Pular para o conteúdo principal

Q.I.: Nelson Magalhães Filho e Tiganá


Quinta 04/03

Nelson Magalhães Filho


Nesta quinta à noite é a estreia da exposição Anjos Baldios, do artista plástico Nelson Magalhães Filho, na Galeria do Conselho, anexo ao Palácio da Aclamação (próximo ao Passeio Público - Teatro Vila Velha), às 19h. A exposição foi contemplada no edital Portas Abertas para Artes Visuais 2009, da Funceb, e traz os novos trabalhos desse artista feroz, talentoso e premiado.

Nelson é formado pela Escola de Belas Artes da UFBA. Premiado várias vezes nas Bienais do Recôncavo e nos Salões Regionais de Artes Visuais (FUNCEB), em 1999 ganhou o Prêmio BRASKEM de Cultura e Arte. Tem participado em diversas mostras individuais e coletivas em vários estados do Brasil, na Espanha (Segóvia, Barcelona, Málaga, Valladolid) e Nova York (EUA). Atualmente é Professor Substituto de Pintura I e II na EBA/UFBA.

Para a arquiteta e professora de História da Arte da EBA/UFBA, Alejandra Hernández Muñoz, as telas de Nelson "provocam reflexões sobre a unicidade e autonomia da obra de arte, sobre os alcances da pintura enquanto processo e resultado, sobre o confronto entre representação e revelação". Ela chama atenção que "estamos diante de uma pintura pura, que resgata o significado do pintar como ato existencial".



Para Muñoz, a pintura de Nelson Magalhães Filho é "uma verdadeira sismografia do soturno, do sinistro, do melancólico e, por vezes, do trágico, que se revela como antítese da impressão retiniana. Não é pintura de observação mas de introspecção. Não é uma produção ilusória premeditada, fake de imaginário fantástico destinado ao escapismo dessa nossa atualidade permeada de simulacros, mas uma arqueologia do surreal que visa a refletir sobre a essência de uma humanidade desencantada".



A professora Alejandra Muñoz ressalta que a prática de Nelson é a de "pintar várias telas em conjunto, de uma maneira sincrônica, pode ser compreendida como uma negação da pintura enquanto objeto autônomo, gerando 'famílias' de trabalhos com perfis de cor, estrutura e textura cotejáveis. Mas, paradoxalmente, a especificidade quase performática de cada tela, resultado de um contexto mental e gestual irrepetível, marca um caráter único em cada trabalho".



Por fim, Muñoz ressalta que as obras de Nelson "são uma afirmação tácita da perenidade das práticas informalistas da pós-guerra e da vigência das premissas neo-expressionistas da transvanguarda". E que o gesto visceral das pinceladas dele "não é calculado ou precedido de qualquer estudo preliminar, mas, sim, controlado por emoções de um espírito muito distante do aprazível e do contemplativo".

Imperdível!

Onde: Galeria do Conselho, no Palácio da Aclamação
Horário: 19h
Quanto: Gratuito
Até quando: De 04 de março a 09 de abril de 2010

Veja mais aqui: www.anjobaldio.blogspot.com

----------------------------------------------------------------------------------


Sexta 05/03

Tiganá no Pelourinho


Depois do showzaço com Luiz Brasil no Tom do Sabor (que teve cobertura da seção Perambulando deste blog, veja aqui), em janeiro último, o cantor e compositor Tiganá Santana volta aos palcos em Salvador. Desta vez, o lugar é a Praça Pedro Archanjo, no Pelourinho, em única apresentação nesta sexta, às 21h.

A base deste novo show visa casar a voz melodiosa do cantor ao som pulsante da percussão. Para tanto, Tiganá traz uma tríade de excelentes percussionistas: Antenor Cardoso, o sueco Sebastian Notini e o mestre Gabi Guedes. Além disso, o show terá as participações especialíssimas de Mou Brasil, Roberto Mendes, Margareth Menezes e o poeta José Carlos Capinam.

Imperdível!

Onde: Praça Pedro Archanjo - Pelourinho
Horário: 21h
Quanto: Gratuito
Info: Emma Produções - (71) 8832-9348

Veja mais aqui: www.myspace.com/avozdetigana

.

Comentários

anjobaldio disse…
Caro Mirdad, fico comovido com tua homenagem. Também queria agradecer muito tua presença lá na exposição. Valeu mesmo. Um grande abraço.

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…