Pular para o conteúdo principal

Na produção do livro Muralha: Parte I - ok

Muralha por Minêu


Hoje, 24 de outubro, concluí, de fato, a Parte I de Muralha (o meu primeiro romance), intitulada Mudinho, com 14 capítulos e um total de 56 páginas de Word escritas. Nessa etapa, entre 2013 e 2014, investi 89 horas e 25 minutos de trabalho em 33 dias (média de quase três horas por dia), quase todos em Salvador – exceto dois dias em Porto Alegre e um dia em Florianópolis, na honra de escrever na casa do amigo e referência Tabajara Ruas.

A Parte I de Muralha (a história do goleiro que nunca tomou gol), conta a trajetória do tirador de coco e pescador Mudinho, no RG José Santos, de Caraíva a Porto Seguro, onde foi jogar pela seleção da cidade na fase final do campeonato amador. Suas defesas na final (e semifinal) garantiram o título inédito para o time porto-segurense. Acaba sendo contratado para jogar em um grande time de Salvador.

Nessa parte, revelo a origem de Muralha, filho de pai desconhecido, mãe morta meses após o parto (foi criado no orfanato, mas essa fase só mais à frente), sem ninguém no mundo que soubesse de seus parentes, e todas as suas estranhas idiossincrasias. Apresento o antagonista Marceleza, o índio goleador e marginal, e o coadjuvante Sanfilippo, dirigente da seleção amadora, que será o futuro empresário do surreal goleiro.

A ideia do personagem principal, orbitava em minha cabeça há tempos, mas somente em 2012 foi esquematizada num rascunho. Conversei com alguns amigos sobre o enredo ao longo dos meses, fiz uma pesquisa/sondagem com amigos jornalistas esportivos, como Ivan Marques e Darino Sena, e fiquei trabalhando mentalmente apenas. Só fui começar a escrever mesmo em junho de 2013, quando elaborei todo o esqueleto da história e levei a produção até o final de julho do mesmo ano, concluindo a primeira versão da Parte I.


O rosto e a cor da pele do personagem Muralha são iguais às 
do ator Djimon Hounsou quando jovem. Foto: Internet


Veio então a Flica 2013, a preguiça do final de ano, a produção e o lançamento do livro de poemas Nostalgia da lama em 2014, as regravações da minha banda The Orange Poem e a produção do novo livro de contos O grito do mar na noite, que deverá ser lançado em dezembro deste ano (será?). Muralha foi protelado.

Mesmo com uma nova Flica em pré-produção, retomei o romance em outubro de 2014, revisando a Parte I, alterando vários trechos, refazendo e corrigindo. Agradeço aos amigos escritores: Carlos Henrique Schroeder, pelo toque em refazer o capítulo I, que realmente estava muito fraco para uma abertura; Aurélio Schommer, pela dica de evitar o excesso de informação sobre a família do coadjuvante da trama; Mayrant Gallo, para evitar vínculos com clubes de futebol (irá servir para a próxima parte).

Deletei o esqueleto do enredo montado em 2012, sem dó. Desvinculei Muralha das Olimpíadas de 2012 e da Copa do Mundo de 2014 e ainda não defini o rumo que tomarei – após a Flica farei.

Aláfia! O trabalho, prazeroso e doloroso, segue.

Caricatura: Muralha na seleção de Porto Seguro, por Minêu

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…