Pular para o conteúdo principal

Ildegardo Rosa, 90 anos

Ildegardo Rosa em 1961 e 2011

Hoje, 22 de outubro, para mim, sempre será o dia do meu pai. Neste 2021, caso estivesse vivo, estaríamos celebrando 90 anos da sua existência. Mas ele permanece. Enquanto vida houver em mim, permanecerá.

O meu pai é a pessoa mais importante para mim. Uma multidão dos mais especiais. Um monte de gente reunida num só sorriso e afeto. Fico até encabulado de comentar, pois há tanta desgraça por aí, mas é preciso ser correto com o seu legado e registrar: sempre amigo, sempre irmão, pai o tempo inteiro, sempre esteve ao meu lado, parceiraço, me incentivando, investindo em todas as propostas que apresentei; nunca me tolheu, sempre me apoiou; seguro, amoroso, disposto, presente, engraçado, carinhoso e conselheiro, quando permitido (nunca invasivo ou descompensado), foi o homem mais generoso, honesto, honrado, íntegro, solidário e de coração imenso que já presenciei nessa existência.

Ildegardo Rosa (1931-2011) nasceu no último dia de Libra, em Tobias Barreto, Sergipe, quinto filho da forte Josepha com o inventor Joaquim, neto do coronel José Rosa (que dizem que inventou o sobrenome Rosa por gosto). Formou-se em Direito e Filosofia, teve diversos trabalhos (o avô morreu num naufrágio e deixou a família na pindaíba), de açougueiro a ilustrado mestre cooperativista, Petrobras, Furnas e Uneb, foi menino que amava andar nu como índio, pai de duas filhas e um filho, avô de dois casais de netos, galante sedutor dançarino, honrado marido da musicista baiana Martha Anísia, 50 anos de amor e cumplicidade.

Ildegardo Rosa com esposa, filhos, netos e genros,
comemorando os seus 80 anos em 2011 no Rio

O bravo sertanejo, que manteve o sotaque sergipano até o fim, foi poeta. Da gaveta do armário, resgatei os seus poemas (datilografados ou manuscritos), e em 2017, a minha mãe bancou a antologia póstuma “Mestre Dedé – O andarilho da ilusão” (Mondrongo, 2017), organizada por nós. E que, hoje, como presente, a celebrar os 90 anos de Ildegardo Rosa, disponibilizamos o livro de graça, para leitura e download aqui.

Caso alguém queira o livro físico, ainda restam 11 exemplares desta edição única, compre o seu (custa R$ 30,00 + frete) aqui: marthanisia@hotmail.com

Últimos 11 exemplares da primeira e única edição do livro “Mestre Dedé – O andarilho da ilusão”, de Ildegardo Rosa, publicada pela Mondrongo em 2017.

O poema do meu pai que eu mais gosto.
Ironicamente, 53 anos depois,
ele morreria em 13/12.

Capa completa do livro “Mestre Dedé – O andarilho da ilusão”, de Ildegardo Rosa, por Ulisses Góes para a editora Mondrongo.

E o meu pai amado, melhor amigo, irmão e mestre, também permanece com a sua voz singular, eternizado nessas canções minhas (todas disponíveis nas plataformas): “Illusion’s Wanderer” (parceria nossa, com os poemas dele), “El’eu”, “Fantoche” e “The Green Bee”. E ainda vai ter mais, em breve!

Grato por tanto, meu pai, celebraremos a sua vida, sempre! Os seus ensinamentos me guiam, sempre com a graça de ser o seu filhão-discípulo-irmão. Viva Mestre Dedé! Ildegardo Rosa para sempre!

-----------


Participações de Ildegardo Rosa
nas minhas composições


Voz principal
Autor da letra

Recita em 3 partes

Recita no final (6'05")

Recita no meio (1'39")

-----------

Ildegardo Rosa recita
o poema Sonhador

-----------

Posts sobre Ildegardo Rosa

Especial: Ildegardo Rosa
(1º post: três poeminhas)
Leia aqui

80 anos de Ildegardo Rosa: a despedida e o poema
(recordações do último niver)
Leia aqui

