Pular para o conteúdo principal

Perambulando #12 - Mariana Magnavita

Mariana Magnavita, no seu 1º show em Salvador-BA

Perambulando é uma seção deste blog destinada a expôr os vídeos que irei registrar nas andarilhadas por aí.

Ontem foi o show de estreia em terra soteropolitana da baiana expatriada Mariana Magnavita, 27, cantora e compositora radicada em Oxford (Ing) há 16 anos. Aproveitando férias por aqui, juntou-se à produção precisa de Érica Telles e Ricardo Dantas, e apresentou um show intimista, no aconchego do Ciranda Café (Fonte do Boi, Rio Vermelho), baseado em seu 1º CD, White, lançado de forma independente na gringa.

Acompanhada pela precisão dos excelentes músicos Jorge Solovera (violão e direção musical), Fernanda Monteiro (violoncelo) e Laura Jordão (viola), Mariana abriu o show sozinha, cantando London London, de Caetano Veloso. O público, repleto de amigos e familiares, lotou o espaço sentado no chão, em almofadas, numa situação um pouco desconfortável, e o ar condicionado não funcionou direito. Mesmo assim, a voz suave e precisa, amparada por uma fragilidade cândida, aconchegou-se ao colo da plateia, e desde a primeira canção entoada, ganhou a graça de todos.


Mariana Magnavita - Smugglers Land



Mariana Magnavita - I Ask My Father



A afinação correta e a empostação lírica, Mariana trouxe de sua experiência como cantora de coral. Ela deu um tempo de sua carreira no audiovisual pra poder dedicar-se à música que, por mais que não trate disso, é um percurso de carreira que não depende de tanto e tantos outros.

À vontade em seu 1º show em Salvador, a cada início de música, comentava o que a letra tratava, pra firmar mais ainda a sua “roda de violão e amigos” que caracterizou sua apresentação. Risadas, com a freqüência constante de comentários sobre o desamor, muso de várias canções. Sem esquecer da malícia sutil que deixou escapar (ou quis que) ao falar sobre o amor livre, de meio período, de que trata sua canção Part Time Honey, logo abaixo. Nada mais “verão na Bahia ê” que esses amores para situações específicas. Folk-se!


Mariana Magnavita - Part Time Honey



Mariana Magnavita - Things That Go Around



Mariana Magnavita - We Walk Alone



Se você gostou do som da Mariana Magnavita, aproveite que no próximo sábado, dia 06 de março, ela faz um repeteco do show no mesmo bat-local -horário que este: Ciranda Café Cultura e Artes, na Fonte do Boi (Rio Vermelho), 21h, $10, com a discotecagem astral do DJ Munch na sequencia.

-----------------




Mariana Magnavita







.

Comentários

emmibi disse…
Mto legal, baby. Ela é exatamente o q me lembro dela. Bjocas!
Luiz Ricardo disse…
OI Emmanuel! Bacana o registro que fez.
abs
Ricardo

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…