Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Katherine Funke


Katherine Funke é uma jornalista catarinense, radicada na Bahia, repórter da revista Muito, que curte escrever e fazer música ao seu modo. “Caseiro”, como diz. Possui os blogs Notas Mínimas e Histórias da Katherine; este, de onde foram pilulados os versos a seguir. Tem ainda o twitter Micronotas, pra quem quiser persegui-la. Boa leitura!

"...

a bola branca perfeita
entra pelas pupilas
meus olhos, imensos,
enxergam as formigas
que caminham no jardim
carregando pedaços pequenos
das flores que saíram de mim

------

Grite mais alto!
Se ninguém te ouve

Levante a voz
Porque pensamentos
Invisíveis nada fazem
A não ser atormentar
As cabeças onde nascem

------

aceito o banzo que
a escuridão traz,
só para ter, quiçá,
a paz fugaz de
um sonho bom

------

Já é tão cedo e já não tenho nem para respirar!
Relógio sem razão, este das rotinas!

------

Um poeta nunca está longe de si mesmo.

Ele carrega um pouco da própria poesia
em cada passo palavra pedra escalada
até mesmo quando suspende o tempo
para tentar entender se está feliz

------

eu, passarinho,
eu, leoa,
eu, árvore
e tua inteira vida
pela frente

------

Canta, sino dos ventos
Que me ensinas?
As cores do silêncio;
o valor do encontro lento,
do atrito rápido e da leveza infinita,
suspenso no andamento
sem maestro das horas

------

era de noite, tarde,
pensei comigo, uh,

acho que uma estrela
caiu do céu, e arde

------

então, deitei na rede
e senti o espírito
abandonar a matéria

..."

Íntegra do poema Sem Título (ou Pequeno Poema), e trechos dos poemas Nobody Hears When You Call?, Poesia Noturna, Bem Cedo, Você, Meu Amigo, Eu, Passarinho, Sino dos Ventos, Eu vi um Vaga-Lume e Para Helena Ignez, de Katherine Funke, publicados no blog Histórias da Katherine (2009). www.historiasdakatherine.wordpress.com

.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…