Pular para o conteúdo principal

Podcast K7 #05 - JIVM


Bloco 01 (Poesia e Alumbramento)
- Ouça e baixe aqui: www.4shared.com/file/107502641/eb1b5ac5/PodcastK705_JIVM_Bloco01.html

Bloco 02 (Credibilidade e Curador)
- Ouça e baixe aqui: www.4shared.com/file/107504959/d2ecfb57/PodcastK705_JIVM_Bloco02.html

Bloco 03 (Sertão e Família)
- Ouça e baixe aqui: www.4shared.com/file/107506454/e8cdc32/PodcastK705_JIVM_Bloco03.html

Bloco 04 (Projetos e Indicações)
- Ouça e baixe aqui: www.4shared.com/file/107508836/5f1d94cf/PodcastK705_JIVM_Bloco04.html

Problemas para ouvir ou baixar? Entre em contato: elmirdad@yahoo.com.br

ATENÇÃO: Pra baixar, clique no botão azul "Download Now". Pra ouvir, clique na barra cinza acima do botão azul, no primeiro botão à esquerda.

...
Programa #05
José Inácio Vieira de Melo

Poeta e Jornalista.

Ariano, natural do povoado de Olho d’Água do Pai Mané, cidade de Dois Riachos (AL), de 1968, radicado na Bahia há mais de 20 anos. É formado em Jornalismo pela Universidade Federal da Bahia. Possui quatro livros publicados: Códigos do Silêncio (2000), Decifração de Abismos (2002), A Terceira Romaria (2005) e A Infância do Centauro (2007), este editado pela Escrituras Editora, de São Paulo. Publicou também o livrete Luzeiro (2003) e o CD de poemas A Casa dos Meus Quarenta Anos (2008). Além disso, organizou o Concerto lírico a quinze vozes – Uma coletânea de novos poetas da Bahia (2004), participou de antologias, e os seus poemas têm sido publicados em vários jornais, revistas e sites do Brasil e do exterior. Sua poesia tem sido destacada por nomes importantes da literatura brasileira contemporânea, como Gerardo Mello Mourão, Hélio Pólvora, Hildeberto Barbosa Filho, Lêdo Ivo, Ruy Espinheira Filho, Sânzio de Azevedo e Moacyr Scliar.

Também é co-editor da revista de arte, crítica e literatura Iararana e colunista da revista Cronópios. Atualmente reside em Jequié (desde 2006), e lá coordena o projeto Travessia das Palavras. Foi coordenador do projeto Poesia na Boca da Noite, em Salvador, que durou de 2004 a 2007, agitando as noites culturais da cidade com apresentações dos mais variados poetas. Recentemente fez a curadoria e coordenou a Praça de Cordel e Poesia na 9ª Bienal do Livro da Bahia (2009). Além disso, é curador do projeto Uma Prosa Sobre Versos, em Maracás.

JIVM indica para ouvir Hermeto Pascoal e Egberto Gismonti; ler o romance Galiléia, do autor cearense Ronaldo Correia de Brito; assistir o recém-lançado filme Divã; e contemplar as estrelas, a beleza feminina e do ser humano, ler poesia e contemplá-la dentro de si.

“Eu sou um pastor de nuvens e de versos, que faz poesia e contempla o universo de uma maneira diferenciada, a frequentar as esferas do delírio”.

“Almejo passar pela vida, viver a minha poesia e tentar levar esta força poética, que me movimenta na vida, para as pessoas”.

“Nós somos os únicos animais que temos a consciência da nossa finitude, e isso não é nada agradável. E ter a consciência de estar no mundo é mais doloroso ainda. E as coisas não têm sentido algum. Então, você tem que dar um sentido a tudo isso”.

“As pessoas estão com o olhar preso às vitrines”.

“A minha poesia pretende chegar às pessoas, mas é necessário que elas tenham um tempo para a poesia também, percebam a sua existência”.

“Até o serial killer é um poeta. Ele está codificando, quer passar para as pessoas uma codificação estética, uma loucura dessa natureza. E para você perceber isso, até nessa coisa terrível, é necessário que haja sensibilidade para isso”.

“O tempo todo vivo tentando dar sentido à existência. E só encontro este sustentáculo dentro da minha arte”.

“Quanto a esta questão de ser um ícone, nunca passou pela minha cabeça. Tenho consciência de que a minha poesia tem um alcance, mas se isso vai perpassar para as demais gerações, não cabe a mim; só o tempo - este sim, o julgador infalível”.

“Eu como o agenciador das políticas culturais, como o elemento aglutinador, como a pessoa que faz, que se coloca no lugar de fazer e levar a poesia ao outro, dentro do nosso Estado, sou uma pessoa que tem uma força muito grande. Ou seja, a minha presença faz com que a minha poesia circule. E eu sou uma pessoa que a exibe e a dos outros também. Agora, e quando eu não estiver mais aqui, a minha poesia vai continuar por si própria, sem esse elemento que a leva?”.

“As coisas surgem da escuridão, do caos. A clareza só pode vir do escuro”.

“A poesia é uma doença que cura”.

