Pular para o conteúdo principal

Yesterday, Nothing; Tomorrow, Silence (2018) – Emmanuel Mirdad


Yesterday, Nothing; Tomorrow, Silence
Emmanuel Mirdad
Translated by H. Sabrina Gledhill
2018 | 142 pg | Poetry
Cover by Sarah Fernandes

Download here or here

Original in portuguese here





Belonging . 09

Growth . 10

Gravity . 11






Locksmith . 24

Puppet . 25



Yemanja . 30




Ant-Man . 39

It-myself . 41

Creaking . 43


The smile . 48

Yam . 51

In vain .52





Piano . 87

Brilliant . 88


Fate . 94

Weak . 95





Possession . 103


Trees . 106

Infer(no) . 107

Set meal . 108

Tic // Toc . 109

Salt . 111


Interval . 113

Present! . 114





118 . Wrinkles

119 . Phagia

120 . Professorial

121 . Hangover

123 . Formatted after ctrl + alt + del

124 . Sinuous frame

125 . Seven, fourteen, 21

126 . Light airplane

127 . Today

128 . 8/8/88

131 . The way back

132 . In the moment

133 . 300

134 . Heroes of the unclean

135 . Listening to “The Moon”

137 . Ditty

138 . Parapsychopasserines

140 . Room 105

141 . Construction



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A jornada para escrever o romance oroboro baobá — Parte IV (2016)

“ oroboro baobá ” é o meu primeiro romance. Escrevê-lo foi um laboratório, um curso, um aprendizado. No post de hoje, a 4 ª parte da jornada de criação do “ oroboro baobá ”, com o relato do que aconteceu em 2016 : a presença de Oxumaré na jornada; a ligação das partes masculinas e femininas do romance; crio a parte fantástica do romance, inventando as entidades e a divindade; Benivalda  e  Bartira  e a saga dos seus ancestrais,  Miwa ,  Mbamba ,  Mbira , Mkini , índios Maxakali , jornalista Sanfilippo , a questão Pataxó , a conexão das famílias Santos & Maxakali , e um monte de novidade nesse ano incrível para o romance; a Allée des Baobabs , o baobá Renala e o ritual em Madagascar ; o goleiro é Montanha [adiós, Muralha !]; imponho duas restrições ao romance; presentes de Sarah Fernandes , Carlos Barbosa , Flávio Bustani e Mary del Priore ; duas opções para a capa [pintura de Max Fonseca e foto de Nathália Miranda ]; opções de Adélia Prado e Daniel Lima para a epígra

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira no YouTube o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Não consegue visualizar o player? Veja no YouTube  aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suite [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splash

Orange Poem — Letras traduzidas para o português

Orange Poem (imagem: Glauber Guimarães) Segue abaixo a tradução para português das letras das músicas do álbum virtual duplo “ Hybrid ” (2014), da banda baiana The Orange Poem . Os poemas são quase todos de autoria de Emmanuel Mirdad , exceto um, que é a reunião de catorze fragmentos de poemas de Ildegardo Rosa , morto em 2011, pai de Mirdad, que foi gravado em português mesmo e não precisou de tradução. Mirdad agradece à cantora e professora de inglês Ana Gilli , que corrigiu as imperfeições existentes. Cortes Tradução para  Cuts (Emmanuel Mirdad) Nós precisamos tanto de carinho, tão importante como oxigênio, tão raro como um abraço sincero, tão caro nestes dias de egoísmo. Nós afastamos as pessoas ignorando a amizade, atraímos somente por negócio, criamos condições absurdas para o desejo, enquanto tentamos felicidade com coisas de plástico. O lar se tornou refúgio, cela, e a privacidade é exposta como prêmio. Dia após dia nos restringimos a criar ídolos, o destino