Pular para o conteúdo principal

Revival: Clarice, a quase banda

Clarice foi Cebola, Metade, Txhelo, Léo e Mirdad


Reencontrei os amigos bateristas Léo Abreu e Felipe Dieder ontem no Groove Bar, e Dieder recordou (o motivo da lembrança foi este vídeo saudosista) do power trio Cerveja Café, que montei em 2007 pra dar vida às composições do também amigo Rodrigo Damati (que já pintou aqui e aqui como ilustrador), que andava meio sumido depois do término da sua ex-banda (e saudosa) enquanto isso... (outro power trio, cujos remanescentes, baterista Léo Abreu e guitarrista Dinha, formaram a Matiz).

A Cerveja Café durou pouco, mas fez um som bacana, muito porque o compositor (e também peculiar vocalista) Rodrigo Damati, vulgo Metade, é um sacana que manja muito bem dessas tais músicas pop, mas com qualidade (que hoje no cenário de Salvador tem a Maglore como principal nome), baseadas em boa melodia e uma enorme dose de dor de cotovelo.

Mas poucos sabem que houve uma tentativa anterior à Cerveja Café, que durou MUITO menos (precisamente 3 ensaios no final de 2006), e se chamou pretensamente (e sarcasticamente) de CLARICE. Com Cebola Pessoa no teclado, Léo Abreu na bateria (uhu! - 2/3 da enquanto isso...), Marceleza de Castilho e eu (logo quem, fazendo uma base tosca, com guitar emprestada de Txhelo!) nas guitarras, a voz e o baixo peculiares de Rodrigo Damati, vulgo Metade, puderam ser ouvidos novamente. Desse embrião tosco, surgiu o elo entre Txhelo e Metade, que 3 meses depois brotaria a Cerveja Café, com a chegada justamente do amigo Felipe Dieder.

ATENÇÃO: As gravações abaixo foram feitas durante o ensaio em um pequeno gravador de mão, de fita K7 ainda, ou seja, contém alguns erros e é tecnicamente ruim. Mas o que vale é o registro, e que a boa canção continua, mesmo com tais condições adversas.


Clarice - Um Dia by blogelmirdad


Clarice - Volta by blogelmirdad


Clarice - Linda by blogelmirdad

.

Comentários

On The Rocks disse…
rapaz,

vc produz coisa pra caramba.

parabéns man!

o grande lance é não "descansar", porque cria mofo na cabeça - rs

abs
_ e r i c disse…
Massa!

Bom Som.

[ ]'s
Leo Abreu disse…
Wow, eu nunca tinha ouvido isso, man!!! Que louco... Pq a Clarice parou mesmo, hem?
Dieder disse…
Pô, foda velho... conhecia de nome, mas não de som... e roubamos Linda!!!
Mirdad disse…
Valeu, Buenas, cabeça a bilhão por aqui, eheheh.

Léo, q'eu me lembre, acho q foi por causa da Matiz, q lhe tomou tempo, ahahaha. Mas aí veio na sequência a Cerveja Café e tudo certo; ladrões de Linda, ahahaha.
Mirdad disse…
Sugiro q em algum dia a gente se reúna e grave um EPzinho só como recordação; é claro q o single será "Um Dia".

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…