Pular para o conteúdo principal

Ralph Ellison, preciso

Ralph Ellison - Foto daqui


“(...) Não há nada melhor para fazer o povo dormir do que a simples ideologia. O ideal é encontrar um meio-termo entre a ideologia e a inspiração. Diga o que o povo quer ouvir, mas diga-o de tal modo que ele faça o que queremos.”

“(...) a diferença entre a indignação individual e a organizada é a mesma entre a ação criminosa e a ação política.”

“Olhei o escuro aro de metal ao redor do meu punho e deixei-o sobre a carta anônima. Eu nem o queria, nem sabia o que fazer com aquilo; embora não houvesse nenhuma dúvida sobre guardá-lo, ainda que por nenhuma outra razão além do fato de eu sentir que o gesto do irmão Tarp, de oferecê-lo, era de grande significado e profundamente reconhecido, que eu era obrigado a respeitar. Algo, talvez, como um homem que lega ao filho o relógio do pai, e que o filho aceita não por desejar a máquina antiquada em si, mas por causa das implicações da circunspecção e da solenidade do gesto paternal que, ao mesmo tempo, o ligava aos seus antepassados, assinalava um ponto alto de seu presente e prometia um sentido concreto a seu futuro caótico e nebuloso.”

“(...) a história registra os padrões da vida dos homens, e estes dizem quem dormiu com quem, e com que resultados; quem combateu e quem venceu, e quem viveu para mentir a esse respeito, depois. Todas as coisas, já se disse, são devidamente registradas, isto é, todas as coisas importantes. Mas não de maneira completa, pois, na verdade, é apenas o conhecido, o visto, o ouvido, e apenas esses acontecimentos que o registrador julga significativos é que são assinalados, as mentiras que seus defensores guardam em seu poder.”

“Talvez, como eles, eu fosse uma reversão, um pequeno e remoto meteorito que morreu há várias centenas de anos e vivia, hoje, apenas em função da luz que se desloca através do espaço a uma velocidade grande demais para compreender que sua fonte se converteu num pedaço de chumbo...”

“Nunca fui mais odiado do que quando tentei ser honesto. Ou quando, nesse mesmo instante, tentei elaborar exatamente o que percebi capaz de ser a verdade. Ninguém se satisfaz - nem mesmo eu. Por outro lado, nunca fui mais amado e considerado do que quando tentei 'justificar' e reafirmar as crenças equivocadas de alguém. Ou quando tentei dar a meus amigos as respostas incorretas e absurdas que eles desejavam ouvir. Na minha presença, eles podiam conversar com eles mesmos, pois o mundo estava em suas mãos, e eles o amavam. Assimilavam, assim, uma sensação de segurança. Mas aí o embaraço: com muita frequência, com a finalidade de justificá-los, eu tinha de me agarrar pela garganta e me sufocar até meus olhos se esbugalharem e minha língua pender, oscilando como a porta de uma casa vazia sob um vento forte. Ah, sim, isso os deixava felizes, e me deixava doente.”

“(...) a humanidade é conquistada ao manter nosso desempenho diante de eventuais derrotas.”




Trechos presentes no romance Homem invisível (José Olympio, 2013), de Ralph Ellison, tradução de Mauro Gama, páginas 360, 299, 389, 435, 438, 563-564 e 568, respectivamente.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Edson Gomes

Os discos e as músicas do cantor e compositor Edson Gomes são os meus prediletos e as que eu mais gosto dentre tudo que é feito de reggae no Brasil. No meado dos anos 1990, eu só ouvia Bob Marley & The Wailers o tempo inteiro, e foi o ilustre mestre cachoeirano quem despertou o meu interesse para outros sons além do gigante jamaicano. Fiquei fã de Edson Gomes antes de conhecer Burning Spear , Peter Tosh , Alpha Blondy , Gregory Isaacs e muitos outros. Foram os clássicos dele, e são muitos, muita música boa, arranjos excelentes, o sonzaço da banda Cão de Raça (adoro a timbragem e improvisos do guitarrista Tony Oliveira ), que me apresentaram a magia do Recôncavo Baiano , de Cachoeira , muitos anos antes da Flica . Na Seleta de hoje, as 42 músicas que mais gosto, gravadas por Edson Gomes & Banda Cão de Raça , presentes em seis álbuns : “ Resgate Fatal ” (1995), “ Campo de Batalha ” (1992), “ Recôncavo ” (1990), “ Apocalipse ” (1997), “ Reggae Resistência ” (1988) e “ Acor