Pular para o conteúdo principal

Flica 2016 — Balanço do curador e cobertura do BATV, G1 e Bahia Notícias

O curador da Flica, Emmanuel Mirdad, na abertura da 6ª edição do evento,
quinta, 13 de outubro, em Cachoeira, Bahia. Foto: Egi Santana.

Emmanuel Mirdad, o curador e coordenador geral da Flica, estima que 35 mil pessoas passaram pelo evento durante os 4 dias. “Foi um grande sucesso. Atingimos um belo grau de satisfação. As pessoas elogiaram a programação tanto da Flica quanto da Fliquinha e lotaram todos os dias. Todas as mesas estavam lotadas e isto nunca tinha acontecido na Flica. Além disso, tivemos maior participação da comunidade local, com o espaço Educar Para Transformar, biblioteca móvel e outras ações. A Flica está no auge”, afirmou.

Mirdad destacou ainda a mesa que abriu a sexta edição da festa, dedicada exclusivamente a um livro e que reuniu a escritora Mary Del Priore e o secretário Jorge Portugal; e o encerramento, com o Caruru dos 7 Poetas, trazendo um novo conceito: evento dentro do evento.

Para Mirdad, a mesa com Conceição Evaristo e Alex Simões “foi a mais emocionante de todos os tempos. As pessoas estavam aos prantos ao final”. O curador destacou ainda a mesa que reuniu Antonio Prata e Juan Gabriel Vásquez e a que trouxe a grande homenageada desta edição: Ana Maria Machado. “Além disso, tivemos a honra de ter o professor Kabenguele Munanga”, ressaltou.

Cobertura do BATV

Entrevista para o BATV de 13/10/2016.


Não consegue visualizar o player? Clique aqui

Link original, com mais qualidade, no site do telejornal aqui

Entrevista para o BATV de 15/10/2016.


Não consegue visualizar o player? Clique aqui

Link original, com mais qualidade, no site do telejornal aqui

Cobertura do G1
Fotos: Egi Santana

Mesa 01 - Mary del Priore - Leia aqui

Mesa 02 - Maria João Amado e Jailma Pedreira - Leia aqui

Mesa 03 - Eduardo Spohr e Scarlet Rose - Leia aqui

Mesa 04 - Milton Hatoum e João Filho - Leia aqui

Mesa 05 - Ana Maria Machado - Leia aqui

Mesa 06 - Juan Gabriel Vásquez e Antônio Prata - Leia aqui

Mesa 07 - Ângela Vilma e Ana Martins Marques - Leia aqui

Mesa 08 - Conceição Evaristo e Alex Simões - Leia aqui

Mesa 09 - Kabengele Munanga e Goli Guerreiro - Leia aqui

Mesa 10 - Caruru dos 7 Poetas - Leia aqui

Bahia Notícias
Fotos: Ailma Teixeira

Mesa 01 - Mary del Priore - Leia aqui

Mesa 02 - Maria João Amado e Jailma Pedreira - Leia aqui

Mesa 03 - Eduardo Spohr e Scarlet Rose - Leia aqui

Mesa 04 - Milton Hatoum e João Filho - Leia aqui

Mesa 05 - Ana Maria Machado - Leia aqui

O curador fala sobre a ausência da programação juvenil 
Leia aqui

Mesa 06 - Juan Gabriel Vásquez e Antônio Prata - Leia aqui

Papo com a Ana Martins Marques - Leia aqui

Papo com a Conceição Evaristo - Leia aqui

Destaque do público - Leia aqui

Comércio aquecido - Leia aqui

O curador faz um balanço - Leia aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Pílulas: Provérbios, de Mãe Stella de Oxóssi

Mãe Stella de Oxóssi (foto: Iraildes Mascarenhas - interferida por Mirdad)

"Criar desculpas para os próprios atos é a melhor maneira de permanecer no erro"


"Quem está vinculado ao sagrado, não deve mentir em seu nome"


"Fé não se impõe"


"Quem desdenha dos defeitos alheios está exibindo os seus"


"Às vezes se precisa perder pouco, para não perder tudo"


"O caminho espiritual pode ser comunitário, porém é sempre solitário"


Provérbios Mãe Stella de Oxóssi (2007)

"O que o destino disser que é, ninguém terá força para dizer que não é"


"Saber morrer faz parte do saber viver"


"Não é sábio aquele que se acha sabido"


"A presença do 'se' mostra a impossibilidade de realização dos desejos"


O provérbio diz: "Não há Orixá como o estômago, pois recebe sacrifícios diariamente". Mãe Stella de Oxóssi interpreta: "O estômago é como uma divindade, precisa ser respeitado e cuidado"

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…