Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Talvez Não Tenha Criança no Céu, de Davi Boaventura

Davi Boaventura por Mirdad (foto de Fabíola Freire)


Algumas passagens de Davi Boaventura e seu alter-ego adolescente no livro de estreia "Talvez Não Tenha Criança no Céu":

“Uma foda como qualquer outra... ela com tantas e eu com tão poucas”.

“Para pessoas iguais a mim não adianta fugir, não adianta tentar caminhos diferentes, independente de ser jovem ou velho, homem ou mulher, sempre vamos estragar a empreitada no fim. É simples: ser medíocre é parte intrínseca do nosso organismo, é nosso único talento, somos zeros absolutos, servimos apenas para serviços coadjuvantes, autenticar contrato, atender telefone, vigiar galpão – gostemos ou não – é a mais pura verdade”.

“Estoquei novamente e queria de alguma forma atravessar seus ossos, não bastava simplesmente gozar e deixá-la feliz e relaxada, eu precisava estraçalhar seu corpo, humilhar, mesmo ela sendo mais mulher do que eu homem. Era uma necessidade profunda vê-la me olhar como se eu fosse seu dono, alguém que ela devesse ter medo, como se eu fosse alguém capaz até de matá-la”.

“Não demorou e eu me sentia o próprio guri do Campo de Centeio, filho único do mundo ... uma comparação inútil porque, no fundo, dois terços dos fracassados de minha idade um dia se acharam idênticos ao guri do Campo de Centeio”.

“Basta admitir a reencarnação e que o sofrimento é necessário para a purificação que o paraíso se torna um depósito luminoso abarrotado de almas velhas e cansadas, cheias de cicatrizes escarradas, pois as almas novas, se lá chegassem, o que por si só seria improvável, precisariam reencarnar para envelhecer. Precisariam errar, sofrer, morrer e completar seu ciclo de misérias”.

“Minha função na trama, se houve alguma, foi apenas ser um pau no momento que ela precisou de um”. 

“Ninguém quer lembrar da imagem de seu pai com sangue venoso na boca diante da pia do banheiro – ainda que suas cinzas, lançadas no quintal a pedido dele, já fizessem este trabalho bastante bem. O espaço foi remodelado pelo pai justamente para esse fim, para não ser esquecido. Ele escolheu a pintura, o pórtico, os bancos de pedra, a posição da churrasqueira e da horta, desenhou até a composição das flores no jardim, cada tufo de grama no quintal exalava seu hálito de Marlboro. Lá, no entanto, como passávamos tempo demais, conversando ou bebendo, acostumamos”.

“De repente veio o calor, os arrepios, o suor e o choque de tensão que derreteu meus poros. Minhas pupilas dilataram, olhei para longe e enxerguei distante a luz do poste igual a um escorpião em chamas, uma silhueta disforme com vários tons de amarelo, a água também com uma coloração diferente, um brilho transparente de substância viva, e entrei em parafuso. Flutuei por uma atmosfera fervilhante onde minha pele se descolou dos músculos e onde o tempo traduzido em um objeto real se estendia por inteiro ao meu alcance, simultâneo a isso, eu podia na mesma hora ser, me ver, me tocar e principalmente me sentir como bebê e idoso, grande e pequeno, rígido e maleável”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…