“Logo quando eu cheguei aqui (Salvador em 1998), não conhecia absolutamente nada, mas sabia que tinha uma missão. E via os poetas muito dispersos. Então, falei: “Não, eu tenho que fazer alguma coisa”. E eu sempre me coloquei no lugar de fazer, e fui fazendo, tendo domínio, um conhecimento muito grande da cena literária da Bahia. E hoje dialogo com poetas de todos os estados do Brasil, tenho uma credibilidade muito grande”.

“Muito dos autores que estiveram na Praça de Cordel e Poesia da Bienal (2009) disseram que estavam indo ali por conta de minha pessoa, porque questionavam o fato de não estarem sendo remunerados, o que nós também questionamos”.

“Nós precisamos de um parque editorial para publicar os autores baianos, mas para isso é necessário que também haja leitores, e pra que existam leitores, tem que haver um processo de formação na base, desde cedo”.

“O que está acontecendo agora, a gente não tem muito como afirmar se é bom ou não, porque muitos estão experimentando. E é deste experimento que efetivamente surgem as obras primas, mas também vem muita merda pelo meio. A maioria, né? Mas é um risco que se tem de correr, porque o sujeito que não arrisca, se mantém dentro de uma tradição. Embora que, dentro desta, o sujeito também possa criar uma obra de valor”.

“O que me deixa um pouco assustado é gente querer fazer poesia matuta tendo frequentado escola. Aquilo ali vai ficar muito artificial”.

“Se eu pudesse, traçaria um outro caminho pra mim. Devido à dificuldade que é ser um poeta e alcançar uma linguagem poética que tenha algum reconhecimento. É extremamente difícil”.

“Eu não acredito em um poeta que não lê poesia. Porque ele não vai ter referencial. Vai criar uma coisa achando que é genial, e aquilo já foi feito bem melhor por vários outros”.

“Ninguém no sertão quer viver à luz de candeeiro. Todo sertanejo quer ter luz elétrica e antena parabólica para ver televisão. E exigir que o que está acontecendo no mundo não chegue a essas pessoas porque vai descaracterizá-las, é uma loucura!”.

“Eu sou uma pessoa do agreste, mas dialogo com o mundo”.

“O que tem de mais extraordinário em minha existência é o amor pelos meus dois filhos”.

- Sobre a afirmação de Nancyta, no K7#04, que almeja chegar à Lua: “Eu já vivo na Lua... Eu preciso é de voltar pra terra de vez em quando. Vivo aí, viajando pelo universo, nas esferas do delírio”.

“Certamente mais adiante vai ter uma outra maneira de se pensar o livro. Mas eu não tenho como responder qual vai ser o momento, se vai acontecer ou não. Só sei dizer que a minha geração vai morrer com o livro na mão”.

“Na cidade de Maracás, os jovens estão lendo poesia. E isso por conta de uma política que foi implementada (por Edmar Vieira, Diretor de Cultura do município). Um projeto mensal, que reúne mais de 600 pessoas no auditório da cidade, para ouvir o poeta convidado e o grupo Concriz, e que está modificando a cabeça dos jovens e seus pais. Agora pense isso em uma escala maior? É disso que nós precisamos, de pessoas que tenham vontade de causar uma transformação e de reunir pessoas para que isso efetivamente possa acontecer”.

“Tenho medo de espinho não. Farpas, a gente vai tirando do caminho. E a psicodelia é indispensável, e ela acontece, efetivamente, na sobriedade”.

-----

Onde encontrar José Inácio Vieira de Melo:
www.jivmcavaleirodefogo.blogspot.com

-----

Escute José Inácio Vieira de Melo, com o poema Vampiro:

www.4shared.com/file/107509742/a4d1e649/Jos_Incio_Vieira_de_Melo_-_Vampiro.html

- download free autorizado, exclusivo -

-----

Ficha Técnica Podcast K7 #05
Gravado em 18.05.2009, Salvador-Ba.

Direção, produção, entrevista, gravação, edição, montagem, vinhetas e locução: Emmanuel Mirdad.
Trilha sonora: Curtas e Poemas, A Esposa Impossível, Pílula Azul, Homeopata e Noturno, Mirdad - Harmonogonia (2008).

Trilha das aberturas e vinhetas: Lost Mails, The Orange Poem - Psicodelia (2008).

Fotos: Ricardo Prado.

Ilustração Flyer: Mirdad, em foto de Ricardo Prado.

.

Comentários

Avery Veríssimo disse…
Salve. O contato do Joemir é (95) 9972 2341. Abs. Avery
CROMOS disse…
jose inacio vieira de melo
é um poeta maravilhoso
um poeta que faz uma poesia forte
e limpa
jose inacio...é um poeta de alma
que encanta e que transforma
jose inacio
é um sujeito convicto do que escreve em todo o seu gesto de ser humano
jose inacio
é poesia andante
abraço ...



