Pular para o conteúdo principal

Vamos ouvir: A/B, de Vitor Araújo

A/B (2012) - Vitor Araújo




Não consegue visualizar o player? Ouça aqui

Release do CD por Tibério Azul, disponível no site de Vitor Araújo:

"

Quando Vitor Araújo surgiu pisando no piano muitos estranharam, teceram críticas, outros elogiaram, e tantos acreditaram se tratar apenas de um arroubo juvenil. Não era. Porque Vítor não pisava simplesmente no piano, ele mergulhava no instrumento como um casal adolescente descobre pela primeira vez a vontade de se perder no outro. Naquele ato o artista apresentava tudo o que propunha: imergir sem pudor ou freio. Raiz de toda concepção artística, ele dizia muito mesmo sem saber ao certo.

Agora em novo trabalho o garoto atrevido mantêm o movimento e volta a pisar, só que não mais no piano e sim em um coração ferido. Ele pisa, mergulha e se funde com ele, rasga, acaricia, revira, solta e nos apresenta um disco de puro sentimento, cru, tão sem interferência que decidiu por não cerceá-lo com nomes. O disco é chamado apenas de "A/B", um título que se limita a forma como ele está organizado, com Lado A e Lado B, e deixa livre o ouvinte para suas próprias imersões. Uma obra tão intensa que deve ser ouvida de uma vez só e com longa pausa para a segunda audição.

Logo de partida, A/B nos carrega para um lugar desconhecido e abre a porta do porão onde guardamos (escondemos?) inúmeras sensações. É um convite e caso o ouvinte se apodere do medo é prudente parar por aí, porque Vitor vai mais fundo e já avisa nos títulos das quatro faixas do lado A: Solidão n.1, Solidão n.2, Solidão n.3 e Solidão n.4.

Nas músicas seguintes o sentimento é revirado de um lado para o outro e para o outro para que se expresse e desentranhe de tantos sustos. Araújo solta as amarras do coração que pisa e gradativamente o liberta. Sem julgamentos e de mãos dadas sobe as escadas do porão com uma técnica precisa, vai até a porta já aberta e o apresenta ao mundo como é: debilitado, raivoso, pulsante, vivo… e então inicia o Lado B.

No Lado B ouvimos o sentimento liberto, que oscila, transcende, grita, se expressa como um grito engasgado por décadas ou um sussurro proibido por séculos. Nesse parte Vitor agrega grandiosos convidados como Naná Vasconcelos, na releitura da música Jongo, de Lorenzo Fernandez, e na música Veloce de Claude Bolling com o grupo Rivotril. Aliás, as duas únicas faixas que não são de autoria do próprio artista.

A/B conta ainda com uma poema sonoro do multi instrumentista Yuri Queiroga no final da música Baião e termina de forma inesperada com o grupo de rock instrumental Macaco Bong com a composição Pulp. Além da doutoura em piano erudito pela UFRGS Stefanie Freitas que interpreta a Solidão n.4 e de Guizado, que participa da Solidão n.3 com seu trompete.

Como não podia deixar de ser, o álbum sai de forma independente. Gravado entre Recife, Rio de Janeiro e São Paulo foi mixado por Buguinha Dub e teve a arte gráfica feita pelo artista plástico Raul Luna.

Vitor Araújo já foi considerado um menino prodígio no início da carreira por conta da extrema habilidade no piano. Cresceu em idade e desenvoltura, circulou, lançou o DVD Toc, conquistou público, novos amigos, ganhou prêmios, passeou pela imprensa e televisão nacional, construiu um admirável currículo. Currículo que sem pestanejar larga no canto para jogar-se em uma aventura artística, para fundir-se em um coração cheio de feridas e delas produzir arte.

O destemor dos artistas que marcam um tempo.
"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…