Pular para o conteúdo principal

Esquente - The Orange Poem, 10 anos

foto: Rui Rezende


The Orange Poem foi uma banda baiana com sonoridade baseada no psicodélico rock progressivo em inglês, com pitadas de blues, folk, groove, metal e rock dos anos 70. O TOP resistiu na cena local por 6 anos (2001 - 2007), tendo lançado em 2005, de forma totalmente independente, o álbum Shining Life, Confuse World, além de ter gravado e finalizado em 2006 o álbum engavetado Sleep in Snow Shape, produzido dois DVDs demo e ter feito alguns shows no circuito alternativo da Barra, Pituba e Rio Vermelho.

No próximo dia 31 de março, caso estivesse na ativa, The Orange Poem comemoraria 10 anos. Para celebrar a data, este blog fará posts diários com músicas que retratam o que foi o conceito musical do poema laranja, atualmente desativado pela distância geográfica de seus componentes.

The Orange Poem foi formado pelos soteropolitanos Mirdad (voz, violão 12 cordas, composições e produção), Zanom (guitarra e sanfona), Fábio Vilas-Bôas (guitarra) e Hosano Lima Jr. (bateria), além de Artur Paranhos (baixista), músico que tocou na banda por três anos e gravou nos dois álbuns. Confira abaixo um pouco sobre os músicos laranjas, com trechos retirados do DVD demo de 2003.



Fábio Vilas-Bôas

Teólogo e guitarrista de extrema agilidade na distorção e domínio do efeito delay

“Eu tenho uma procedência musical que não tem como ter outra; sou fã do Pink Floyd, Iron Maiden, Dire Straits e Led Zeppelin, e posso dizer a vocês que estou muito satisfeito com esse trabalho nosso; é um projeto diferente para a musicalidade de hoje, né?”

“Almejo chegar no topo porque somos realistas e sabemos o que temos, e isso nos dá força pra buscar mais, porque hoje em dia a música está carente, precisando desse som que não existe mais, e nós estamos fazendo com todo amor para vocês que gostam de solos de guitarra. Não estou dizendo que somos esses músicos todos, mas falo do prazer que queremos demonstrar para vocês do que a gente pode fazer com essa procedência que Adonay Yeshua Ha'Mashya nos deu”













Hosano Lima
Jr.
Baterista versátil e criativo, com peso, sutileza e experiência de várias bandas

“Eu comecei a tocar bateria dentro do quarto com caixa de isopor. Quando consegui comprar uma bem baratinha, comecei a estudá-la e formei logo a minha primeira banda. Toquei em várias bandas de amigos até chegar na Mamutes, que toquei por um grande tempo, e toquei também na Cadillac, Deutério, Besouros do Sertão e em várias outras”

“Escutei muitos estilos diferentes em minha vida, mas a minha referência musical é a MPB. Na verdade, escuto muita coisa, MPB e rock principalmente. Minha meta mesmo é o rock’n’roll, mas escuto muito jazz, forró, tudo, gosto de tudo”

“Eu gostei muito da banda, dos músicos, grande Zanom, Fábio figura, todo mundo. O mais importante, pra mim, é tocar com aquela galera, músicos muito bons, aprendi muito com eles. Acredito que o projeto da banda está muito amplo; então, como a gente faz as músicas em inglês, o projeto é mais pra fora, não é pra aqui”



Zanom

Fonoaudiólogo, guitarrista e sanfoneiro de pegada Hendrix, blues e música regional

“Eu comecei tocando hardcore, numa banda de amigos chamada Anomia. Toquei em bandas cover de Raul Seixas, em algumas bandas de forró, bandas de blues, mas por muito pouco tempo, e principalmente a Solo Pedregoso”

“Meu estilo preferido de música é o blues; jazz, bossa-nova e baião também, que é o que eu acho mais legal. Como referência musical, sou muito fã de Jimi Hendrix; gosto muito, era um cara fantástico, um gênio. Gosto também de Heraldo do Monte, guitarrista brasileiro que toca música nordestina. Gosto muito das harmonias de Tom Jobim. Gosto de João Bosco, Sivuca, Dominguinhos, Toninho Horta, e eu acredito que outro Deus existente no mundo é o Hermeto Pascoal. Fora isso, lá de fora tem o Steve Ray Vaughan e o George Benson”

“The Orange Poem pra mim é uma oportunidade de crescer musicalmente, até porque a banda é composta por músicos excelentes. Fazer música com essas pessoas é uma coisa muito boa, é o que me leva a tocar com prazer na banda, tocar com meus amigos”



Mirdad

Jornalista, produtor, cantor, violonista 12 cordas e compositor - o faz-tudo do grupo

“Meu histórico musical inicia-se em 1997, quando comecei a tocar violão e a compor músicas pop-rock em português. Sempre tive vontade de montar uma banda que tivesse um trabalho próprio. Então, no ano 2000, compus “Last Fly”, que me fez pensar: ‘Por que não um projeto rock’n’roll em inglês?’. A partir daí, comecei a compor em inglês e acabei montando o Orange Poem em cima dessas composições”

“Posso dizer que tive grande influência vocal de Renato Russo, da Legião Urbana. Tive influências das músicas depressivas de Thom Yorke, do Radiohead, e o Pink Floyd ditou o som que eu quis fazer, com muita guitarra. Eu queria também alguma coisa parecida com os riffs de Led Zeppelin, Black Sabbath, música dos anos 70”

“O que almejo com o projeto Orange Poem é conseguir transformá-lo em uma banda mundial, referência do rock, como se fosse um grande ícone, como essas bandas históricas”



Artur Paranhos

Baixista profissional e extremamente versátil, hábil tanto no groove quanto na psicodelia

“Eu já toquei outros instrumentos, como violão, cavaco e um pouco de guitarra, mas não cheguei a avançar nisso. Sempre tive uma banda de rock paralela a alguma outra. Tocava em várias bandas, inclusive de pagode, uma coisa meio contraditória, pagode X rock, mas eu gosto, sou um cara muito eclético; toquei em muitas bandas de forró também”

“Eu vejo que a Orange é uma banda que tem um compromisso sério, desde o primeiro momento; nunca estive nesse meio ‘conseguimos um empresário, vamos precisar viajar pro exterior e você vai ter que largar tudo’. Então, depois que tive confiança na banda, vi que é uma coisa séria e que se der pra fazer sucesso, a gente vai estar junto sem besteiras, eu tô aqui, pro que der e vier”

“No rock, se a banda é boa, realmente ela continua, e faz história no mundo todo. Se o som é bom, todo mundo conhece e prestigia seu talento ou da banda. E eu pretendo fazer sucesso pelo menos entre a gente”

---
PS - fotos por Rui Rezende, exceto a de Artur, por Mirdad.

.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…