Pular para o conteúdo principal

Vamos ouvir: Lembra?, de Rafael Castro

Lembra? (2012) - Rafael Castro



Não consegue visualizar o player? Ouça aqui

Release de Nina Lemos, repórter especial da TPM, disponível no site de Rafael Castro:

"

“LEMBRA?” Lembro. Foi há um ano, No Studio SP. Rafael Castro fazia uma pequena participação em um show. Ao meu lado, o compositor Péricles Cavalcanti começou a ter um ataque: “Olha o Rafael, olha o Rafael, isso é rock and roll!”. Não sabia ainda o quanto rock and roll aquele cara com pose setentista podia ser. Mas é. Rafael Castro, o menino de 26 anos que lança seu oitavo (atenção, eu disse oitavo!) disco é um punk caipira.

Prova: esse é seu primeiro disco que você vai poder segurar na mão. Os outros foram lançados na Internet. Esse é o seu primeiro álbum, huum, físico. Rafael reúne em “Lembra” 14 canções de rock com letras de um cronista melancólico, que olha para o mundo e suas desgraças e ri com o canto da boca.

O cronista de Lençóis Paulista é um personagem contador de histórias. Ele vê, em seu passeio “A Menina Careca”. “A menina careca/na quimioterapia/ Desconfia da cura/ com quimioterapia”, um “Surdo Mudo”, “Eu fico olhando aquele surdo mudo/tentando descobrir o que se passa/em sua cabeça sem barulho”. O mesmo trovador punk passeia em um mundo cheio de informação, gente “descolada’, hype (don´t believe, porque Rafael não acredita) e continua sorrindo desconfiado. “Até ouvi um papo de moda/De algo que cê viu na televisão/Não sei se é roupa ou remédio/Devia ser importante pra dedéu./Eu só conseguia dizer: ah, é? Ah, tá...”.

Agora, deixe as letras de lado e LEMBRA, Rafael Castro gravou todos os instrumentos desse disco, que também foi produzido por ele, em um estúdio que mantém na casa dos pais em Lençóis Paulista. Sim, ele fez tudo, tudo, tudo. Cantou, escreveu, tocou, gravou. E também quebrou palcos e guitarras. “Eu agora tenho uma banda para fazer shows, não adianta, sempre quebro uma guitarra, e já quebrei palco também”, ele conta, com o jeito calmo do punk caipira. E quem arruma as guitarras? Quem? Ele mesmo.

Rafael faz tudo, como bom adepto da filosofia do “faça você mesmo”. Mas também sabe que os amigos são importantes. O disco tem participação de alguns dos principais nomes da cena paulista, como Tulipa Ruiz, Leo Cavalcanti, Pélico, Christian Camilo e Mauricio Pereira.

Mas não, Rafael não faz parte de nenhuma cena. Ele é o trovador punk caipira de Lençóis Paulista que compõe uma musica atrás da outra, para depois cantar com ironia fina. Rafael Castro é rock and roll.
"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…