Pular para o conteúdo principal

Ildegardo Rosa, 90 anos

Ildegardo Rosa em 1961 e 2011

Hoje, 22 de outubro, para mim, sempre será o dia do meu pai. Neste 2021, caso estivesse vivo, estaríamos celebrando 90 anos da sua existência. Mas ele permanece. Enquanto vida houver em mim, permanecerá.

O meu pai é a pessoa mais importante para mim. Uma multidão dos mais especiais. Um monte de gente reunida num só sorriso e afeto. Fico até encabulado de comentar, pois há tanta desgraça por aí, mas é preciso ser correto com o seu legado e registrar: sempre amigo, sempre irmão, pai o tempo inteiro, sempre esteve ao meu lado, parceiraço, me incentivando, investindo em todas as propostas que apresentei; nunca me tolheu, sempre me apoiou; seguro, amoroso, disposto, presente, engraçado, carinhoso e conselheiro, quando permitido (nunca invasivo ou descompensado), foi o homem mais generoso, honesto, honrado, íntegro, solidário e de coração imenso que já presenciei nessa existência.

Ildegardo Rosa (1931-2011) nasceu no último dia de Libra, em Tobias Barreto, Sergipe, quinto filho da forte Josepha com o inventor Joaquim, neto do coronel José Rosa (que dizem que inventou o sobrenome Rosa por gosto). Formou-se em Direito e Filosofia, teve diversos trabalhos (o avô morreu num naufrágio e deixou a família na pindaíba), de açougueiro a ilustrado mestre cooperativista, Petrobras, Furnas e Uneb, foi menino que amava andar nu como índio, pai de duas filhas e um filho, avô de dois casais de netos, galante sedutor dançarino, honrado marido da musicista baiana Martha Anísia, 50 anos de amor e cumplicidade.

Ildegardo Rosa com esposa, filhos, netos e genros,
comemorando os seus 80 anos em 2011 no Rio

O bravo sertanejo, que manteve o sotaque sergipano até o fim, foi poeta. Da gaveta do armário, resgatei os seus poemas (datilografados ou manuscritos), e em 2017, a minha mãe bancou a antologia póstuma “Mestre Dedé – O andarilho da ilusão” (Mondrongo, 2017), organizada por nós. E que, hoje, como presente, a celebrar os 90 anos de Ildegardo Rosa, disponibilizamos o livro de graça, para leitura e download aqui.

Caso alguém queira o livro físico, ainda restam 11 exemplares desta edição única, compre o seu (custa R$ 30,00 + frete) aqui: marthanisia@hotmail.com

Últimos 11 exemplares da primeira e única edição do livro “Mestre Dedé – O andarilho da ilusão”, de Ildegardo Rosa, publicada pela Mondrongo em 2017.

O poema do meu pai que eu mais gosto.
Ironicamente, 53 anos depois,
ele morreria em 13/12.

Capa completa do livro “Mestre Dedé – O andarilho da ilusão”, de Ildegardo Rosa, por Ulisses Góes para a editora Mondrongo.

E o meu pai amado, melhor amigo, irmão e mestre, também permanece com a sua voz singular, eternizado nessas canções minhas (todas disponíveis nas plataformas): “Illusion’s Wanderer” (parceria nossa, com os poemas dele), “El’eu”, “Fantoche” e “The Green Bee”. E ainda vai ter mais, em breve!

Grato por tanto, meu pai, celebraremos a sua vida, sempre! Os seus ensinamentos me guiam, sempre com a graça de ser o seu filhão-discípulo-irmão. Viva Mestre Dedé! Ildegardo Rosa para sempre!

-----------


Participações de Ildegardo Rosa
nas minhas composições


Voz principal
Autor da letra

Recita em 3 partes

Recita no final (6'05")

Recita no meio (1'39")

-----------

Ildegardo Rosa recita
o poema Sonhador

-----------

Posts sobre Ildegardo Rosa

Especial: Ildegardo Rosa
(1º post: três poeminhas)
Leia aqui

80 anos de Ildegardo Rosa: a despedida e o poema
(recordações do último niver)
Leia aqui

Até breve, meu pai.
(sobre a sua morte)
Leia aqui

1 mês sem Ildegardo Rosa
(santinho)
Leia aqui

Três poemas de Ildegardo Rosa
(para celebrar a poesia do Mestre Dedé)
Leia aqui

O sonhador, de Ildegardo Rosa
(para celebrar a poesia do Mestre Dedé)
Leia aqui

Livro Mestre Dedé – O andarilho da ilusão (2017), de Ildegardo Rosa
Leia aqui

Fotos do lançamento do livro
Mestre Dedé – O andarilho da ilusão
Veja aqui

Posfácio de Ildegardo Rosa para
o livro Nostalgia da lama
(muita honra para o meu livro)
Leia aqui

Modesta homenagem a um grande poeta
(poema de Tiganá Santana para Ildegardo Rosa)
Leia aqui

A carta da avó Josepha
(carta da mãe de Ildegardo Rosa)
Leia aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Edson Gomes

Os discos e as músicas do cantor e compositor Edson Gomes são os meus prediletos e as que eu mais gosto dentre tudo que é feito de reggae no Brasil. No meado dos anos 1990, eu só ouvia Bob Marley & The Wailers o tempo inteiro, e foi o ilustre mestre cachoeirano quem despertou o meu interesse para outros sons além do gigante jamaicano. Fiquei fã de Edson Gomes antes de conhecer Burning Spear , Peter Tosh , Alpha Blondy , Gregory Isaacs e muitos outros. Foram os clássicos dele, e são muitos, muita música boa, arranjos excelentes, o sonzaço da banda Cão de Raça (adoro a timbragem e improvisos do guitarrista Tony Oliveira ), que me apresentaram a magia do Recôncavo Baiano , de Cachoeira , muitos anos antes da Flica . Na Seleta de hoje, as 42 músicas que mais gosto, gravadas por Edson Gomes & Banda Cão de Raça , presentes em seis álbuns : “ Resgate Fatal ” (1995), “ Campo de Batalha ” (1992), “ Recôncavo ” (1990), “ Apocalipse ” (1997), “ Reggae Resistência ” (1988) e “ Acor