Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Parte 01 - Espalitando, de Paulo Bono

Paulo Bono (foto: Divulgação - interferida por Mirdad)


"Sempre odiei licitações. A raiva aumentava quando eu lembrava das palavras do diretor de criação 'Bono, tem uma licitação pra gente participar. Parece que é coisa séria. Sem carta marcada'. Em que mundo ele vive? Estamos no Brasil. Por que participar se não vai sequer competir? Não é como chegar em último na maratona. Não existem aplausos. Não existe medalha de honra. Não existe honra. Existe, no máximo, uma pizza na madrugada. Porque eu sabia que não ia receber nenhum extra por me fuder dia e noite nessa farsa. Mas o que vale minha opinião? Eu sou apenas o redator. Pior, sou um redator gordo. Pior ainda, em tempos de licitação, eu engordo muito mais"


"Uma roda de dominó é um verdadeiro fórum de economistas, sociólogos, políticos, técnicos de futebol e noveleiros. Já vi roda de dominó vir a baixo por causa da falta de ética de uma personagem da Renata Sorrah. Dominó na feira é um esporte pra machos. Falar demais a ponto de esquecer de quem é a vez de jogar é motivo de tapa na cara. Se o falatório for demasiado o bastante a ponto de provocar um gato, ou seja, de colar uma pedra errada e atrapalhar o jogo, é justa causa para espancamento a socos e pontapés"


"O cara hoje pode driblar o time todo, o goleiro, o juiz, a puta mãe do juiz, que mesmo assim vão dizer 'Ah, rapaz, é porque você não viu Garrincha jogar'. Pelé. Pelé. Pelé. Porra de Pelé. Sou mais o Zico" 


"Agregando uma aparência ridícula que mesclava uma cara medonha com um ar imbecil, uma personalidade insegura e o fato de ser o estereótipo do perdedor sem carro e sem grana, tudo isso em um corpo cada vez mais gordo, claro que eu estava fora da lista de desejos e fantasias, por mais absurdas que fossem, de qualquer mulher no cosmos, eu era praticamente um ser inanimado, assexuado, invisível. Cheguei a desistir por um tempo. Deixei de ir aos bares, às festas, a qualquer evento social. Evitava olhar para as mulheres nas ruas. Porque isso parecia ofendê-las. A verdade é que me acabei na punheta naquele ano"


Paulo Bono
(2013/Cousa)


"Quartos de hotel só servem para mostrar o quanto você é você só"


"Em cada cartão, há o nome de um carequinha. Não que eu seja insensível. Apenas sou como a grande maioria dos seres-humanos. Sou preguiçoso, não tenho dinheiro, não tenho tempo nem cabeça para esse papo de solidariedade. Mas dessa vez entrei no jogo e peguei um cartão. Escolhi um que estava no lado de trás da árvore. Aposto que eles colocam os carequinhas mais bonitinhos e amáveis na frente. Não, não venha me dizer que a discriminação tira férias no natal"


"A primeira pensão onde passei a noite em Feira de Santana parecia aconchegante. Tive certeza quando encontrei pela manhã um rato sambando à vontade sobre farelos de cream cracker pelo chão. Depois, encontrei um lugar mais familiar. Tinha um jardim, crianças correndo pela sala, porta-retratos coloridos e brigas como em qualquer família. Certa noite, o marido, também proprietário da pensão, espancou a socos e pontapés a esposa, na frente da filha de sete anos e de todos que assistiam ao Jornal Nacional. Deu polícia e tudo. Naquela noite, dormi no chão da agência"


"Não importa quanto você tenha na conta, que ano é seu carro, quantos prêmios já recebeu. Não importa quantos filhos você pôs no mundo, quantas árvores já plantou nem quantos livros tenha publicado. Não importa quantas entidades beneficentes você ajuda, nem quantos domingos você vá à missa conversar com o Nosso Senhor. Não importa quantas estrelas tem seu plano de saúde, quantos dentes você tem, nem se você é o presidente dos Estados Unidos ou o presidente da casa do caralho. Numa fria sala de cirurgia, com as pernas escancaradas e um bando de enfermeiras limpando e raspando seus ovos e seu rabo, sua dignidade vai ao ralo, você não passa de um pedaço de carne, você não é ninguém"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…