Pular para o conteúdo principal

Pílulas: A noite em que nós todos fomos felizes, de Marcio Matos

Marcio Matos (foto: Divulgação - interferida por Mirdad)


"Mesmo espremida entre os fiéis, nunca passava despercebida. Adorava os encontrões e o esforço que muitos faziam para tocar seu cabelinho cor de fumaça, 'presságio de Nossa Senhora cacheadinho nas pontas'. A expressão oca e estranha servia para dona Milu alardear a pureza da filha. A maioria dos habitantes do alto do Bonfim, as velhas beatas e os jogadores de dominó concordavam e faziam questão de cumprimentar Marianinha no meio do aperto. Era um gesto de respeito 'à virgem', 'à noviça' e, apesar de roçarem despudoradamente no seu traseiro, os homens baixavam a cabeça em sinal de respeito. A menina, eles sempre ouviam dos vendedores de fita, estava 'reservada para os anjos'"


"A tarde estava penumbrosa e ela se deitou numa cama de massagem do Jardim de Alá para tentar esquecer de si e do marido. A massagista dizia dezenas de frases de autoajuda, que lhes reviravam o estômago, mas, ao mesmo tempo, tonificavam suas ideias. Tratava-se de uma vingança sórdida da gorducha e Laura concluiu que não existia desprendimento. Tudo que ela e as outras pessoas faziam continha boa dose de mesquinhez. Aquela gorda sabia que ninguém é feliz fazendo massagens no Jardim de Alá, nem quem executa, nem quem recebe"


"Desde quando ser esposa é vantajoso?, ele a provocava"


"Ser forasteiro e agnóstico nunca lhe pareceu um grande problema. Pelo contrário. O comportamento errático o protegia dos perigos da autopiedade e pavimentava atalhos para a realização de desejos vedados à maioria das pessoas"


"Qualquer homem precisa de amantes e elas devem permanecer quietinhas, na sombra. Nada de exigências nos fins de semana ou de indisposições na cama"


Marcio Matos
(P55 - 2014)



"Se o telefone chamar, aumentarei o som até obstruí-lo. Sou covarde demais para enlouquecer. Tenho a mania de representar pros outros um certo histrionismo romântico, que não é nada verossímil, mas que me livra de aporrinhações inquisidoras do tipo 'oh, o que faz de você essa pessoa tão estranha?' Não, não atenderei nenhuma ligação. Melhor sair para jogar uma pelada no campo de barro da ruinha e, do gol, mirar a paisagem da cidade até desperdiçá-la. Depois, voltar para casa, colocar Mac Arthur no volume máximo e só lembrar da noite em que nós todos fomos felizes"


"Ivan não desperdiçava oportunidades de conversar com sua jovem musa. Mantinha um espelhinho na prateleira central da barraca que refletia a mesa onde as ajudantes de padre Walter costumavam se sentar. Estrategicamente posicionado, o objeto indicava o momento ideal para uma abordagem. Quando Marianinha deslizava o canudo da coca-cola sobre a mesa, o tempo estava ocioso. E Ivan sabia: o ócio é confidente da sacanagem"


"Sempre achou que a vida poderia ser cartesianamente administrada, como uma planilha do Excel. Duas mulheres ocupavam seu tempo, oferecendo experiências distintas e indispensáveis e ele, onipotente em sua pose de controlador de voos, tentava conduzir a situação de modo a compensar as expectativas de ambas. As de Luiza sempre lhes pareciam plenamente atendidas. Tereza, por outro lado, passava oito horas do dia com ele, chegando a viajar para São Paulo e para o exterior na rubrica de esposa. Era a mulher corporativa, com a vantagem de não ter que se preocupar com as atribulações do lar. Isnard não entendia porque pessoas na condição dela ainda se impunham obrigações formais, porque desejavam a prisão das certidões"


"Havia uns dois minutos, o sacana desaparecera na festa, cínico e sem nenhum peso na consciência. 'É, acabou mesmo. Nem transar com você eu quero mais. Você é até gostosinha, mas meu pau não sobe mais com você'"


"Não deveria ser assim na maturidade, ele pensa. Casos de adultos, sobretudo os extraconjugais, se resolvem em motéis, já havia dito a Tereza. Acreditava em casamento e em poligamia clandestina. Não entendia outra forma de amar"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…