Pular para o conteúdo principal

Oel Ngati Kameie

ilustração digital: Mirdad


Oel Ngati Kameie
Emmanuel Mirdad

franco e honesto, eu
penso muito
em você

tenho impulsos,
diversos convites
que brotam ansiosos
a serem feitos a você

parece que a vida
de repente
livrou-me das amarras
do automático fazer
e brotou um bilhão
de possibilidades

ser feliz - agora existe e pulsa aqui
uma necessidade enorme em viver o prazer
as boas coisas, risadas, gozos, abraços,
carinhos trêmulos e entupidos de
uma química voraz que preenche
os buracos negros dos traumas
com uma oferta enorme de bem estar
despretensioso e incrivelmente ingênuo,
também viril e potencialmente preparado
a consumar o que os corpos estão predestinados
a explodir
com tamanha simetria
e atração irracional,
anterior ao pensamento,
ambígua ao desejo primal

eu quero você
próxima e constante
pra sorrir e compartilhar
interagir, aprender, compreender,
colecionar piadas e segredos internos,
ironizar e debochar os pequenos erros
como dois moleques

e você me quer
perto e constante
pra secar tuas mãos
afundar minhas mãos
em teu corpo simétrico
e queridamente tão apto
a ser o lar do meu

eu preciso de você
constante e convicta
pra aventurar a rotina
nas milhões
de possibilidades
do bem viver
que os comuns não enxergam

eu desejo você;
diante das milhões
de possibilidades
de outras mulheres,
você pode me bastar

pode sim,
por possuir, antes de qualquer
verbo, raciocínio e intenção,
a afeição que nada
nem ninguém
pode explicar
e como um imã feroz
convida-me naturalmente
a unir meu pólo ao teu

a afeição é raríssima
e encontrar-me neste acaso quase maktubiano
- mesmo para um cético contraditório como eu -
após tanto tempo em busca aleatória e inútil
é a afirmação plena de que,
sincera e escancaradamente exposto,
eu vejo você

esta afeição vem antes de tudo;
do verbo, do pensamento, da razão,
dos enquadros e formatos
e não é quantificável;
está além da intenção
e é imune à forja do ideal
apenas passa a existir, antes do signo

é o embrião, já fecundado
proto-ato, pedra bruta
do maior de todos;
o amor coincidido
despretensioso e irracional

enquanto todos estão umbigados
em seus objetivos seguros, mero padrão
e o “amor” não passa de uma outra forma
de dizer bom dia ou avaliar
como está a frágil segurança
de não estar sem alguém pra lhe aturar,
eu vejo você
em impulso e não razão
- amor

vivi diversos outros
amores menores e confusos
amores construídos
- maior falha do relacionar-se humano -
amores mesquinhos e superficiais
amores parasitas e desamores
e posso até arriscar em dizer que
sei muito bem o que eu quero
- você

a afeição antes do verbo
o parto da coincidência
o amor escancarado
sem cortes, ponderações e enquadros
que só servem pra prever o que não é
e distorcer tudo em prol de uma preservação
que não preserva o que de fato interessa
- o encontro

é claro que podemos quebrar a cara
com aquela violência já conhecida da cruel realidade
rotina e exigências egoístas que sempre surgem
por debaixo do tapete a erradicar a paixão
- o motor que escava o íntimo e sedimenta as raízes -
num repente do acordar de manhã
e sentenciar
“não era isso que eu queria”
- é claro que é possível

mas também é provável que
ao despencarmos do 18º andar
com a venda cálida que protege os amantes
a sorte prospere sua raridade ocasional
e permita que a linda história de amor
nos encontre mais louca que nos romances
e alimente esta vida embrutecida e veloz
com a pausa sagrada de quem apenas vê
e não enxerga

parceira, amiga, inteligente, escrota
sarcástica, confidente, aprendiz, mestra
uma mulher linda, interessante, gostosa
com olhos de galáxia e sorriso de vastidão
em que mergulho e me acho
em que gargalho e me encontro
- é isso; eu me encontro em você; você se encontra em mim

o sublime é muito mais real e próximo
do que até mesmo nos sonhos

I see you.

.

Comentários

Neila disse…
Lindo! Bem dita seja a felizarda!
Lua Nunes disse…
Tentando deixar meu comentário desde ontem, mas essa pagina só expirava.

De todos os que já li esse sem dúvida é o melhor. Nestas palavras tem uma vida que poucos conhecem e um amor que merece ser exposto, vivido, curtido. LINDO!

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…