Pular para o conteúdo principal

Cinco passagens de Carlos Barbosa em Beira de rio, correnteza

Carlos Barbosa em 2012 - Foto daqui


"Gero passeava o olhar do pai para o irmão, ambos cabisbaixos, silenciosos e tristes, enquanto a mãe retirava os pratos da mesa e servia o café a fumegar no bule. O amor familial, às vezes, veste trajes funéreos, escava fossos tremendos e dispara galope em direções opostas, quando tudo que ambiciona é estender braços e olhares sobre uma mesa de jantar e deixar escapar a verdade que o encorpa, pois todo o resto desimporta à sua existência incondicional. Gero não sabia que diante dele, pai e filho tornavam-se dois homens parelhos sentados à mesma mesa de uma mesma casa, ou seja, tornavam-se uma impossibilidade."


"O rio trazia vida, sempre. A correnteza levava vidas. O rio propiciava riquezas. A correnteza as destruía. O rio era o caminho, a correnteza era a perdição. O rio era abençoado, e a correnteza, proibida. (...) Era assim a correnteza: aqui não existia, ali arrastava com violência. Ao encontrar um obstáculo, ela que até aquele ponto era suave ninho tomava-se então de fúria repentina e rugia, levantando águas, fazendo o contorno em espumas, arrancando, balançando, trincando, arrastando, matando. (...) Gero assim soube que a correnteza era uma entidade cheia de força e vontade. À distância, era lisa e bela; de perto, ao ser tocada com a mão, ou pé, agitava-se lâmina fina e cortante; de dentro dela, sentia-se sua força bruta, arrojada e violenta."


"A impressão de mundo que Gero construía, a partir de sua família, semelhava a um violão e suas cordas. Umas careciam das outras para produzir melodia harmoniosa, mas precisavam estar afinadas, sempre e sempre afinadas. Com uma diferença brutal: aqui, a corda rompida não podia ser substituída. Não se tirava Toninho da gaveta e se ajustava na tarraxa da casa. A corda rompida na família representava um túmulo no cemitério, a lembrar sua falta na canção diária, defeituosa. E nem mesmo isso Toninho deixara. As pontas da corda rompida ficaram penduradas em total desamparo. Tornara-se vazio assombroso, ausência completa."


"Como conseguira escapar da boiada não passava por sua cabeça, era algo remoto, incidente de pouca monta, a não ser por ter se constituído em motivo do encontro com a moça ao saltar para dentro do quintal. Nesse aspecto não se detinha. Remava era das mãos para os seios, dos seios para os cabelos, dos cabelos para a boca, da boca para a escuridão de seus próprios olhos fechados, e dessa escuridão para o sentir repetido do hálito da moça em suas feridas. E remava de volta, a bater cada lembrança com delicadeza na lâmina daquele dia para não respingar para fora da cama, para não ser ouvido sequer pelos fantasmas, muito menos pelos pais no quarto ao lado."


"(...) Zé Dugogue desceu a primeira vez, como dizem os barranqueiros. Subiu, olhos esbugalhados, boca aberta, braço direito alevantado a apontar algum dos seus navios atracado em nuvem. Bateu braços. Desceu a segunda vez, agora em meio ao vozeio decrescente da turba em cima do cais e as providências que alguns assistentes da beirada do rio adotavam. Uma canoa foi empurrada para a água. Três deles remaram na direção de Zé Dugogue, que subira de novo, agora com os dois braços alevantados como se pretendesse alcançar alguma âncora estelar. A canoa aproximava-se dele quando desceu pela terceira vez, a vez última, assim dita e sabida, da qual não se retorna, pois até para se morrer afogado é necessário cumprir regra trídua, uma ao Pai, outra ao Filho e mais uma ao Espírito Santo."








Presente em Beira de rio, correnteza (Bom Texto/2010), páginas 45, 21/25, 67, 39-40 e 122-123, respectivamente.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…