Sérvio Túlio de Mascarenhas Lima
O Verdejah disse…
Aquele tipo de coisa: a informação sendo difundida traz sempre uma capacidade ainda maior de te surpreender.Que a sua escrita e força poética promovam a sensibilização do homem... acertou na mão, Mirdad!
Huhu!
Mirdad disse…
Valeu! Tem muito mais ainda por vir. E JIVM é um candeeiro flamejante dessas mentes obscuras que nos rondam por aí.
Marcos Alencar disse…
Que entrevista! O José Inácio é uma espécie de entidade poética. Percebe-se que ele vive a poesia o tempo todo. E a sua fala é empolgada e empolgante. Ele vai dizendo as coisas com uma força, com uma vitalidade, reinventando o verbo e, o que é mais genial, tudo isso dentro da simplicidade e espontaneamente. Você acertou em cheio, El Mirdad.
Jeovah Ananias disse…
Parabéns, Emmanuel. Sua entrevista com José Inácio é um estouro. O cara tem um vigor impressionante. A fala dele parece mais um tropel de cavalos em disparada, em rumo para a batalha da vitória. Ele é realmente um 'elegido', um eleito. Mais uma vez parabéns Emannuel Mirdad. JIVM, estou aguardando, ansiosamente, pelo seu "Roseiral".
O José Inácio é um poeta essencial. Sua poesia não precisa de comentários elogiosos, ela fala por si. Além de ser o poeta que é, José Inácio tem desenvolvido um grandioso trabalho na Bahia. A sua atuação como produtor cultural é louvável. Aqui, em Jequié, não tem sido diferente. O projeto Travessia das Palavras, que conta com sua coordenação, é uma demonstração do seu empenho em divulgar a literatura baiana contemporânea. Por tudo isso, JIVM, receba meus agradecimentos e meus parabéns.
Flávia Martins disse…
Zé Inácio, Centauro do Sertão, tu és o cara! Sou tua fã. Acho teu poema "Harém" muito legal. Mas, menino, não conhecia o "Vampiro". Fiquei com os veias do pescoço em ardendo. Um beijão, meu poeta!
José Inácio, como sempre, contundente, mostrando seu brilho. Parabéns, poeta. Parabéns, Emmanuel Mirdad.
Anônimo disse…
Esse poeta joga duro. Parabéns El Mirdad gostei do seu jeito de entrevistar gostei das músicas. Legal.

BANDEIRANTE
Mirdad disse…
Obrigado a todos! E o JIVM é pedradura!!!
Francisco Munduruca disse…
Beleza, Zé Inácio! "Vai, magarefe das palavras!" Parabéns!

Francisco Munduruca
Gibran Sousa disse…
,

sem corolário, sem verborragia, e sem admoestação.

a funcional sensatez d'inácio (sempre) me fascina/

- ele sabe saber -:

tudo o que lhe parece óbvio, é-me profundo;
ele escreve, e ensina a poesia a se escrever.
...

mirdad, muito interessante o formato da entrevista.
Ayda de Macêdo disse…
Como já dizia um outro poeta:
- O maior desafio de um poeta é colocar magia na poesia.
JIVM, faz isso como ninguem.
Sou fã e admiradora desse grande poeta. Quisera, um dia, chegar à altura da poeira dos seus pés!
Parabéns ao entrevistado e ao entrevistador...Brilhantes!
Anônimo disse…
Se no Brasil tivesse pelo menos uma dúzia de poetas como Zé Inácio, a situação da poesia seria outra, tanto no que se refere à qualidade quanto à divulgação. Parabéns, Cavaleiro de Fogo, você é realmente nosso guerreiro mais valoroso. Abraços.

Cláudio Martins da Fonseca
Georgio Rios disse…
Cara que bom que alguém pensou num blog com este formato.E o entrevistado em questão é um poeta muito bom mesmo.E digo mesmo Parabéns para o Blogueiro e para JIVM saudações sertanejas.
Gal disse…
Entrevista maravilhosa!
Tive a sorte grande de conhecer este grande poeta e ser aluna dele na UESB campus Jequié-BA. Quem conhece Inácio não fica isento (a) de saber que poesia não é coisa besta como muitos pensam.
Valeu JIVM por me ensinar, com sua paixão pela poesia.
Anônimo disse…
Do caralho o Vampiro! Vou decorar esse poema pra recitar pra galera. Curti muito a entrevista. Valeu!
XICO LIRA
Sou cérebro disse…
Parabêns ao Mirdad pelo blog, e pela entrevista com o poeta JIVM, muito boa mesmo
e parabêns ao "Cavaleiro de Fogo" por sua sabias palavras você consegue encantar a todos e nos levar por esse mundo imaginário que só a poesia nos propociona.
E muito obrigado pela atenção voltada ao Grupo Concriz, o seu apoio é de extrema importância para nosso sucesso.
Beleza de entrevista. Só ouvi poesia o tempo todo enquanto a duração da entrevista. Entrevista como esta traz um enriquecimento e um alargamento ao leitor. De modo que sendo amigo do poeta José Inácio, sinto-me também metido no meio desse cenário fantástico que é a poesia. Meus parabéns ao entrevistador e ao entrevistado.
Linda Soglia disse…
PARABÉNS PELA ENTREVISTA E PELO INCENTIVO AOS JOVENS À LEITURA. ADOREI!

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…