Pular para o conteúdo principal

Especial: 100 Anos de Ataulfo Alves


Hoje, 02 de maio de 2009, a cultura brasileira celebra o centenário do cantor e compositor mineiro Ataulfo Alves. Por conta disto, produzi o Especial das Seis sobre este ilustre bastião do samba nacional, que irá ao ar nesta próxima segunda, 04.05, na Educadora FM 107,5, às 18h.

Autor de clássicos da nossa música, como Atire a Primeira Pedra, Na Cadência do Samba, Laranja Madura e Errei, Erramos, entre vários outros, Ataulfo Alves foi gravado por diversos intérpretes, de várias gerações. Mas o que me chamou atenção, e causou um grande impacto ao produzir o Especial das Seis, foi a sua capacidade única de interpretar suas canções.

Ninguém cantou Ataulfo Alves melhor do que ele próprio. É notável e espetacular a maneira como ele distorcia e arrastava o tempo da melodia, transformando o que seria convencional em um lamento mais sensível do que as táteis representações colhidas na letra. Se tiver tempo, busque as gravações originais e escute essa habilidade incrível, que muitos poucos conseguiram fazer. Aqui na Bahia, só ouvi o incrível Cal Ribeiro fazer algo assim.

Mas a grande reflexão que me tomou nesses tempos difíceis não foi a máxima espetacular “Morre o homem, fica a fama”, e sim a grande lição de amor que encontrei no maior sucesso de Ataulfo Alves, feita em parceria com o também eterno Mário Lago.


Trata-se da controversa canção Ai, que Saudades da Amélia. Muito além de qualquer debate acalorado sobre o machismo e sua tirania, quero falar do amor de dificílima compreensão nos dias de hoje: o amor incondicional. Amélia era mulher de verdade porque sentia e vivenciava o amor puro, acima de qualquer vaidade, que passava fome ao lado do amado e não se importava. Achava bonito, porque não havia o que fazer. Haver, haveria, mas viria apenas no momento certo. Não precisava ser ali, no bagaço do seu parceiro, que ela iria representar a descarada imbecil cobrança que assola a praga do “salto alto” (não o sapato), do frívolo complexo e paranóia de princesa.

Qual mulher no mundo faria isto para o homem amado? Quando ele perdeu tudo, ferido pela batalha do dia a dia, acabado, ela tinha paciência ao invés da exigência. Incondicionalmente, manteve-se ao seu lado, à sua frente, às suas costas, onde desse pra sustentar o companheiro partido, sem cobrar nenhum bem material, vantagem, prestígio ou capricho em troca. Bastava o amor, que deste modo, é o mais sublime que existe. E este está por aí, em algum lugar. É plenamente possível, real e sustentável, mesmo nesses dias de tão profundo egoísmo.

Mulheres, amem como a Amélia! Não é submissão, nem servidão. É companheirismo límpido, sem objeto algum de troca. Incondicional.

Não deixem de visitar: www.ataulfoalves100anos.com.br

.

Comentários

Lua disse…
Amar como a Amélia e ser substituída pela Ana Bolena... Sei não, acho que nem suas bem selecionadas palavras suavizaram o teor equivocado da letra.

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…