Pular para o conteúdo principal

Vamos ouvir: Vamos pra Rua, da Maglore

Vamos pra Rua (2013) - Maglore




Não consegue visualizar o player? Ouça aqui

Release do CD, disponível no site oficial da banda:

"
A nova estrada de Maglore

Em “Vamos pra Rua”, o quarteto baiano mantém a levada pop e mostra amadurecimento. Novo trabalho tem participações de Carlinhos Brown e Wado Música popular brasileira, rock e psicodelia formam as bases dessa banda que é essencialmente pop. Formada em meados de 2009, o quarteto baiano Maglore não se prende aos rótulos das prateleiras das lojas. No balaio de Teago Oliveira (voz e guitarras), Leo Brandão (teclado e guitarras), Nery Leal (contrabaixo) e Felipe Dieder (bateria) encontram-se referências que vão dos tropicalistas dos Mutantes à MPB de João Gilberto, passando pela psicodelia de Pink Floyd.

Com um EP (“Cores do Vento”, 2009) e um CD na bagagem (“Veroz”, 2011), a banda conquistou um público cativo por todo o país, foi listado pelo jornal O Globo como uma das maiores revelações de 2011 e amadureceu nos palcos em dois anos de estrada, mais de 300 shows pelo país e a mudança para São Paulo. O resultado desse processo se observa no segundo (e novo) CD, “Vamos pra Rua” (independente).

Com participações de Carlinhos Brown e Wado, o trabalho reúne onze faixas que passam por temas do cotidiano, o amor e a Salvador, cidade natal, embaladas pela levada do pop e da música brasileira. “O convívio e os shows dos últimos dois anos nos deram outra visão do que e de como queríamos fazer um disco. Amadurecemos ao pensar os próprios arranjos de forma mais homogênea. As músicas estão mais enxutas, menos precipitadas. Faz parte do caminho natural de qualquer grupo, se entender mais”, conta o vocalista Teago Oliveira.

Carlinhos Brown, que faz participação na suingada “Quero Agora”, enaltece a banda “jazz-rock-MPB” e aponta Teago Oliveira como um novo Raul Seixas. “Raul Seixas, além de dono das bases mais bem arranjadas da MPB, poeta e cantor, deixou um estilo a seguir. Encontro isso claramente no canto de Teago [Oliveira]. Maglore é jazz-rock-MPB. Junto com os ‘caçulas’ da música da Bahia, como a banda Memorize, BaianaSystem e outros, nos propõem uma nova glória”, afirma Brown.

Desde sua fundação, a Maglore tem participado de alguns dos principais festivais do circuito nacional – o Festival de Verão Salvador; Melody Box Ao Vivo e Festival Fora do Eixo; Conexão Vivo, entre outros. E agora se prepara para ganhar as ruas de todo o país. Afinal, “Vamos pra Rua” nasceu para tocar. Sem qualquer medo de virar mainstream. Em partes: “Mentira, sentimos sim, mas a gente encara. Não foge disso não. É bom saber que um montão de gente gosta e se identifica com o seu trabalho”.

Informações para a imprensa: Pedro Henrique França: 21 7366 6137 / pedrohenrique.jornal@gmail.com
"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…