Pular para o conteúdo principal

Original do livro de contos Olhos abertos no escuro

Original de Olhos abertos no escuro


Ontem, 31 de agosto de 2015, concluí o original de Olhos abertos no escuro, o meu próximo lançamento (a produção literária foi finalizada no último dia 10/08, e a revisão foi feita por Acácia Magalhães e por mim). O livro é composto por 18 contos curtos do inédito Paisagem da insônia e mais os 12 melhores contos do Abrupta sede, lançado em 2010, que foram revisados e reescritos (atualmente desconsidero esse meu primeiro livro, que foi feito numa época não profissional).

O título Olhos abertos no escuro foi retirado de uma passagem do conto Gravidade, do escritor e mestre Mayrant Gallo, presente no livro O inédito de Kafka (Cosac Naify, 2003). Assim como fiz no livro de contos O grito do mar na noite (Via Litterarum/2015), em que prestei uma homenagem ao escritor e mestre Hélio Pólvora, agora homenageio o amigo Mayrant, e trago uma epígrafe dele abrindo cada um dos meus 30 contos em Olhos abertos no escuro.

Formando o meu contexto para a criação do livro, li Mayrant Gallo, Hélio Pólvora, Nelson Rodrigues, Anton Tchekhov, Dino Buzzati, Guy de Maupassant e Gonçalo M. Tavares. E o escrevi ao som do Hammock, duo norte-americano de ambient e post-rock.

A previsão de lançamento do livro é para o começo de 2016.

O posfácio do livro foi feito pelo escritor e jornalista Carlos Barbosa, autor de Obscenas e Beira de rio, correnteza, entre outros. Já a orelha é do escritor e roteirista Victor Mascarenhas, autor de A insuportável família feliz e Cafeína, entre outros.

Eu investi 263h e 01min em 100 dias, um trabalho que começou em agosto de 2006, e percorreu os anos de 2007 a 2010, 2012, 2014 e 2015.

Contabilidade:

Produção literária: 171h | 60 dias

1ª fase – 2006 (agosto, setembro e novembro) – 23h e 25min | 06 dias
2ª fase – 2007 (janeiro e maio) – 40h e 05min | 12 dias
3ª fase – 2008 (abril) – 05h | 03 dias
4ª fase – 2012 (novembro e dezembro) – 01h e 15min | 03 dias
5ª fase – 2014 (novembro) – 04h e 30min | 02 dias
6ª fase – 2015 (janeiro a abril + julho) – 96h e 45min | 34 dias

Revisão: 80h e 56min | 38 dias

1ª fase – 2008 (outubro) – 10h e 30min | 06 dias
2ª fase – 2009 e 2010 (dezembro e janeiro) – 17h | 11 dias
3ª fase – 2010 (abril) – 09h e 30min | 02 dias
4ª fase – 2015 (janeiro, maio, junho e agosto) – 43h e 56min | 19 dias

Pesquisa, edição e outros: 11h e 05min | 02 dias em 2015

Olhos abertos no escuro é a minha despedida dos contos, pois só me dedicarei aos romances a partir de agora.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…