Pular para o conteúdo principal

Composições de Emmanuel Mirdad: Candeeiro [com Ildegardo Rosa]



O clima psicodélico-progressivo da Orange Poem & Mateus Aleluia Filho para ambientar a voz sertaneja do Mestre Dedé a recitar os seus poemas filosóficos-existenciais. É o último registro da voz de Ildegardo Rosa (1931-2011), pai de Emmanuel Mirdad. Na experiência anterior, lançada em 2014, a música “Illusion’s Wanderer” tornou-se a mais escutada e comentada (mais de 270 mil views no YouTube) da Orange Poem, apresentando justamente essa mescla de poesia recitada com a ambiência sonora dos instrumentos laranjas e os vocais de Mateus Aleluia, o pai. Agora, em “Candeeiro”, Mateus, o filho, entoa o clima para o Mestre Dedé refletir os seus versos: “Sei que vim do vazio, do inominado, do sem forma, do misterioso. E aqui estou, neste mundo manifesto, preso a esta forma que se diz humana, e cercado de outras mil formas que nem mesmo em pensamento se esvaziam”. É a faixa de encerramento do EP “Andanças”, lançado em 2022.

Ouça no YouTube aqui

Ouça no Spotify aqui

Outras plataformas aqui

Candeeiro
(Ildegardo Rosa / Emmanuel Mirdad)
BR-N1I-22-00005

Sei que vim do vazio
do inominado
do sem forma
do misterioso

E aqui estou
neste mundo manifesto
preso a esta forma
que se diz humana
e cercado de outras mil formas
que nem mesmo em pensamento
se esvaziam

Para que eu possa viver a minha plena liberdade
e não ter de suportar
a ilusória vivência
de a cada momento apenas me transformar
sempre noutra forma
e nada mais
que outra forma
nada mais
que outra forma

Não sei a que distância e a que tempo estou
da minha realização de ser
só sei que estou aqui
neste mundo manifesto
vivendo a cada instante
como uma barata tonta:
ora sendo ou querendo ser isso
ora sendo ou querendo ser aquilo
e no fundo, sendo nada
ou quem sabe
sendo tudo

Andei... andei... andei...

E no andar fiquei
porque no andar
a nenhum lugar se vai
e ficando
em todo lugar se está

Andei...

E de ilusões vivi
porque no andar
ilusões se criam
e no ficar
as ilusões se esvaem

Andei... andei...

Andei ficando e ficando andei
nesse falso dilema do ser dividido
que não sabe se anda ou se fica
e nem mesmo em que lugar se está

Andei... andei... andei...

Quanto mais tento quebrar esses inexistentes grilhões
querendo me aproximar da realidade primordial
não percebo que é um jogo ilusório
e não preciso tentar me aproximar        
pois sempre estive dentro dela

Quando estiveres, porém
vazio de todas essas coisas
e principalmente no vazio de tu mesmo
tu então estarás pleno de tudo

Porque o tudo é o vazio de todas essas coisas
na plenitude de si mesmo

E o nada é o cheio de todas essas coisas
do não ser de si mesmo

Aqui estou, eu, prisioneiro do meu próprio tempo e espaço
comprimido neste corpo esquelético
que apenas tem um lapso de duração que chamam de vida
só criando permanentes conflitos que oscilam a todo instante

(estou onde sempre estive)

E eu, inutilmente
buscando uma saída, quando saída não há
se a minha implosão interior
não me desencantar
da ilusão que nos envolve
e no vazio eu me encontrar

Estou onde sempre estive
no eterno vazio
sem começo nem fim

Sei que é preciso e urgente a saída
desse ilusório Vale das Sombras
que eu mesmo criei
ou me fizeram acontecer
por prêmio ou castigo
para estar no ser real
no eterno agora
onde verdadeiramente
no eterno agora
onde verdadeiramente EU SOU

Hoje sendo isso, amanhã sendo aquilo
na infinita brincadeira do Uno que se faz muitos
E, de repente, num instante mágico
se torna Uno novamente
no absoluto deleite de si mesmo

E de tudo que aparece e desaparece

No aqui, que é lugar nenhum
No agora, que é tempo nenhum

Parei


Faixa 05 - EP Andanças (Zenyatta Records, 2022), de Orange Poem & Mateus Aleluia Filho | Ildegardo Rosa – voz (in memoriam) | Mateus Aleluia Filho – voz | Emmanuel Mirdad – violão 12 cordas | Hosano Lima Jr. – bateria | Tadeu Mascarenhas – baixo, hammond, escaleta, synth bass, flauta e synth | Thiago Trad – derbake, djembê, conduíte e karkabou | Gravado, mixado e masterizado por Tadeu Mascarenhas no Casa das Máquinas, Salvador-BA | Produção musical: Emmanuel Mirdad e Tadeu Mascarenhas | Produção fonográfica: Emmanuel Mirdad | Arte: Movimento 1989

Composta por Emmanuel Mirdad em 15/10/2021, baseada em poemas de Ildegardo Rosa.

Letra formada por trechos de 10 poemas de Ildegardo Rosa, produzidos entre 1993 e 1997.

Melodia composta por Emmanuel Mirdad em 22/11/2005.

Poemas que formam a letra de “Candeeiro”: “A tirania das formas” (28/05/1995) / “O que deve ser” (03/03/1994) / “Andar ou ficar” (agosto de 1996) / “O prisioneiro da ilusão” (15/05/1994) / “O tudo e o nada” (14/09/1996) / “A saída” (1995) / “Onipresente” (14/08/1993) / “O círculo infernal” (09/04/1994) / “O sentido” (28/10/1997) / “O enigma I” (02/02/1993).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Edson Gomes

Os discos e as músicas do cantor e compositor Edson Gomes são os meus prediletos e as que eu mais gosto dentre tudo que é feito de reggae no Brasil. No meado dos anos 1990, eu só ouvia Bob Marley & The Wailers o tempo inteiro, e foi o ilustre mestre cachoeirano quem despertou o meu interesse para outros sons além do gigante jamaicano. Fiquei fã de Edson Gomes antes de conhecer Burning Spear , Peter Tosh , Alpha Blondy , Gregory Isaacs e muitos outros. Foram os clássicos dele, e são muitos, muita música boa, arranjos excelentes, o sonzaço da banda Cão de Raça (adoro a timbragem e improvisos do guitarrista Tony Oliveira ), que me apresentaram a magia do Recôncavo Baiano , de Cachoeira , muitos anos antes da Flica . Na Seleta de hoje, as 42 músicas que mais gosto, gravadas por Edson Gomes & Banda Cão de Raça , presentes em seis álbuns : “ Resgate Fatal ” (1995), “ Campo de Batalha ” (1992), “ Recôncavo ” (1990), “ Apocalipse ” (1997), “ Reggae Resistência ” (1988) e “ Acor