Pular para o conteúdo principal

Emmanuel Mirdad conclui o seu primeiro romance: Miwa — A nascente e a foz

A imagem acima é meramente ilustrativa, e não é a capa do livro, que ainda não tem data para ser publicado.


Hoje, 27 de outubro de 2016, após 1.023 horas e 25 minutos, transcorridos em 265 dias, espaçados entre os anos de 2012 e 2016, Emmanuel Mirdad conclui o seu primeiro romance, Miwa — A nascente e a foz, a finalizar a escrita e a revisão, no total de 71.097 palavras e 211 páginas de Word.

O livro é feito ao som da banda islandesa Sigur Rós, quase completamente, mas também há participação da jamaicana Culture, da inglesa Radiohead, e do duo norte-americano Hammock.

A produção da ficção começa numa terça-feira, 17 de julho de 2012, a partir do esboço de duas páginas sobre o goleiro que nunca toma gol. Dos quatro anos de trabalho, 2015 e 2016 são os principais, quando a produção é realmente efetiva, as cenas de futebol são consolidadas, o enredo fantástico é assumido e o romance toma a forma e o estilo definitivos, a enfocar a jornada da jovem Miwa.

O local da forja é o apartamento 703-B, localizado no bairro da Pituba, cidade de Salvador, capital da Bahia, Brasil, exceto em cinco oportunidades.


Original do romance
Foto: Sarah Fernandes


Pelas dicas, palpites e orientações, o autor agradece a: Sarah Fernandes, Carlos Barbosa e Flávio Bustani (2016); Victor Mascarenhas, Fabrício Mota, Mayrant Gallo, Filipe Sousa, Daisy Andrade, Elieser Cesar, Márcio Cavalcante e Lorena Hertzriken (2015); Tom Correia, Sara Galvão e Gustavo Castelucci (2014); Darino Sena, Ivan Dias Marques, Tabajara Ruas, Aurélio Schommer e Carlos Henrique Schroeder (2013); Ana Gilli (2012).

O romance é dedicado à mãe e à irmã do autor, Martha Anísia e Kátia Moema, à primeira leitora, a fotógrafa Sarah Fernandes, e à memória de Ildegardo Rosa (1931-2011) e André Setaro (1950-2014), pai e professor do autor, e do escritor Hélio Pólvora (1928-2015). Emmanuel Mirdad ainda agradece a Mandela: "Tata Madiba, sem o teu exemplo, não haveria Miwa. Nelson Mandela eterno! Aaah! Dalibhunga!"


Comentários

Emmanuel Mirdad disse…
Hoje, 13 de novembro, modifiquei a estrutura dos últimos capítulos, totalizando 1.024 horas, transcorridas em 266 dias, espaçados entre os anos de 2012 e 2016, no total de 71.058 palavras e 212 páginas de Word.
Emmanuel Mirdad disse…
Hoje, 27 de janeiro de 2017, terminei o romance de fato, totalizando 1.102 horas, transcorridas em 285 dias, espaçados entre os anos de 2012 e 2017, no total de 66.167 palavras e 206 páginas de Word.

Pelas dicas, palpites e orientações, agradeço a: Wesley Correia, Mônica Menezes, Gabriela Leite e Eli Campos (2017); Sarah Fernandes, Carlos Barbosa, Mary del Priore e Flávio Bustani (2016); Victor Mascarenhas, Fabrício Mota, Mayrant Gallo, Filipe Sousa, Daisy Andrade, Elieser Cesar, Márcio Cavalcante e Lorena Hertzriken (2015); Tom Correia, Sara Galvão e Gustavo Castelucci (2014); Darino Sena, Ivan Dias Marques, Tabajara Ruas, Aurélio Schommer e Carlos Henrique Schroeder (2013); Ana Gilli (2012).
Emmanuel Mirdad disse…
Hoje, 07 de outubro de 2020, finalmente o romance foi concluído e lançado: https://elmirdad.blogspot.com/2020/10/livro-oroboro-baoba-2020-de-emmanuel.html

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Edson Gomes

Os discos e as músicas do cantor e compositor Edson Gomes são os meus prediletos e as que eu mais gosto dentre tudo que é feito de reggae no Brasil. No meado dos anos 1990, eu só ouvia Bob Marley & The Wailers o tempo inteiro, e foi o ilustre mestre cachoeirano quem despertou o meu interesse para outros sons além do gigante jamaicano. Fiquei fã de Edson Gomes antes de conhecer Burning Spear , Peter Tosh , Alpha Blondy , Gregory Isaacs e muitos outros. Foram os clássicos dele, e são muitos, muita música boa, arranjos excelentes, o sonzaço da banda Cão de Raça (adoro a timbragem e improvisos do guitarrista Tony Oliveira ), que me apresentaram a magia do Recôncavo Baiano , de Cachoeira , muitos anos antes da Flica . Na Seleta de hoje, as 42 músicas que mais gosto, gravadas por Edson Gomes & Banda Cão de Raça , presentes em seis álbuns : “ Resgate Fatal ” (1995), “ Campo de Batalha ” (1992), “ Recôncavo ” (1990), “ Apocalipse ” (1997), “ Reggae Resistência ” (1988) e “ Acor