Pular para o conteúdo principal

Vamos ouvir: Agora eu sou o silêncio, do TRATAK

Agora eu sou o silêncio (2012), de TRATAK



Não consegue visualizar o player? Ouça aqui

Release do CD, por Elson Barbosa, disponível no site do TRATAK:

Segundo a Wikipedia, "tratak" é um termo em sânscrito, que significa lágrima. Difundido também como técnica de meditação, compreende em "fixar o olhar em algum objeto sem piscar, favorecendo a meditação".

Já na música, Tratak é um "projeto coletivo de um homem só". Idealizado em 2010 pelo músico catarinense Matheus Barsotti, Tratak é um projeto sem formação fixa. Baterista por formação, Matheus passou por bandas como Margot, Alfajor, Labirinto e Stella-Viva, até encontrar no violão e voz novos instrumentos de expressão. Das dezenas de ideias esparsas gravadas no celular, onze tomaram forma com o envolvimento do arranjador baiano Heitor Dantas (Dorothy) e do músico curitibano Fernando Rischbieter (Stella-Viva).

Com produção e arranjos do próprio trio Tratak, gravado por Yury Kalil no estúdio Totem (Cidadão Instigado, Siba, Thiago Pethit), mixado por Sergio Soffiatti (estúdio O Grito) e masterizado por Gustavo Lenza (YB Estúdios), Agora Eu Sou O Silêncio tem como melhor definição uma brincadeira do próprio autor – é um disco de "axé fúnebre". 

Com base na MPB mas com cores experimentais, tem referências que vão desde o samba de Cartola e a poesia de Fernando Pessoa até as dissonâncias do Radiohead e o experimentalismo ácido do Mars Volta – referências que muitas vezes aparecem em uma mesma música. 

À primeira vista o clima é de festa, mas a mensagem é sombria. A leitura mais atenta entrega – Agora Eu Sou O Silêncio é um trabalho conceitual sobre morte. Da desilusão de "Irrealidades Vãs" e "Querida", passando pelo ápice fundo-de-poço com pitadas de insanidade de "Orquídeas" e "Apenas Rotina", até a faixa-título – não por acaso a última do disco –, Agora Eu Sou O Silêncio é uma espiral descendente, finalizando uma sincera despedida. A história parece pesada, mas basta um replay para afastar o tom sombrio. E começar a descida novamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Pílulas: Provérbios, de Mãe Stella de Oxóssi

Mãe Stella de Oxóssi (foto: Iraildes Mascarenhas - interferida por Mirdad)

"Criar desculpas para os próprios atos é a melhor maneira de permanecer no erro"


"Quem está vinculado ao sagrado, não deve mentir em seu nome"


"Fé não se impõe"


"Quem desdenha dos defeitos alheios está exibindo os seus"


"Às vezes se precisa perder pouco, para não perder tudo"


"O caminho espiritual pode ser comunitário, porém é sempre solitário"


Provérbios Mãe Stella de Oxóssi (2007)

"O que o destino disser que é, ninguém terá força para dizer que não é"


"Saber morrer faz parte do saber viver"


"Não é sábio aquele que se acha sabido"


"A presença do 'se' mostra a impossibilidade de realização dos desejos"


O provérbio diz: "Não há Orixá como o estômago, pois recebe sacrifícios diariamente". Mãe Stella de Oxóssi interpreta: "O estômago é como uma divindade, precisa ser respeitado e cuidado"

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…