Pular para o conteúdo principal

Talvez não tenha criança no céu, de Davi Boaventura

Davi Boaventura
Foto: Fabíola Freire / Arte: Mirdad

Algumas passagens de Davi Boaventura e seu alter-ego adolescente no livro de estreia Talvez não tenha criança no céu:

“Uma foda como qualquer outra... ela com tantas e eu com tão poucas”.

“Para pessoas iguais a mim não adianta fugir, não adianta tentar caminhos diferentes, independente de ser jovem ou velho, homem ou mulher, sempre vamos estragar a empreitada no fim. É simples: ser medíocre é parte intrínseca do nosso organismo, é nosso único talento, somos zeros absolutos, servimos apenas para serviços coadjuvantes, autenticar contrato, atender telefone, vigiar galpão – gostemos ou não – é a mais pura verdade”.

“Estoquei novamente e queria de alguma forma atravessar seus ossos, não bastava simplesmente gozar e deixá-la feliz e relaxada, eu precisava estraçalhar seu corpo, humilhar, mesmo ela sendo mais mulher do que eu homem. Era uma necessidade profunda vê-la me olhar como se eu fosse seu dono, alguém que ela devesse ter medo, como se eu fosse alguém capaz até de matá-la”.

“Não demorou e eu me sentia o próprio guri do Campo de Centeio, filho único do mundo ... uma comparação inútil porque, no fundo, dois terços dos fracassados de minha idade um dia se acharam idênticos ao guri do Campo de Centeio”.

“Basta admitir a reencarnação e que o sofrimento é necessário para a purificação que o paraíso se torna um depósito luminoso abarrotado de almas velhas e cansadas, cheias de cicatrizes escarradas, pois as almas novas, se lá chegassem, o que por si só seria improvável, precisariam reencarnar para envelhecer. Precisariam errar, sofrer, morrer e completar seu ciclo de misérias”.

“Minha função na trama, se houve alguma, foi apenas ser um pau no momento que ela precisou de um”. 

“Ninguém quer lembrar da imagem de seu pai com sangue venoso na boca diante da pia do banheiro – ainda que suas cinzas, lançadas no quintal a pedido dele, já fizessem este trabalho bastante bem. O espaço foi remodelado pelo pai justamente para esse fim, para não ser esquecido. Ele escolheu a pintura, o pórtico, os bancos de pedra, a posição da churrasqueira e da horta, desenhou até a composição das flores no jardim, cada tufo de grama no quintal exalava seu hálito de Marlboro. Lá, no entanto, como passávamos tempo demais, conversando ou bebendo, acostumamos”.

“De repente veio o calor, os arrepios, o suor e o choque de tensão que derreteu meus poros. Minhas pupilas dilataram, olhei para longe e enxerguei distante a luz do poste igual a um escorpião em chamas, uma silhueta disforme com vários tons de amarelo, a água também com uma coloração diferente, um brilho transparente de substância viva, e entrei em parafuso. Flutuei por uma atmosfera fervilhante onde minha pele se descolou dos músculos e onde o tempo traduzido em um objeto real se estendia por inteiro ao meu alcance, simultâneo a isso, eu podia na mesma hora ser, me ver, me tocar e principalmente me sentir como bebê e idoso, grande e pequeno, rígido e maleável”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Edson Gomes

Os discos e as músicas do cantor e compositor Edson Gomes são os meus prediletos e as que eu mais gosto dentre tudo que é feito de reggae no Brasil. No meado dos anos 1990, eu só ouvia Bob Marley & The Wailers o tempo inteiro, e foi o ilustre mestre cachoeirano quem despertou o meu interesse para outros sons além do gigante jamaicano. Fiquei fã de Edson Gomes antes de conhecer Burning Spear , Peter Tosh , Alpha Blondy , Gregory Isaacs e muitos outros. Foram os clássicos dele, e são muitos, muita música boa, arranjos excelentes, o sonzaço da banda Cão de Raça (adoro a timbragem e improvisos do guitarrista Tony Oliveira ), que me apresentaram a magia do Recôncavo Baiano , de Cachoeira , muitos anos antes da Flica . Na Seleta de hoje, as 42 músicas que mais gosto, gravadas por Edson Gomes & Banda Cão de Raça , presentes em seis álbuns : “ Resgate Fatal ” (1995), “ Campo de Batalha ” (1992), “ Recôncavo ” (1990), “ Apocalipse ” (1997), “ Reggae Resistência ” (1988) e “ Acor