Pular para o conteúdo principal

A volta da Orange Poem



The Orange Poem está de volta e lança EP Ground
com Glauber Guimarães no vocal


O som psicodélico progressivo do poema laranja está de volta, após um hiato de cabalísticos sete anos. O produtor Emmanuel Mirdad, compositor das músicas do grupo, remexeu o baú das canções laranjas e prepara uma série de lançamentos em 2014. O primeiro chama-se Ground, que será lançado na próxima quarta 15/01 aqui: www.soundcloud.com/theorangepoem. É um EP com três músicas (Last Fly, Rain e Farewell Song), que foram gravadas entre 2005 e 2006, e estavam engavetadas desde o fim da banda. “Lançaremos ao longo de 2014 três EPs virtuais, preparando o terreno para no final do ano lançar um álbum físico completo”, informa o produtor. Agora, as músicas ganharam uma nova mixagem e a ilustre presença da voz do cantor e compositor baiano Glauber Guimarães (ex-Dead Billies e atual Teclas Pretas e Glauberovsky Orchestra) no vocal, substituindo Mirdad, que não canta mais na banda.


Tadeu Mascarenhas grava a voz de Glauber Guimarães 
no EP Ground em dezembro de 2013 - Foto Mirdad


A proposta é que a nova Orange Poem não tenha um vocalista fixo. “O que importa é a voz, não o status ou o cargo na banda. Primeiro foi Glauber, com sua voz facão, tão perfeita para a sonoridade psicodélica que fazemos que eu me pergunto porque ele não gravou antes nesse estilo. O próximo será uma reconhecida voz dilacerante do rock baiano, mas é surpresa ainda”, explica o produtor. Mirdad selecionou as melhores composições suas dos dois álbuns engavetados da laranja e levou os arquivos originais da gravação de volta ao estúdio Casa das Máquinas, de Tadeu Mascarenhas, onde os vocalistas estão registrando seus novos vocais. Uma nova mix, acréscimo de alguns instrumentos e arranjos, e as novas versões das músicas que foram pouquíssimo conhecidas ganham cara de inéditas. E realmente é algo inédito conferir o inconfundível e excelente timbre de Glauber na sonoridade psicodélica da Orange Poem.

|||||

A BANDA

De 2001 a 2007, a Orange Poem apresentou sua singular sonoridade baseada no psicodélico rock progressivo em inglês, com pitadas de blues, folk, groove e hard rock setentista. Formada por desconhecidos do cenário do rock baiano (e até entre si mesmos), conduzida pelo multifacetado Emmanuel Mirdad (escritor, compositor e produtor da Flica), foi uma banda guitarreira de canções autorais do seu produtor e então cantor. Zanom e Saint, guitarristas tão antagônicos de estilo, combinaram como yin-yang seus timbres em solos de puro feeling ou velocidade intensa. Na gruvada cozinha laranja, a segurança e técnica dos músicos Hosano Lima Jr (baterista) e Artur Paranhos (baixista).




Pertencente à geração 00 do rock baiano, de bandas cantando em inglês como The Honkers e Plane of Mine, a Orange Poem gravou dois discos no estúdio Casa das Máquinas, do psicodélico Tadeu Mascarenhas (na época, ainda ostentava uma potente barba Talibã). “Shining Life, Confuse World”, o primeiro, chegou a ser prensado e lançado no extinto World Bar em 2005, de forma totalmente independente, sem gravadora nem selo. A banda optou por não trabalhar a divulgação dele e partiram pra gravar o seguinte, “Sleep in Snow Shape”, que foi concluído no final de 2006, poucos meses antes da banda acabar em março de 2007. Não chegou a ser lançado, e os membros se mudaram pra estados distintos. Mirdad nunca se conformou com o engavetamento das canções laranjas.

|||||

AS CANÇÕES

Last Fly
(Emmanuel Mirdad)

Feita em agosto do ano 2000, é a mãe do poema laranja, a composição que originou a proposta de montar uma banda psicodélica progressiva em inglês. Traz uma jornada introspectiva de um ser angustiado, que se depara com a infância problemática. Tem a participação psicodélica em risadas do primeiro baixista da banda, Rajasí Vasconcelos, irmão de Larriri Vasconcelos, baixista da Radiola.


Rain
(Emmanuel Mirdad)

Blues depressivo, de cadência progressiva e angustiante. O poema é um retrato da solidão de um ser por escolha, por exclusão, que não significa sofrimento, e sim a sobrevivência de sua integridade e caráter. O destaque fica para os excelentes solos bluesy de Zanom. Tem a participação de Tadeu Mascarenhas no sintetizador e no piano, e do músico Gabriel Franco nos berros finais da canção.


Farewell Song
(Emmanuel Mirdad)

Blues estradeiro, com passagens psicodélicas e teatrais. Os versos são locados em um funeral, e o personagem da canção ouve a voz que guia a narrativa, passando por três momentos: morte, purgatório e redenção. Mais uma participação de Tadeu Mascarenhas no sintetizador.

|||||

O EP GROUND

01. Last Fly
      BR-N1I-14-00002

02. Rain
      BR-N1I-14-00003

03. Farewell Song
      BR-N1I-14-00004

Todas as composições são de Emmanuel Mirdad

Glauber Guimarães (voz)
Mirdad (violão 12 cordas)
Zanom (guitarra)
Saint (guitarra)
Hosano Jr. (bateria)
Artur Paranhos (baixo)

Participações especiais:

Tadeu Mascarenhas (piano e sintetizador)
Rajasí Vasconcelos (risadas em Last Fly)
Gabriel Franco (grito final em Rain)

Gravação, mixagem e masterização: Tadeu Mascarenhas (Estúdio Casa das Máquinas)

Produção artística e executiva: Emmanuel Mirdad

Arte: Glauber Guimarães

Foto: Rafael Rodrigues

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

O fim do Blog do Ël Mirdad

Esta é a última postagem do Blog do Ël Mirdad (que um dia já foi Farpas e Psicodelia). Ao fim, foram 1.083 postagens em 8 anos de atividade, de 2009 a 2016. Divulguei o trabalho de muitos artistas, nas áreas da música, literatura e audiovisual (eventos, shows, quadrinhos, etc.), e também o meu trabalho como compositor, escritor e produtor cultural. Das seções que fiz, a que mais me orgulhou foi Leituras. Abaixo, seguem duas imagens com estatísticas que o próprio Blogger oferece, apuradas em 22 de dezembro. O motivo para o fim desse blog é que não assinarei mais como Emmanuel Mirdad, e não tem lógica manter um canal de comunicação vinculado a esse nome.


Algum dia farei outro blog? Acho difícil. Caso faça, divulgarei apenas o meu trabalho como escritor, o único que continua, assinando, a partir de 2017, como Emmanuel Rosa.


Muito obrigado pela sua audiência. E espero que o Google mantenha esse acervo ativo, para quando você quiser voltar por aqui e ler (ou ouvir) algo que lhe agradou, d…