Pular para o conteúdo principal

Cinco poemas de André Lemos no livro Coisas

André Lemos (foto: Dudu Assunção)


Janela
André Lemos

Abriu a janela no quadrante
E viu a estrela (planeta?) acima.
Abaixo, o vizinho cabisbaixo.
Sol, nascente, cegando o horizonte
E seu corpo o pulo
Freando

Da janela da sala
Dava para ver o mar;
Do quarto,
Apenas outras janelas;
Da cozinha, para apaziguar,
Tinha a visão das copas das árvores.
Da cobertura,
Sem janelas,
Apenas o céu azul.

“Onde vai engomado nesse terno preto?”,
Diz, mas não ouve o vizinho cabisbaixo.
Por que se esconde sob as árvores,
Esbelto?
Qual seria a sua estratégia?

Vai para outra janela
Para mudar o ângulo de visão,
Ampliar a extensão do olhar
Que participa da ação.

Naquele silêncio da manhã,
Algo passa ao sabor do vento
Tirando-o do torpor.
Mas, agora, não era
A janela do computador.

Na cobertura, ajustou o telescópio.
É noite e vê muitas estrelas.
Atesta, esta não é uma
Máquina do visível.
É certamente telecronos,
Que do tempo é dono.

Nessa abertura para o infinito,
Livre do confinamento,
O tempo passa, presente,
Como se não houvesse
Tempo nenhum.

Nada lá fora.
Tudo está fora,
Dói a visão dos prédios
Com janelas fechadas
Que mais parecem prisão.

Acede a memórias
Que não mais controla.
Entram as boas,
Que quer manter,
Mas não passam aquelas
Que fazem sofrer.

Desiste do mundo lá fora,
Puxa as cortinas,
Mas mesmo assim o som passa.
Uivos pelas frestas.
E o que se quer escondido
É revelado.

Com dor, lê Blanchot

O ruído do vento,
Apito rasgando a cortina.
Olha um papel caindo,
Bailando,
Levado pelo vento,
Passando,
Andar por andar,
Até se desmanchar
Na negra poça de mar.

Agora a cabeça
Para fora da janela,
Calcula seu corpo
No vazio dos 10 andares.
Com coragem ficou em pé,
Rodopiou, e partiu.

Sombra no chão a se espichar
Pelo efeito do sol.
Ampliada a imagem
De agora um gigante.

Mas tudo passa e
Pelo sol movente
A sombra agora desaparece
E recolhe-se ao nada.

Vrum, vrum,
Toc, toc,
Hum, hum,
Clap, clap,
Tchbum, tchbum

Não há mais sons
Daquelas histórias indecifráveis.
Agora é, se alguém olhar
Pela janela,
Apenas um ponto e mais nada.

--------

País
André Lemos

Como descreves
O teu país?
Cada dia mais quente,
Perigoso, infeliz.

As pessoas parecem
Não mais gostar
De viver
Nesse lugar.

--------

Ruído
André Lemos

Quer gritar,
Mas o barulho de fundo
Insuportável,
Eletrônico,
Torturante,
Não cessa
Nunca.

Quer ouvir os objetos,
Mas os ruídos
Adventícios,
Automobilísticos
Urbanísticos,
Musicais,
Internéticos,
Celulúricos,
Incessantes e onipresentes,
Embaralham
Tudo.

Fundo perturbador,
Ameaça permanente,
Barulho é droga do corpo.
Silêncio é alimento da alma.

Si lent,
Et violent,
Le silence
Épouvante.

--------

Poste
André Lemos

Garibaldo espera no poste
Com as costas apoiadas
Todos os dias,
Não se sabe quem, ou o quê.

Está lá, das 7 às 7:30,
Ohando seu celular,
Monitorando a carona e a vida
Dos outros, ou dos seus.

Não se sabe de onde vem,
Para onde vai, o que faz,
Ou mesmo se vai esperar
Quem prometeu e nunca vai chegar.

A única certeza que se tem
É que ele só está presente
Quando esse observador,
Assim como ele, vem ou não vem.

--------

Ser
André Lemos

Nascer, por outros passar.
Viver, encontrar.
Saber, olhar.
Criar, testemunhar.

Manter, entrelaçar.
Ser, perspectivar.
Sofrer, isolar.
Morrer, apagar.


Presentes no livro de poemas “Coisas” (Mondrongo, 2018), de André Lemos, páginas 67-70, 71, 47-48, 43 e 63, respectivamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Edson Gomes

Os discos e as músicas do cantor e compositor Edson Gomes são os meus prediletos e as que eu mais gosto dentre tudo que é feito de reggae no Brasil. No meado dos anos 1990, eu só ouvia Bob Marley & The Wailers o tempo inteiro, e foi o ilustre mestre cachoeirano quem despertou o meu interesse para outros sons além do gigante jamaicano. Fiquei fã de Edson Gomes antes de conhecer Burning Spear , Peter Tosh , Alpha Blondy , Gregory Isaacs e muitos outros. Foram os clássicos dele, e são muitos, muita música boa, arranjos excelentes, o sonzaço da banda Cão de Raça (adoro a timbragem e improvisos do guitarrista Tony Oliveira ), que me apresentaram a magia do Recôncavo Baiano , de Cachoeira , muitos anos antes da Flica . Na Seleta de hoje, as 42 músicas que mais gosto, gravadas por Edson Gomes & Banda Cão de Raça , presentes em seis álbuns : “ Resgate Fatal ” (1995), “ Campo de Batalha ” (1992), “ Recôncavo ” (1990), “ Apocalipse ” (1997), “ Reggae Resistência ” (1988) e “ Acor