Pular para o conteúdo principal

Orange Poem lança EP com a voz de Mateus Aleluia Filho


Na sexta, 18 de março, o EP “Andanças”, do projeto Orange Poem com o cantor, compositor e trompetista Mateus Aleluia Filho, será lançado nas plataformas digitais pelo selo Zenyatta Records. Faça o pré-save aqui. Produzido por Emmanuel Mirdad e Tadeu Mascarenhas, apresenta cinco músicas inéditas, um ponto de encontro das caminhadas de quatro artistas baianos.

Mateus, a espiritualidade do axé, a voz ancestral-herança do pai, o sopro graduado na universidade e na vivência, a negritude do recôncavo como patrimônio e beleza. Tadeu, o domínio das máquinas e do registro, o ambiente das teclas, o groove do grave, a multiplicidade de instrumentos. Mirdad, a razão das leituras, a criação da edição, a presença do pai poeta, os versos na cor laranja. Hosano, a força do ritmo, a capoeira que conduz, o impulso da bateria, a experiência do rock que permanece.

Orange Poem (foto: Leo Monteiro)

Mateus Aleluia Filho (Foto: Victória Nasck)

As quatro andanças de vidas distintas que se harmonizam para criar um EP de música brasileira, repleta de várias influências, e o colorido de uma percussão árabe, conduzida pelos músicos Sebastian Notini e Thiago Trad, e uma legítima afro-baiana, tambores e efeitos sacros, registrados pelo percussionista Ícaro Sá. A arte da capa e flyers de divulgação é criação da Movimento 1989.
 
O EP “Andanças” foi gravado, mixado e masterizado por Tadeu Mascarenhas no estúdio Casa das Máquinas, em Salvador. Para o vocalista e músico Mateus Aleluia Filho, “um momento de muito aprendizado e expansão; um desafio gravar um disco originalmente com elementos do rock que, para mim, era um universo bem distante. A gcenerosidade e o amor me trouxeram uma abertura muito grande com esse trabalho”. Trompetista formado pela Ufba, mestrando em Musicologia e integrante do sexteto Saravá Jazz Bahia, Mateus estreou a sua carreira solo em 2021, lançando o EP “Sopro do Interior”, contemplado pela Lei Aldir Blanc, com quatro músicas suas, e o belo vozeirão a encantar o público. “‘Oxe, mas ele canta, e muito!’, lembro da minha surpresa ao ouvir ‘Sopro do Interior’, só o conhecia como músico, e, na mesma hora, convidei-o para gravar com a gente. Que orgulho, pai e filho na nossa caminhada, bom demais!”, comemora Mirdad, produtor e compositor do Orange Poem. Em 2014, ele lançou o EP “Ancient”, com a voz de Mateus Aleluia, o pai.

Orange Poem (foto: Leo Monteiro)

Mateus Aleluia Filho (Foto: Victória Nasck)

Andanças” abre com “À Beira”, música de Emmanuel Mirdad, um poprock com balanço de arrocha suigado pelo baterista Hosano Lima Jr., o derbake & karkabou & bendir de Sebastian floridos pelo trompete latino de Mateus, e as multidões do mundo reunidas para apreciar a beleza de um luar em Cachoeira, “você quer ser o que eu busco e ter o que você procura?” a provocar o ouvinte.

O reggae se faz presente no EP “Andanças”, em formato acústico, o encontro do violão de Tadeu com a moringa de Trad. “Judi”, a faixa 2, é uma canção romântica, para xamegar com o seu xodó, a primeira parceria em composição de Mirdad com Mateus, e que traz um trecho em outra língua. “Nos anos 2000, a Orange Poem foi uma banda de rock psicodélico blues progressivo em inglês. Agora, após a repercussão de mais de 450 mil views no seu canal do YouTube, volta como um projeto de música universal, sem fronteiras, a explorar qualquer sonoridade e idioma, aberto para as parcerias mais criativas.”, explica o produtor Mirdad.

