Pular para o conteúdo principal

Vamos ouvir: o CD solo de estreia de Jair Naves


Não consegue visualizar o player? Ouça aqui

Release por Rodrigo Carneiro, disponível no facebook oficial do artista:

"
Acompanhar, relativamente de perto, o aperfeiçoamento de um artista é uma dádiva. Digo, artista à vera. Daqueles que tangenciam o perigo, caminham beirando o abismo, estão à frente, como batedores, iluminando, às vezes, turvando, o caminho. O cantor e compositor Jair Naves faz parte desta categoria. Sua figura grave surgiu, ao menos pra mim, em 2000, numa das últimas formações do finado Okotô, meus parceiros de geração. Em paralelo à atividade de baixista caçula na banda, Naves dava os primeiros passos do que seria o Ludovic. Deu no que deu. Uma respeitabilidade conquistada rapidamente no grito, em shows arrasadores – em algum deles, detalhe, temi pela integridade física daquele garoto. Logo, as narrativas desconcertantes, tramadas por Naves e defendidas com veemência, seriam registradas em dois discos cultuados: “Servil” (2004) e “Idioma Morto” (2006). Até que, depois de oito intensos anos no front de batalha, o final chegou ao Ludovic (2000 – 2009).

Isso posto, com seu nome de batismo e foto estampados na capa de um belo EP, “Araguari” (2010), Naves anunciou um novo ciclo criativo que culmina agora em “E você se sente numa cela escura, planejando a sua fuga, cavando o chão com as próprias unhas”, disco solo de estreia, que ganha as ruas via Travolta Discos e Popfuzz Records. Gravado, mixado e masterizado por Fernando Sanches, no Estúdio El Rocha, em julho de 2012, o álbum tem a produção assinada por Naves, que divide-se entre a feitura das letras, a emissão da voz e os acordes de guitarra e violão de cordas de aço. No estúdio da zona oeste paulistana, o autor foi ladeado por Alexandre Molinari e Adriano Parussulo, baixistas; Alexandre Xavier, piano; Cimara Fróis, sanfona; Renato Ribeiro, guitarra, violão de cordas de nylon e vibrafone; e Thiago Babalu, bateria. O pianista Xavier, o baixista Molinari, o baterista Babalu, trio presente às gravações, e o guitarrista Renato Ribeiro o acompanham shows noite adentro.

“E você se sente numa cela escura, planejando a sua fuga, cavando o chão com as próprias unhas” começa com “Pronto para morrer (o poder de uma mentira dita mil vezes)”, de versos como “Minha baixa escolaridade/ é um espetáculo à parte/ eu sei que pode te entreter/ já que você vê comicidade/ em tanta desigualdade/ o que, pra mim, é novidade/ mas eu evito esse debate/ pois seguiremos nesse impasse/ mesmo depois que eu morrer/...”. Da urgência tensa e pós-punk da faixa de abertura, Naves vai à balada cadenciada "Poucas palavras bastam”, aliás, notícia velha, trata-se de um sujeito que, além do desenho harmônico das canções, tem especial apreço pelo discurso. Um estilista da palavra. A sonoridade tristonha da sanfona nos momentos iniciais é um dos destaques de “No fim da ladeira, entre vielas tortuosas”, onde, segundo o personagem, “acontece que eu ainda enxergo em ti/ tudo de que eu mais me orgulho em mim/ Como um pássaro ruidoso ao ver a luz do amanhecer/ eu não pude me conter/...”

Em andamento mais, digamos, festivo, “Maria Lúcia, Santa Cecília e eu” reverencia – e preocupa-se com - a mãe, Maria Lúcia, e a padroeira dos músicos, segundo a mitologia cristã, Cecília, a santa, num dos outros momentos de rara inspiração do registro. De acento sessentista, “Carmem, todos falam por você” também convida sutilmente a dançar e explode em um (não)refrão gritado. “Guilhotinesco” fala de Deus, solidão e ilusões perdidas. Isso, ao modo guilhotinesco e fatal. Que faixa, que faixa. “Vida com V maiúsculo, vida com v minúsculo” é outro achado. “Quando eu era menor,/ eu me perguntava como deveria ser/ a vida em uma dessas casas à beira da estrada/ tristes e isoladas/ Acho que agora eu sei/ pelo vazio com que eu convivo há tanto tempo”.

“Covil de cobras” produz watts de potência ao tratar da inexorabilidade do tempo. Dedilhada ao violão e amparada pela banda no final, “A meu ver” é de uma delicadeza irresistível. Tal qual “Eu sonho acordado”, que dá cabo do álbum em alto estilo (“Me assegura que você jamais vai maldizer/ o instante em que você se deu pra mim,/ em que se anulou por mim/... / eu sonho acordado/ com a vingança dos torturados,/ com a mulher que vai envelhecer ao meu lado,/ com o meu pai ressuscitado/...”). Que o amor, esse tsunami, esse cão danado dos infernos, seja louvado. E o artista à vera, que nos inquieta e deleita com “E você se sente numa cela escura, planejando a sua fuga, cavando o chão com as próprias unhas”, também.
"

Comentários

Jair Naves em Salvador, já.

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…