uma vela que o vento da tempestade despedaçou. Mas também qual deles não sabe cantar essas canções de amor nas noites do cais? Qual d