Pular para o conteúdo principal

Os melhores versos de Renato Russo nos discos da Legião Urbana

Renato Russo (foto daqui)

A pandemia me fez revisitar a obra da Legião Urbana neste ano, em especial a vida e a obra de Renato Russo: li (e reli) biografias, escutei os discos, elaborei seletas, toquei as músicas em casa e até participei de lives com o amigo legionário Daniel. Daí, nas rosas do outubro que amo, finalmente fiz uma seleção com os versos que mais gosto do meu poeta predileto do rock nacional. Confira abaixo, divididos pelos oito discos de estúdio lançados pela Legião Urbana (Quer saber qual é a música de cada verso? Escute os discos e encontre!). Viva Renato Russo! Eterno!

Dois (1986)

“Quero ter alguém com quem conversar, alguém que depois não use o que eu disse contra mim”

“Quem me dera, ao menos uma vez, explicar o que ninguém consegue entender: que o que aconteceu ainda está por vir, e o futuro não é mais como era antigamente”

“Quem me dera, ao menos uma vez, que o mais simples fosse visto como o mais importante, mas nos deram espelhos e vimos um mundo doente”

“Quantas chances desperdicei, quando o que eu mais queria era provar pra todo o mundo que eu não precisava provar nada pra ninguém”

“Quem me dera, ao menos uma vez, provar que quem tem mais do que precisa ter quase sempre se convence que não tem o bastante e fala demais por não ter nada a dizer”

“Eu sei — é tudo sem sentido”

“Fiz questão de esquecer que mentir pra si mesmo é sempre a pior mentira”

“Sei que às vezes uso palavras repetidas, mas quais são as palavras que nunca são ditas?”

“Quem me dera, ao menos uma vez, fazer com que o mundo saiba que seu nome está em tudo e mesmo assim ninguém lhe diz ao menos obrigado”

“Deve haver algum lugar onde o mais forte não consegue escravizar quem não tem chance”

V (1991)

“Consegui meu equilíbrio cortejando a insanidade”

“Não acredito em nada além do que duvido”

“É a verdade, o que assombra; o descaso, o que condena; a estupidez, o que destrói. Eu vejo tudo o que se foi e o que não existe mais”

“Sou uma cópia do que faço. O que temos é o que nos resta. E estamos querendo demais”

“Este é o nosso mundo: o que é demais nunca é o bastante, e a primeira vez é sempre a última chance. Ninguém vê onde chegamos: os assassinos estão livres, nós não estamos”

“Vamos sair — mas não temos mais dinheiro. Os meus amigos todos estão procurando emprego. Voltamos a viver como há dez anos atrás, e a cada hora que passa, envelhecemos dez semanas”

“Sou um animal sentimental, me apego facilmente ao que desperta o meu desejo”

“E quando vejo o mar, existe algo que diz que a vida continua e se entregar é uma bobagem”

Uma Outra Estação (1997)

“Eu sou a lembrança do terror, de uma revolução de merda, de generais e de um exército de merda, não, nunca poderemos esquecer, nem devemos perdoar, eu não anistiei ninguém”

“Abra os olhos e o coração, estejamos alertas porque o terror continua, só mudou de cheiro e de uniforme”

“Eu sou a pátria que lhe esqueceu, o carrasco que lhe torturou, o general que lhe arrancou os olhos, o sangue inocente de todos os desaparecidos, o choque elétrico e os gritos: — Parem por favor, isso dói”

“A falta de esperança e o tormento de saber que nada é justo e pouco é certo, e que estamos destruindo o futuro e que a maldade anda sempre aqui por perto. A violência e a injustiça que existe contra todas as meninas e mulheres; um mundo onde a verdade é o avesso”

“Não me digam como devo ser, gosto do jeito que sou. Quem insiste em julgar os outros sempre tem alguma coisa pra esconder”

“E existem muitos formatos que só têm verniz e não têm invenção. E tudo aquilo contra o que sempre lutam é exatamente tudo aquilo o que eles são”

A Tempestade (1995)

“O mal do século é a solidão, cada um de nós imerso em sua própria arrogância esperando por um pouco de afeição”

“A juventude está sozinha, não há ninguém para ajudar a explicar por que é que o mundo é este desastre que aí está. Eu não sei, eu não sei”

“Quando tudo é solidão, é preciso acreditar num novo dia, na nossa grande geração perdida”

“Quem pensa por si mesmo é livre, e ser livre é coisa muito séria; não se pode fechar os olhos, não se pode olhar pra trás, sem se aprender alguma coisa pro futuro”

“Não esconda tristeza de mim, todos se afastam quando o mundo está errado, quando o que temos é um catálogo de erros, quando precisamos de carinho, força e cuidado”

“Queria ser como os outros e rir das desgraças da vida, ou fingir estar sempre bem, ver a leveza das coisas com humor”

“É de noite que tudo faz sentido, no silêncio eu não ouço meus gritos”

O Descobrimento do Brasil (1993)

“Vamos celebrar a estupidez humana, a estupidez de todas as nações, o meu país e sua corja de assassinos, covardes, estupradores e ladrões. (...) Vamos comemorar como idiotas a cada fevereiro e feriado, todos os mortos nas estradas, os mortos por falta de hospitais. (...) Vamos celebrar nossa bandeira, nosso passado de absurdos gloriosos; tudo o que é gratuito e feio, tudo que é normal. (...) Vamos celebrar a aberração de toda a nossa falta de bom senso, nosso descaso por educação”

“Viver é foda, morrer é difícil, te ver é uma necessidade”

“É tão estranho, os bons morrem antes”

“Não faça com os outros o que você não quer que seja feito com você. Você finge não ver e isso dá câncer”

“Eu preciso e quero ter carinho, liberdade e respeito, chega de opressão. Quero viver a minha vida em paz”

“E tempo é tudo que somos”

Que País é Este? 1978/1987

“Ninguém respeita a Constituição, mas todos acreditam no futuro da nação”

“Não boto bomba em banca de jornal nem em colégio de criança, isso eu não faço não. E não protejo general de dez estrelas, que fica atrás da mesa com o cu na mão”

“Em vez de luz, tem tiroteio no fim do túnel. Sempre mais do mesmo. Não era isso que você queria ouvir?”

