Pular para o conteúdo principal

Adeus ao grande escultor Doidão

Doidão Bahia - Foto: Jomar Lima

Em 2008, na produção do Prêmio Bahia de Todos os Rocks, o então produtor executivo do evento, Marcus Ferreira (hoje meu sócio na Cali), apresentou a sua solução para a criação dos troféus no formato da marca, a figa rock'n'roll: Doidão. Como é? Doidão? Ele insistiu: artista renomado, os gringos adoram o seu trabalho, e ele é de Cachoeira e meu amigo. Topei. E o resultado ficou maravilhoso. Os artistas que ganharam também acharam. E eu tenho muito orgulho do troféu, eternizado com a forja do grande escultor (os enfeites foram decorados por Heloísa Ferreira, mãe de Marcus).

Figa rock'n'roll do Prêmio Bahia de Todos os Rocks 2008 - Foto: Erivan Morais


Figa rock'n'roll do Prêmio Bahia de Todos os Rocks 2010 - Foto: André Fofano


Engraçado que, em 2011, época da pré-produção da primeira Flica, visitei o seu ateliê em Cachoeira, acompanhado por Marcus, e vi que ele estava vendendo várias peças idênticas ao nosso troféu. Brinquei com ele, que não podia, pois era exclusivo e tal, mas como tínhamos abandonado o prêmio (teve apenas duas edições, 2008 e 2010), e tudo indicava que não iríamos fazer de novo, tava tudo certo.

Meses depois, Doidão nos mostrou o quanto que era generoso. A cinco dias do início da Flica 2011, ficamos sem o local para realizar o evento, e tivemos que readequar tudo, sem nenhuma rubrica a mais no orçamento. Virei cenógrafo e fui lá no ateliê, com Marcus, pedir para Doidão emprestar as suas peças para compor o palco das mesas literárias. Pois bem, ele foi solícito, topou na hora, sem pestanejar, nos apoiou e emprestou, gratuitamente, todas as peças que pedi.

Nunca vou me esquecer disso. Muito obrigado, grande artista e escultor! A sua obra é fantástica, muito preciosa para a Bahia. Luz para a sua passagem. Força aos que ficam. Na foto abaixo, com a presença do saudoso prof. Ubiratan Castro (primeiro apoiador do evento na gestão do Governo da Bahia e um incentivador vital para a existência do evento), as peças de Doidão abrem o caminho para a Flica em Cachoeira.


Flica 2011 - Foto: Vinícius Xavier

Saiba mais sobre Doidão aqui

Nota da Flica sobre o seu falecimento aqui

Assinatura de Doidão, em foto de Jomar Lima:



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Edson Gomes

Os discos e as músicas do cantor e compositor Edson Gomes são os meus prediletos e as que eu mais gosto dentre tudo que é feito de reggae no Brasil. No meado dos anos 1990, eu só ouvia Bob Marley & The Wailers o tempo inteiro, e foi o ilustre mestre cachoeirano quem despertou o meu interesse para outros sons além do gigante jamaicano. Fiquei fã de Edson Gomes antes de conhecer Burning Spear , Peter Tosh , Alpha Blondy , Gregory Isaacs e muitos outros. Foram os clássicos dele, e são muitos, muita música boa, arranjos excelentes, o sonzaço da banda Cão de Raça (adoro a timbragem e improvisos do guitarrista Tony Oliveira ), que me apresentaram a magia do Recôncavo Baiano , de Cachoeira , muitos anos antes da Flica . Na Seleta de hoje, as 42 músicas que mais gosto, gravadas por Edson Gomes & Banda Cão de Raça , presentes em seis álbuns : “ Resgate Fatal ” (1995), “ Campo de Batalha ” (1992), “ Recôncavo ” (1990), “ Apocalipse ” (1997), “ Reggae Resistência ” (1988) e “ Acor