Emmanuel Mirdad, Hosano Lima Jr. e Tadeu Mascarenhas (foto: Leo Monteiro)

Mateus Aleluia Filho (Foto: Victória Nasck)

A poesia é valorizada em “Andanças”. A terceira faixa, “Meu Negro”, reúne trechos de sete poemas do escritor mineiro Ricardo Aleixo, presentes no livro “Pesado demais para a ventania” (Todavia, 2018), musicados por Mirdad, que revela: “Gosto demais do trabalho deste poeta, um artista múltiplo, referência total na literatura negra produzida no mundo. É preciso ouvir e ler o que Aleixo nos revela e cria! E o amigo mineiro adorou essa ponte com Mateus Filho, pois já admirava o seu pai faz tempo. Bahia com Minas dá certo demais!”. E o vocalista de “Andanças” confirma o belo encontro: “Mirdad apresentou-me a Ricardo Aleixo que, de uma forma intensa e pura, comunicou com o meu eu, Mateus Aleluia Filho de Cachoeira, do passado, no presente para o futuro. Saravá a esse grande artista!”.

Encanto”, a quarta faixa do EP “Andanças”, é uma composição instrumental de Mateus, um cântico sagrado, que registra o sublime, ambiência para transcender, gravada em formato power trio: Ícaro Sá nos atabaques e gan, Tadeu Mascarenhas no baixo, e o compositor no flugelhorn e voz. “A arte pela arte nos presenteou com o ‘Encanto’, faixa revelada por Mirdad e Tadeu [inicialmente registrada como uma sobra de estúdio], um momento de paz e relaxamento; Cachoeira sempre se faz presente, o Afrobarroco de forma plena, com um arranjo que traz o conceito, e mostra intimidade com a música revelada no cotidiano das cidades do Recôncavo. Quem pisou nessa terra sente e viu a beleza!!! Saravá, irmão!”, reflete o cachoeirano Mateus.

Orange Poem (foto: Leo Monteiro)

Mateus Aleluia Filho (Foto: Victória Nasck)

Tem mais poesia no EP: “Candeeiro”, a última faixa, volta a celebrar a voz sertaneja e os poemas filosóficos-existenciais de Ildegardo Rosa, pai de Mirdad, morto em 2011. No lançamento anterior da Orange Poem, a música “Illusion’s Wanderer” é a mais escutada e comentada (mais de 276 mil views no YouTube), e apresenta justamente essa mescla de poesia recitada com a ambiência sonora dos instrumentos laranjas e os vocais de Mateus Aleluia, o pai. Agora, em “Candeeiro”, Mateus, o filho, entoa o clima psicodélico-progressivo para o Mestre Dedé refletir os seus versos: “Sei que vim do vazio, do inominado, do sem forma, do misterioso. E aqui estou, neste mundo manifesto, preso a esta forma que se diz humana, e cercado de outras mil formas que nem mesmo em pensamento se esvaziam”.

Orange Poem (foto: Leo Monteiro)

Mateus Aleluia Filho (Foto: Victória Nasck)

Serviço
Lançamento do EP “Andanças”, da Orange Poem & Mateus Aleluia Filho
Sexta, 18 de março de 2022
Em todas as plataformas digitais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Edson Gomes

Os discos e as músicas do cantor e compositor Edson Gomes são os meus prediletos e as que eu mais gosto dentre tudo que é feito de reggae no Brasil. No meado dos anos 1990, eu só ouvia Bob Marley & The Wailers o tempo inteiro, e foi o ilustre mestre cachoeirano quem despertou o meu interesse para outros sons além do gigante jamaicano. Fiquei fã de Edson Gomes antes de conhecer Burning Spear , Peter Tosh , Alpha Blondy , Gregory Isaacs e muitos outros. Foram os clássicos dele, e são muitos, muita música boa, arranjos excelentes, o sonzaço da banda Cão de Raça (adoro a timbragem e improvisos do guitarrista Tony Oliveira ), que me apresentaram a magia do Recôncavo Baiano , de Cachoeira , muitos anos antes da Flica . Na Seleta de hoje, as 42 músicas que mais gosto, gravadas por Edson Gomes & Banda Cão de Raça , presentes em seis álbuns : “ Resgate Fatal ” (1995), “ Campo de Batalha ” (1992), “ Recôncavo ” (1990), “ Apocalipse ” (1997), “ Reggae Resistência ” (1988) e “ Acor