“Palavras são erros, e os erros são seus. Não quero lembrar que eu erro também”

“O que eu quero, eu não tenho. O que eu não tenho, eu quero ter”

“Deus, Deus, somos todos ateus. Vamos cortar os cabelos do príncipe e entregá-los a um deus plebeu”

Legião Urbana (1985)

“Nos perderemos entre monstros da nossa própria criação”

“Se lembra quando a gente chegou um dia a acreditar que tudo era pra sempre, sem saber que o pra sempre, sempre acaba?”

“Você é tão moderno, se acha tão moderno, mas é igual a seus pais”

“Vem falar de liberdade pra depois me prender. Pedem identidade pra depois me bater. Tiram todas as minhas armas, como posso me defender?”

“Quem é o inimigo? Quem é você? Nos defendemos tanto, tanto sem saber porque lutar”

“A violência é tão fascinante e nossas vidas são tão normais”

“Já estou cheio de me sentir vazio”

As Quatro Estações (1989)

“É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã, porque se você parar para pensar, na verdade não há”

“Tudo é dor, e toda dor vem do desejo de não sentirmos dor”

“E só o acaso estende os braços a quem procura abrigo e proteção”

“O que sinto muitas vezes faz sentido e outras vezes não descubro o motivo que me explique porque é que não consigo ver sentido no que sinto, o que procuro, o que desejo e o que faz parte do meu mundo”

“Quero me encontrar, mas não sei onde estou. Vem comigo procurar algum lugar mais calmo, longe dessa confusão e dessa gente que não se respeita. Tenho quase certeza que eu não sou daqui”

“Me sinto tão só, e dizem que a solidão até que me cai bem”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez passagens de Clarice Lispector nas cartas dos anos 1950 (parte 1)

Clarice Lispector (foto daqui ) “O outono aqui está muito bonito e o frio já está chegando. Parei uns tempos de trabalhar no livro [‘A maçã no escuro’] mas um dia desses recomeçarei. Tenho a impressão penosa de que me repito em cada livro com a obstinação de quem bate na mesma porta que não quer se abrir. Aliás minha impressão é mais geral ainda: tenho a impressão de que falo muito e que digo sempre as mesmas coisas, com o que eu devo chatear muito os ouvintes que por gentileza e carinho aguentam...” “Alô Fernando [Sabino], estou escrevendo pra você mas também não tenho nada o que dizer. Acho que é assim que pouco a pouco os velhos honestos terminam por não dizer nada. Mas o engraçado é que não tendo absolutamente nada o que dizer, dá uma vontade enorme de dizer. O quê? (...) E assim é que, por não ter absolutamente nada o que dizer, até livro já escrevi, e você também. Até que a dignidade do silêncio venha, o que é frase muito bonitinha e me emociona civicamente.”  “(...) O dinheiro s

Oito passagens de Conceição Evaristo no livro de contos Olhos d'água

Conceição Evaristo (Foto: Mariana Evaristo) "Tentando se equilibrar sobre a dor e o susto, Salinda contemplou-se no espelho. Sabia que ali encontraria a sua igual, bastava o gesto contemplativo de si mesma. E no lugar da sua face, viu a da outra. Do outro lado, como se verdade fosse, o nítido rosto da amiga surgiu para afirmar a força de um amor entre duas iguais. Mulheres, ambas se pareciam. Altas, negras e com dezenas de dreads a lhes enfeitar a cabeça. Ambas aves fêmeas, ousadas mergulhadoras na própria profundeza. E a cada vez que uma mergulhava na outra, o suave encontro de suas fendas-mulheres engravidava as duas de prazer. E o que parecia pouco, muito se tornava. O que finito era, se eternizava. E um leve e fugaz beijo na face, sombra rasurada de uma asa amarela de borboleta, se tornava uma certeza, uma presença incrustada nos poros da pele e da memória." "Tantos foram os amores na vida de Luamanda, que sempre um chamava mais um. Aconteceu também a paixão

Dez poemas de Carlos Drummond de Andrade no livro A rosa do povo

Consolo na praia Carlos Drummond de Andrade Vamos, não chores... A infância está perdida. A mocidade está perdida. Mas a vida não se perdeu. O primeiro amor passou. O segundo amor passou. O terceiro amor passou. Mas o coração continua. Perdeste o melhor amigo. Não tentaste qualquer viagem. Não possuis casa, navio, terra. Mas tens um cão. Algumas palavras duras, em voz mansa, te golpearam. Nunca, nunca cicatrizam. Mas, e o humour ? A injustiça não se resolve. À sombra do mundo errado murmuraste um protesto tímido. Mas virão outros. Tudo somado, devias precipitar-te — de vez — nas águas. Estás nu na areia, no vento... Dorme, meu filho. -------- Desfile Carlos Drummond de Andrade O rosto no travesseiro, escuto o tempo fluindo no mais completo silêncio. Como remédio entornado em camisa de doente; como dedo na penugem de braço de namorada; como vento no cabelo, fluindo: fiquei mais moço. Já não tenho cicatriz. Vejo-me noutra cidade. Sem mar nem derivativo, o corpo era bem pequeno para tanta