Pular para o conteúdo principal

Vamos ouvir: Vamos pra Rua, da Maglore

Vamos pra Rua (2013) - Maglore




Não consegue visualizar o player? Ouça aqui

Release do CD, disponível no site oficial da banda:

"
A nova estrada de Maglore

Em “Vamos pra Rua”, o quarteto baiano mantém a levada pop e mostra amadurecimento. Novo trabalho tem participações de Carlinhos Brown e Wado Música popular brasileira, rock e psicodelia formam as bases dessa banda que é essencialmente pop. Formada em meados de 2009, o quarteto baiano Maglore não se prende aos rótulos das prateleiras das lojas. No balaio de Teago Oliveira (voz e guitarras), Leo Brandão (teclado e guitarras), Nery Leal (contrabaixo) e Felipe Dieder (bateria) encontram-se referências que vão dos tropicalistas dos Mutantes à MPB de João Gilberto, passando pela psicodelia de Pink Floyd.

Com um EP (“Cores do Vento”, 2009) e um CD na bagagem (“Veroz”, 2011), a banda conquistou um público cativo por todo o país, foi listado pelo jornal O Globo como uma das maiores revelações de 2011 e amadureceu nos palcos em dois anos de estrada, mais de 300 shows pelo país e a mudança para São Paulo. O resultado desse processo se observa no segundo (e novo) CD, “Vamos pra Rua” (independente).

Com participações de Carlinhos Brown e Wado, o trabalho reúne onze faixas que passam por temas do cotidiano, o amor e a Salvador, cidade natal, embaladas pela levada do pop e da música brasileira. “O convívio e os shows dos últimos dois anos nos deram outra visão do que e de como queríamos fazer um disco. Amadurecemos ao pensar os próprios arranjos de forma mais homogênea. As músicas estão mais enxutas, menos precipitadas. Faz parte do caminho natural de qualquer grupo, se entender mais”, conta o vocalista Teago Oliveira.

Carlinhos Brown, que faz participação na suingada “Quero Agora”, enaltece a banda “jazz-rock-MPB” e aponta Teago Oliveira como um novo Raul Seixas. “Raul Seixas, além de dono das bases mais bem arranjadas da MPB, poeta e cantor, deixou um estilo a seguir. Encontro isso claramente no canto de Teago [Oliveira]. Maglore é jazz-rock-MPB. Junto com os ‘caçulas’ da música da Bahia, como a banda Memorize, BaianaSystem e outros, nos propõem uma nova glória”, afirma Brown.

Desde sua fundação, a Maglore tem participado de alguns dos principais festivais do circuito nacional – o Festival de Verão Salvador; Melody Box Ao Vivo e Festival Fora do Eixo; Conexão Vivo, entre outros. E agora se prepara para ganhar as ruas de todo o país. Afinal, “Vamos pra Rua” nasceu para tocar. Sem qualquer medo de virar mainstream. Em partes: “Mentira, sentimos sim, mas a gente encara. Não foge disso não. É bom saber que um montão de gente gosta e se identifica com o seu trabalho”.

Informações para a imprensa: Pedro Henrique França: 21 7366 6137 / pedrohenrique.jornal@gmail.com
"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seleta: Lisa Hannigan

Lisa Hannigan (foto daqui ) Conheci a cantora e compositora irlandesa Lisa Hannigan graças ao emocionante filme “ Maudie ” (2016), da diretora irlandesa Aisling Walsh (baseado na história da artista canadense Maud Lewis ). A música dos créditos finais é “ Little Bird ”, e a suavidade, timbre, afinação e interpretação tátil da bela voz de Lisa Hannigan me fisgou na hora! Contemplei três dos seus álbuns, “ At Swim ” (2016), “ Passenger ” (2011) e “ Sea Sew ” (2008), e fiz uma seleta com 20 canções que mais gostei. Confira o belo trabalho da irlandesa Lisa Hannigan ! Ouça no YouTube  aqui Ouça no Spotify aqui 1) Tender [At Swim, 2016] 2) Funeral Suit  [At Swim, 2016] 3) Home [Passenger, 2011] 4) Little Bird [Passenger, 2011] 5) Paper House [Passenger, 2011] 6) An Ocean and a Rock [Sea Sew, 2008] 7) Prayer for the Dying [At Swim, 2016] 8) Nowhere to Go [Passenger, 2011] 9) Anahorish [At Swim, 2016] 10) We, the Drowned [At Swim, 2016] 11) Splishy Splashy [Sea Sew, 2008] 12) T

Leituras 2020

Os 10 livros lidos em 2020 Li 10 livros em 2020 , com destaque para a poesia, e selecionei trechos das obras de Alex Simões , Lúcio Autran , Wesley Correia , Mariana Botelho , Nina Rizzi , Érica Azevedo , Ana Valéria Fink e Cyro de Mattos , e trechos dos romances de Franklin Carvalho e Victor Mascarenhas . Além dos livros, elaborei uma seleção de poemas de Zecalu [publicados nas redes sociais em 2019], outra seleta de trechos de crônicas de Santiago Fontoura [publicadas no Facebook], e uma seleção de poemas de Martha Galrão . Por fim, reli a autobiografia de Rita Lee e divulguei trechos também. Boa leitura! “Contrassonetos catados & via vândala” (Mondrongo, 2015) Alex Simões Leia trechos  aqui “soda cáustica soda” (Patuá, 2019) Lúcio Autran Leia trechos  aqui “laboratório de incertezas” (Malê, 2020) Wesley Correia Leia trechos  aqui “o silêncio tange o sino” (Ateliê Editorial, 2010) Mariana Botelho Leia trechos  aqui   “A ordem interior do mundo” (7Letras, 2020) Franklin Carv

Seleta: Edson Gomes

Os discos e as músicas do cantor e compositor Edson Gomes são os meus prediletos e as que eu mais gosto dentre tudo que é feito de reggae no Brasil. No meado dos anos 1990, eu só ouvia Bob Marley & The Wailers o tempo inteiro, e foi o ilustre mestre cachoeirano quem despertou o meu interesse para outros sons além do gigante jamaicano. Fiquei fã de Edson Gomes antes de conhecer Burning Spear , Peter Tosh , Alpha Blondy , Gregory Isaacs e muitos outros. Foram os clássicos dele, e são muitos, muita música boa, arranjos excelentes, o sonzaço da banda Cão de Raça (adoro a timbragem e improvisos do guitarrista Tony Oliveira ), que me apresentaram a magia do Recôncavo Baiano , de Cachoeira , muitos anos antes da Flica . Na Seleta de hoje, as 42 músicas que mais gosto, gravadas por Edson Gomes & Banda Cão de Raça , presentes em seis álbuns : “ Resgate Fatal ” (1995), “ Campo de Batalha ” (1992), “ Recôncavo ” (1990), “ Apocalipse ” (1997), “ Reggae Resistência ” (1988) e “ Acor