Pular para o conteúdo principal

Emmanuel Mirdad conclui o seu primeiro romance: Miwa — A nascente e a foz

A imagem acima é meramente ilustrativa, e não é a capa do livro,
que ainda não tem data para ser publicado.


Hoje, 27 de outubro de 2016, após 1.023 horas e 25 minutos, transcorridos em 265 dias, espaçados entre os anos de 2012 e 2016, Emmanuel Mirdad conclui o seu primeiro romance, Miwa — A nascente e a foz, a finalizar a escrita e a revisão, no total de 71.097 palavras e 211 páginas de Word.

O livro é feito ao som da banda islandesa Sigur Rós, quase completamente, mas também há participação da jamaicana Culture, da inglesa Radiohead, e do duo norte-americano Hammock.

A produção da ficção começa numa terça-feira, 17 de julho de 2012, a partir do esboço de duas páginas sobre o goleiro que nunca toma gol. Dos quatro anos de trabalho, 2015 e 2016 são os principais, quando a produção é realmente efetiva, as cenas de futebol são consolidadas, o enredo fantástico é assumido e o romance toma a forma e o estilo definitivos, a enfocar a jornada da jovem Miwa.

O local da forja é o apartamento 703-B, localizado no bairro da Pituba, cidade de Salvador, capital da Bahia, Brasil, exceto em cinco oportunidades.


Original do romance - Foto: Sarah Fernandes


Pelas dicas, palpites e orientações, o autor agradece a: Sarah Fernandes, Carlos Barbosa e Flávio Bustani (2016); Victor Mascarenhas, Fabrício Mota, Mayrant Gallo, Filipe Sousa, Daisy Andrade, Elieser Cesar, Márcio Cavalcante e Lorena Hertzriken (2015); Tom Correia, Sara Galvão e Gustavo Castelucci (2014); Darino Sena, Ivan Dias Marques, Tabajara Ruas, Aurélio Schommer e Carlos Henrique Schroeder (2013); Ana Gilli (2012).

O romance é dedicado à mãe e à irmã do autor, Martha Anísia e Kátia Moema, à primeira leitora, a fotógrafa Sarah Fernandes, e à memória de Ildegardo Rosa (1931-2011) e André Setaro (1950-2014), pai e professor do autor, e do escritor Hélio Pólvora (1928-2015). Emmanuel Mirdad ainda agradece a Mandela: "Tata Madiba, sem o teu exemplo, não haveria Miwa. Nelson Mandela eterno! Aaah! Dalibhunga!"


Original do romance


Comentários

Mirdad disse…
Hoje, 13 de novembro, modifiquei a estrutura dos últimos capítulos, totalizando 1.024 horas, transcorridas em 266 dias, espaçados entre os anos de 2012 e 2016, no total de 71.058 palavras e 212 páginas de Word.
Mirdad disse…
Hoje, 27 de janeiro de 2017, terminei o romance de fato, totalizando 1.102 horas, transcorridas em 285 dias, espaçados entre os anos de 2012 e 2017, no total de 66.167 palavras e 206 páginas de Word.

Pelas dicas, palpites e orientações, agradeço a: Wesley Correia, Mônica Menezes, Gabriela Leite e Eli Campos (2017); Sarah Fernandes, Carlos Barbosa, Mary del Priore e Flávio Bustani (2016); Victor Mascarenhas, Fabrício Mota, Mayrant Gallo, Filipe Sousa, Daisy Andrade, Elieser Cesar, Márcio Cavalcante e Lorena Hertzriken (2015); Tom Correia, Sara Galvão e Gustavo Castelucci (2014); Darino Sena, Ivan Dias Marques, Tabajara Ruas, Aurélio Schommer e Carlos Henrique Schroeder (2013); Ana Gilli (2012).

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Pílulas: Provérbios, de Mãe Stella de Oxóssi

Mãe Stella de Oxóssi (foto: Iraildes Mascarenhas - interferida por Mirdad)

"Criar desculpas para os próprios atos é a melhor maneira de permanecer no erro"


"Quem está vinculado ao sagrado, não deve mentir em seu nome"


"Fé não se impõe"


"Quem desdenha dos defeitos alheios está exibindo os seus"


"Às vezes se precisa perder pouco, para não perder tudo"


"O caminho espiritual pode ser comunitário, porém é sempre solitário"


Provérbios Mãe Stella de Oxóssi (2007)

"O que o destino disser que é, ninguém terá força para dizer que não é"


"Saber morrer faz parte do saber viver"


"Não é sábio aquele que se acha sabido"


"A presença do 'se' mostra a impossibilidade de realização dos desejos"


O provérbio diz: "Não há Orixá como o estômago, pois recebe sacrifícios diariamente". Mãe Stella de Oxóssi interpreta: "O estômago é como uma divindade, precisa ser respeitado e cuidado"

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…