Até breve, meu pai.
(sobre a sua morte)
Leia aqui

1 mês sem Ildegardo Rosa
(santinho)
Leia aqui

Três poemas de Ildegardo Rosa
(para celebrar a poesia do Mestre Dedé)
Leia aqui

O sonhador, de Ildegardo Rosa
(para celebrar a poesia do Mestre Dedé)
Leia aqui

Livro Mestre Dedé – O andarilho da ilusão (2017), de Ildegardo Rosa
Leia aqui

Fotos do lançamento do livro
Mestre Dedé – O andarilho da ilusão
Veja aqui

Posfácio de Ildegardo Rosa para
o livro Nostalgia da lama
(muita honra para o meu livro)
Leia aqui

Modesta homenagem a um grande poeta
(poema de Tiganá Santana para Ildegardo Rosa)
Leia aqui

A carta da avó Josepha
(carta da mãe de Ildegardo Rosa)
Leia aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez passagens de Clarice Lispector nas cartas dos anos 1950 (parte 1)

Clarice Lispector (foto daqui ) “O outono aqui está muito bonito e o frio já está chegando. Parei uns tempos de trabalhar no livro [‘A maçã no escuro’] mas um dia desses recomeçarei. Tenho a impressão penosa de que me repito em cada livro com a obstinação de quem bate na mesma porta que não quer se abrir. Aliás minha impressão é mais geral ainda: tenho a impressão de que falo muito e que digo sempre as mesmas coisas, com o que eu devo chatear muito os ouvintes que por gentileza e carinho aguentam...” “Alô Fernando [Sabino], estou escrevendo pra você mas também não tenho nada o que dizer. Acho que é assim que pouco a pouco os velhos honestos terminam por não dizer nada. Mas o engraçado é que não tendo absolutamente nada o que dizer, dá uma vontade enorme de dizer. O quê? (...) E assim é que, por não ter absolutamente nada o que dizer, até livro já escrevi, e você também. Até que a dignidade do silêncio venha, o que é frase muito bonitinha e me emociona civicamente.”  “(...) O dinheiro s

Oito passagens de Conceição Evaristo no livro de contos Olhos d'água

Conceição Evaristo (Foto: Mariana Evaristo) "Tentando se equilibrar sobre a dor e o susto, Salinda contemplou-se no espelho. Sabia que ali encontraria a sua igual, bastava o gesto contemplativo de si mesma. E no lugar da sua face, viu a da outra. Do outro lado, como se verdade fosse, o nítido rosto da amiga surgiu para afirmar a força de um amor entre duas iguais. Mulheres, ambas se pareciam. Altas, negras e com dezenas de dreads a lhes enfeitar a cabeça. Ambas aves fêmeas, ousadas mergulhadoras na própria profundeza. E a cada vez que uma mergulhava na outra, o suave encontro de suas fendas-mulheres engravidava as duas de prazer. E o que parecia pouco, muito se tornava. O que finito era, se eternizava. E um leve e fugaz beijo na face, sombra rasurada de uma asa amarela de borboleta, se tornava uma certeza, uma presença incrustada nos poros da pele e da memória." "Tantos foram os amores na vida de Luamanda, que sempre um chamava mais um. Aconteceu também a paixão

Dez poemas de Carlos Drummond de Andrade no livro A rosa do povo

Consolo na praia Carlos Drummond de Andrade Vamos, não chores... A infância está perdida. A mocidade está perdida. Mas a vida não se perdeu. O primeiro amor passou. O segundo amor passou. O terceiro amor passou. Mas o coração continua. Perdeste o melhor amigo. Não tentaste qualquer viagem. Não possuis casa, navio, terra. Mas tens um cão. Algumas palavras duras, em voz mansa, te golpearam. Nunca, nunca cicatrizam. Mas, e o humour ? A injustiça não se resolve. À sombra do mundo errado murmuraste um protesto tímido. Mas virão outros. Tudo somado, devias precipitar-te — de vez — nas águas. Estás nu na areia, no vento... Dorme, meu filho. -------- Desfile Carlos Drummond de Andrade O rosto no travesseiro, escuto o tempo fluindo no mais completo silêncio. Como remédio entornado em camisa de doente; como dedo na penugem de braço de namorada; como vento no cabelo, fluindo: fiquei mais moço. Já não tenho cicatriz. Vejo-me noutra cidade. Sem mar nem derivativo, o corpo era bem pequeno para tanta