Pular para o conteúdo principal

Vamos ouvir: A Eletrônica e Musical Figuração das Coisas, da Isadora

A Eletrônica e Musical Figuração das Coisas (2011) - Isadora



Não consegue visualizar o player? Ouça aqui

Release do CD, disponível no site da banda Isadora:

"

Em um tempo em que as fronteiras artísticas, diferenças de estilo, vertentes e tendências cada vez mais se confundem, misturam-se e se rearranjam, A eletrônica e musical figuração das coisas é o resultado de misturas improváveis. Versos do Alcorão entoados ao lado de um cello; sax sobre a marcação de tambores de candomblé; coro de crianças em uma canção que fala sobre morte ao som de um kazoo; um brega estilizado junto com um instrumental computadorizado e um dub para dançar devagar; português, espanhol, inglês; samples, texturas, ruídos urbanos não são todos esses elementos de diversos discos de diferentes culturas, mas de apenas um, o primeiro álbum da banda carioca Isadora.

O que pode parecer à primeira vista um amplo experimento, testes, projeto piloto, é na verdade o resultado de um trabalho de lapidação que mais lembra o acabamento de esculturas barrocas, repleto de nuances, detalhes quase invisíveis, inaudíveis, um disco para ser visto atentamente com lupa nos ouvidos. Em muito, esse detalhamento se deve aos arranjos quase sempre complexos, com muitas camadas de sons e elementos sonoros sobrepostos para formarem uma coesão harmônica e melódica que dão vida às canções do disco.

Outra característica marcante do trabalho é que, sem uma feição que permita identificá-lo em apenas um estilo musical, as aproximações com estilos definidos são sempre ambíguas. A melancolia e certa angústia de muitas faixas ganham contraposição à vida e luminosidade. Letras autorais e empréstimos de poetas com os quais a banda se identifica, além de inserções de ruídos urbanos e texturas eletrônicas fecham as principais características do álbum. 

Apesar de tantas características que poderiam dar ao disco um ar de inovação, Isadora prefere identificá-lo como o resultado da capacidade inventiva de seus integrantes na busca por algo novo em estilo, mas repleto de referências ao que já é conhecido ou popular. A eletrônica e musical figuração das coisas é uma espécie de quebra-cabeças em construção, composto por peças de muitas imagens diferentes.

O nome Isadora é tanto inspiração como homenagem à bailarina norte-americana Isadora Duncan, precursora do que hoje se conhece como dança moderna. Em seu primeiro álbum, Isadora buscou os elementos da experiência vanguardista da bailarina para produzir uma música de movimentos improváveis, mas harmonicamente belos. Sua formação compreende hoje o carioca Bruno Cosentino [voz, violão e guitarra]; o colombiano/costa-riquenho/brasileiro Andrés Patiño [violão e guitarra]; Bernardo Prata [baixo]; Gabriel Carneiro [bateria]; e Pedro Tié [texturas eletroacústicas e piano]. Entre as principais influências da banda estão Radiohead, Caetano Veloso, Tom Jobim, Dorival Caymmi, Bach, John Coltrane, Erik Satie, Funk Carioca, Piazzola, Avishai Cohen etc etc etc.

"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…